sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

GURDJIEFF ,OSHO, RAMANA, KRISHNAMURTI E A VERDADE


http://alsibar.blogspot.com 


          Esse artigo não é pra iniciantes. Dificilmente eles me compreenderão. Vou falar sobre o que Krishnamurti chamou de “terra sem caminhos” . Foi assim que ele denominou a Verdade. Você é meu convidado a fazer essa viagem que nos levará à lugar nenhum. Você provavelmente se escandalizará com isso. “Como uma viagem pode nos levar a lugar nenhum? Isto é um absurdo. Um disparate!”- será  provavelmente a primeira reação da maioria dos “novatos” na busca espiritual. Mas quero fazer um breve preâmbulo, antes de entrar na questão central.

          Muitos buscadores da minha geração provavelmente estão familiarizados com os quatro mestres citados no título deste artigo. Meu objetivo não é descaracterizar, nem desmerecer nenhum. Mas manifestar minhas sinceras impressões com vistas a ajudar o buscador em sua difícil viagem espiritual. Se você não tem dúvidas, então pare de ler aqui. Este artigo é para aqueles que estão atribulados em seu espírito. Afinal como saber que caminho trilhar? Quem estará certo? Que  mestre seguir? O que fazer nos momentos de angústia e incertezas? Quem poderá nos transmitir algo com segurança? Até que ponto devo prosseguir no meu caminho errado até finalmente tomar uma atitude para parar, voltar ou mudar de rumo?

          Se estas dúvidas assolam seu coração, então você está no lugar certo. E por providência divina você se deparou com esta mensagem que – creio- poderá lhe ajudar muito. Leia com atenção, mas não aceite nada do que vou dizer. Reflita em seu coração e peça a Deus que lhe ajude a entender. Se houver alguma verdade e se esta lhe for de alguma forma útil, renda graças a Deus e louve seu nome- mesmo em silêncio. Caso contrário, obrigado por sua atenção. Continue seu caminho. Talvez não seja a sua hora . Ou talvez, eu esteja errado e você certo. A verdade é uma terra sem caminhos- e sem donos.

          Gurdjieff foi um grande mestre- não há dúvidas sobre isso. Todavia, se perdeu ao longo do caminho. Sua verdade era fragmentada e não levava a lugar nenhum. Seu último livro da série “Sobre tudo e todas as coisas” é um relato de um homem confuso, arrependido e angustiado. Um desabafo de um moribundo próximo à morte.  Gurdjieff se perdeu .Não somente ele mas todos os que o seguiram- desde Ouspensky até Rodney Collin. Este último enlouqueceu e cometeu suicídio. De acordo com relatos, estava obcecado pela ideia da “morte consciente” o que o levou a pular  de um prédio alto no México – para a morte. O primeiro, após a separação do mestre, viu-se perdido e sem rumo. Acabou se metendo com experiências psicodélicas, principalmente a mescalina. Em termos espirituais, foi um grande fracasso. Descobriu tarde demais que o sistema de G. ( Gurdjieff) era um beco sem saída. Suas últimas palavras foram:

- Abandonem o sistema. Comecem novamente por si mesmos!

          Osho fora talvez, o guru mais famoso do século xx. O mais rico e mais insano também. Provavelmente, quando começou seu trabalho, sua intenções eram sinceras e verdadeiras. Não foi à toa que tanta gente o seguia e admirava- inclusive eu. Todavia, ao longo dos anos, o guru e seu movimento foi se afundando. Até o fracasso final que culminou com os fatos em Óregon e finalmente com a morte misteriosa de Osho e sua namorada Vivek – esta última de overdose. E Osho morrera um mês depois de “não-se-sabe-o-quê”. Sua morte é uma polêmica. Assim como fora toda sua vida. Oficialmente os discípulos dizem que Osho morrera em decorrência de envenenamento por Tálium causado pelo governo dos Estados Unidos  durante o tempo em que ficou preso naquele país. Extra oficialmente, alguns dissidentes e testemunhas oculares falam em suicídio por overdose. Osho era viciado em Válium ( Diazepan) e Óxido Nitroso. Vários elementos, indícios e testemunhos levam a crer que esta última versão é a mais verdadeira.

          Não se trata aqui  de macular a imagem de alguém que já morreu. Mas de analisar sua Verdade e seu caminho que , ainda hoje, influencia milhares de pessoas no mundo todo. Afinal, o caminho de Osho o levou a quê? À tragédia? E que caminho é esse que culmina em tragédia? Por certo, não é um bom caminho. Os discípulos quiseram distorcer os fatos, apresentando-o como uma espécie de vítima dos cristãos fundamentalistas americanos. Uma débil tentativa de martirizá-lo, tornando-o uma espécie de Jesus ou Sócrates. Mas o caso desses últimos é totalmente diferente. Tanto Sócrates quanto Jesus tem a seu favor não somente sua história, mas também seus ensinamentos. Qualquer pessoa pode verificar por si mesmo a eficácia e a verdade daquilo que eles pregaram constatando, assim, o poder  e a pureza de sua fonte.

