quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O PODER DO “ EU SOU” - THE POWER OF "I AM", AUM

Cristo Interno- Eu Sou - Aum

(Você já percebeu quantas vezes a Bíblia cita a expressão “Eu Sou” tanto no antigo quanto no Novo Testamento? Qual seria o verdadeiro sentido do “Eu sou”? É possível entrarmos em contato com o “Eu sou”? Como fazê-lo? É o que analisaremos no texto abaixo.)

No antigo testamento, no livro de Êxodo , Moisés pergunta a Deus “ Qual o seu nome?”, e ele responde “ Eu Sou o que Sou. Disse mais : Assim dirás aos filhos de Israel : Eu Sou me enviou a vós outros.” (Ex. 3:14-15). No último livro da Bíblia, em Apocalípse, Jesus diz “ Eu Sou o Alfa e o Ômega, aquele que é, que era e que há de vir” Ap.1:8).Nos evangelhos, são inúmeras as passagens em que Jesus refere-se a si mesmo como o “EU SOU”:
·        Desde já vos digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer creiais que EU SOU! (Jo. 13:19)
·         Quando levantardes o filho do homem, então sabereis que EU SOU! ( Jo. 8:28)
·        Se não crerdes  que “EU SOU” morrereis em pecado ( Jo. 8:24)
·         Em verdade, em verdade vos digo antes que Abrãao existisse EU SOU! (Jo. 8:58)
Além destas citações, são famosas as frases em que disse: “ Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida; Eu Sou a porta; Eu Sou o Bom Pastor; Eu Sou a Luz do Mundo: Eu Sou o Pão da Vida, Eu Sou a videira verdadeira” - dentre outras mais. Ou seja, a expressão “EU SOU” é usada na Bíblia com uma significação especial, não é simplesmente um pronome pessoal de primeira pessoa  mais um verbo de ligação, é também um nome próprio e uma forma de expressar ou tentar definir o que é indefinível: Deus. Assim, sendo, conclui-se que Deus é o Absoluto: o que é, o que foi, e o que há de vir, e que a expressão EU SOU é apenas uma forma de definir este absoluto indefinível. Daí,  podemos inferir que, como Jesus  foi o Avatar ou Encarnação da Divindade Eterna, Última e Imensurável, ao referir-se àquela força Cósmica da qual ele foi sua manifestação visível, ele se autodenominava “EU SOU”. Ao insistir na expressão “EU SOU”, estava usando uma espécie de código para dizer “ EU SOU o verdadeiro Deus, o mesmo de Moisés, Abraão e dos profetas, aquele que é, que foi e sempre será”, de forma que não houvesse dúvidas nem naquele tempo, nem nos tempos vindouros , sobre sua real identidade, natureza e missão.
Ora, na tradição Védica, o Eu Sou, já era conhecido há milênios pelos hindus como o som original OM, ou AUM. Afirmam, inclusive, que Deus, por ser Absoluto, não difere de seus atributos, ou seja : ele é o NOME (AUM, EU SOU) e o referente ( O Inonimável, o Desconhecido, o Impensável, Icognoscível);  é Criador e Criatura,  Observador e coisa observada;  é o Sujeito e o Objeto. Não nos espantemos, pois quando afirmamos isso pois a lógica é simples : ser  "o que é, o que foi e o que será " é o mesmo que dizer EU SOU TUDO,  EU SOU O ABSOLUTO. Se alguém ainda tem dúvida, veja o que Jesus disse, na sentença 77, do Evangelho de Tomé, o Dídimo: “
“ EU SOU a Luz que paira acima de todas as coisas. EU SOU O TODO. Tudo se originou de mim e através de mim tudo foi feito. Cortai um pedaço de madeira, eu estarei lá. Levantai a pedra lá me achareis”
Agora, o que este conhecimento pode nos revelar? É aí onde muita gente acaba se enganando e cometendo muitos erros.  Sair por aí repetindo “EU SOU” ou AUM, não vai te colocar em conexão com Deus, por mais que se tente. Não esqueçamos que a nossa linguagem é pobre e que nossa mente - limitada pelos pensamentos e condicionamentos- não consegue compreender o Infinito, o Ilimitado. Ao afirmarem que Deus é o “EU SOU” os avatares estavam apenas utilizando da nossa limitada  ferramenta da linguagem para comunicar o que é essencialmente incomunicável. Ou seja, é tolice tentarmos repetir as palavras, que são apenas recursos comunicativos limitados, na ilusão de, ao fazê-lo, estarmos contatando Deus- o Ilimitado. "EU SOU" é a vibração criadora e mantenedora do Universo; é, talvez, em nossa linguagem, a melhor expressão para definir e expressar o que é DEUS ( digo “o quê”, pois não podemos reduzi-lo a uma pessoa).
Assim, o EU SOU, é a tradução em linguagem humana, do som, ou vibração universal que é a própria essência de toda criação, da matéria, da energia, dos átomos e partículas subatômicas. É o que mantém  vivo e coeso o cosmo que conhecemos. Mas, se Deus não é a palavra o que ele é? ELE É O QUE É. Todos os grandes e verdadeiros iluminados afirmaram isso, desde Jesus, passando por Buda, até Ramana Maharshi. Buda também acreditava em Deus? Acreditar não seria a palavra mais apropriada. Buda disse “ Mais alto que o céu, mais fundo que o inferno, além das mais longinquas estrelas, há um poder estáel e divino, existente antes do princípio e que nunca terá fim. Eterno como o tempo, seguro como a certeza, que impele para o bem e é súdito de suas próprias leis” ( O evangelho de Buda –Yogi Kharishnanda).Os iluminados não acreditam em Deus, eles vivem Deus, eles o sentem, o veem em tudo o que existe, e compreendem que são parte dele. Desta forma, entendemos quando Krishnamurti diz que “ Perceber a Verdade é perceber “O que É”.
Mas, como perceber o que é? O eterno “EU SOU” do Universo? Pela meditação, pelo autoconhecimento, pelo perceber as ilusões criadas pela mente. Mas nunca repitam o “EU SOU” na ilusão de que estão meditando. Repetir “EU SOU”, ou “AUM” não liberta ninguém de nada. Ninguém chega a lugar nenhum por um ato voluntário da mente pensante ou EGO. Para que repetir verbalmente o EU SOU? O que pretendemos alcançar com esta prática mecânica e pueril? Ela apenas nos põe a dormir mais ainda, na ilusão de que estamos nos libertando ou entrando em contato com Deus. Deus está além das palavras. A palavra, e a linguagem são instrumentos de comunicação humana. Nada mais. O verdadeiro poder criador encontra-se na mudança de frequência, quae se realiza quando  passamos do pensamento para o não-pensamento, o que nos possibilita o encontro com a energia criadora do universo. Mas, não forceis o pensamento a não-pensar. É outro engano. O pensamento nunca pode parar, por ser, por definição, movimento. Além disso, cairíamos na ilusão da dualidade : entidade pensante versus pensamento. Esta divisão é ilusória, como já, alertou-nos Krishnamurti, Buda e Ramana Maharshi.
Mas  quando nada fazemos ( ZAZEN), e apenas percebemos “o que é” (Krishnamurti), quando nossa mente deixar de distorcer, de enganar, de criar ilusões. Quando a “consciência pura” se faz presente em nosso ser e nos tornamos apenas a testemunha (Ramana Maharish), neste repouso começa um movimento desconhecido    (“se vos perguntarem qual é o sinal do Pai em vós dizeis : é movimento e repouso- Jesus, Evangelho de Tomé). Começa, então, o agir pelo não agir dos Taoístas (wu-wei). E começamos a perceber que sempre fizemos parte do EU SOU universal e que nunca houve separação real. É a mesma relação da onda com o Oceano, ou da vela com o Sol – tudo é Oceano ou Luz.  Acreditar-se separado é viver em dor, conflito e sofrimento. Despertar para a Unidade é encontrar a verdadeira fonte da criação e do poder.
 Mas, esse poder, não pode ser manipulado ou usado por nós enquanto estivermos na ilusão do EGO. Somente no morrer é que há um renascer. Mas o que renasce não é a mesma coisa que morreu, é algo diferente, do qual o EGO não pode compreender, contatar ou perceber. O ego morre quando morremos para toda experiência, memória, passado, pensamentos, palavras e desejos de qualquer espécie. Não pode ser chamado de entrega, porquanto o ego não pode entregar nada – quando ele entrega há sempre um desejo por trás e, neste caso, é o desejo de perpetuação.  "Extinção " seria a melhor palavra para este processo.

 Então, extinto o ego, poderá nascer aquilo “que é , que foi e será”: o Eterno, o Atemporal, o Desconhecido.  Aquilo que, ao longo dos séculos, por pura necessidade de comunicação e por causa da  pobreza da nossa linguagem , foi  traduzido pela expressão  “EU SOU”.

AUTOR: ALSIBAR, (sob inspiração?)
http://alsibar.blogspot.com


5 comentários:

  1. Brilhante e inspirado texto, rapaz!!!! Diria que o "ego" é um reflexo do sistema escravizante a que estamos submetidos, vivos ou mortos. Não interessa ao sistema o "aqui e agora", único ponto tangente para fora da circunferência ("roda" do sansara). Daí as religiões e suas promessas, o esperar uma encarnação melhor, o fugir do agora. Daí as religiões, alienantes em essência. Daí o bando de zimbis que ora e desespera. "Eu Sou" representaria a conexão, a reconexão com este agora que nunca iniciou e nunca termina. Grande inspiração, meu caro!!! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  2. Exatamente amigo... obrigado por sua brilhante contribuição. Fraterabraços!

    ResponderExcluir
  3. Amo Jesus e procuro seguir seus Ensinamentos para me tornar um ser humano melhor neste Mundo e me preparar para ingressar noutros mais perfeitos e elevados no seio do Cosmos, porém não creio que ele seja o TODO e sim uma parte como "Filho" do Universo que transmitiu amor à Humanidade e considerou todos os seres vivos como irmãos, filhos do mesmo Pai Universal, o TODO ABSOLUTO, além do Jesus físico crucificado numa cruz mas ressuscitado para a vida espiritual.

    ResponderExcluir
  4. Lembra quando Jesus disse: " Eu e o Pai somos um. Quem me vê, vê ao Pai que me enviou"? Obviamente, ele está se referindo ao Si Universal, que ali se "encarnou" e não a sua parcela "humana". Fraterabraços e obrigado pela participação!

    ResponderExcluir