          Isso não acontece com os ensinamentos do Osho. Qualquer um que tentar seguir seus ensinamentos, ou vira um seguidor fanático, ou simplesmente fica rodando em círculos. É um caminho que não leva a lugar nenhum- não no sentido Zen da expressão - o que seria algo positivo. Mas por que é incipiente, confuso e ineficaz . Osho descobriu uma forma ímpar de ensinar: bela, mas ineficaz. Seu sistema ou visão não funciona. Traz um bálsamo que só dura enquanto o lemos ou ouvimos. É uma espécie de droga linguística. Dá uma sensação gostosa de paz e conforto. Mas quando defrontado com os reais problemas e desafios da vida, em nada ajudam. Nesses momentos  só nos restam duas alternativas: ou se escolhe enfrentar a verdade- e isso inclui perceber que o mundo de beleza e celebração preconizado por Osho não existe, ou então fugimos novamente para seu mundo imaginário, gozando daquela paz superficialmente fabricada. Muitos procuram seus discípulos diretos - que agora posam de guru- na tentativa de perpetuar e fortalecer essa suposta “paz espiritual”.

          Ramana é um autêntico mestre advaita ( tradição não-dualista), assim como Nisargadatta Maharaj. O problema não está nem em Ramana, nem em Nisargadatta, mas naqueles que se dizem seus seguidores e que hoje se autoproclamam gurus. Utilizaram de uma fonte pura e verdadeira, mas desvirtuaram seus objetivos e deturparam sua pureza. Há centenas de movimentos  e “gurus” que se dizem inspirados nesses mestres. Todavia, é apenas jogada de marketing. Usam suas fotos e citações para ludibriar o povo e angariar o respeito dos candidatos a discípulos ( vítimas) . Mas no fundo, seus caminhos são diametralmente opostos ao seguidos pelas suas supostas fontes. Em geral são pessoas que sofrem algum distúrbio comportamental tais como a psicopatia ou esquizofrenia. São megalomaníacos, perigosos e espertos. A aparente simplicidade desses ensinamentos  junto ao apelo da visão advaita (tudo já é perfeito) parece uma fórmula fácil  e segura para manipular e explorar os mais sensíveis e vulneráveis.

          O curioso é  que, apesar de tentarem ligar suas imagens às de Ramana ,  o estilo de boa parte desses “gurus”  se aproxima mais do de Osho . Em geral, utilizam a mesma técnica que o consagrou: palavras belas e aparentemente profundas cujo efeito principal é uma agradável sensação de paz . Paz essa que é passageira, pois só dura enquanto ouvimos, lemos ou relembramos o discurso. Mas que na prática não tem nenhuma valia - a não ser o entorpecimento, o embotamento e o isolamento do mundo. Mas quanto tempo isso dura? E eu pergunto: qual é a duração do efeito de uma droga? Pode durar  dias, meses, anos… mas  chegará um dia que a pessoa terá que acordar. Infelizmente, em muitos casos, será  tarde demais. Restará apenas contabilizar os prejuízos espirituais, psíquicos, emocionais e financeiros daqueles que foram vitimizados.

          Krishnamurti é um caso raro de autenticidade , heroísmo e sabedoria. Cedo libertou-se das garras de uma poderosa organização que tinha tudo para corrompê-lo e destruí-lo. Mas ele conseguiu se libertar e tornou-se um dos maiores mestres espirituais contemporâneos. Assim como Buda e Jesus Krishnamurti foi um rebelde. Não foi um rebelde sem causa – mas por uma grande causa: a libertação do homem dos seus grilhões espirituais e psicológicos.

          Krishnamurti teve, certamente, alguns percalços ao longo de sua vida secular.  Desafios que, provavelmente,  tanto Osho quando Gurdjieff também enfrentaram: as tentações do dinheiro-ligado à soberba, ambição e poder. E as tentações do sexo-ligados à luxúria e ao prazer. Osho sucumbiu. Gurdjieff se arrependeu. Mas Krishnamurti superou. Apesar do famoso “escândalo” em que se envolveu com a esposa do seu secretário particular, ele continuou firme em seu caminho. Noventa anos de vida, um caso apenas que talvez o tenha envergonhado pelo resto da vida. Penso que seus milhares de admiradores viram aí uma “falha” natural do seu lado humano. E, ao contrário do que pensavam seus opositores,  aumentou a admiração de seus fãs no mundo todo.  Provavelmente,  muitos se alegraram de saber que Krishnamurti era humano igual a todos eles. Um homem que também teve conflitos, falhas e  imperfeições e que, apesar disso tudo, encontrou Deus ou a Verdade. Esse episódio tirou-o do pedestal de homem-deus,  tornando-o um ser semelhante a nós.

          O caminho trilhado por cada um desses mestres nos revela grandes lições que podem nos servir de inspiração e orientação em nossa própria jornada. O fato é que Gurdjieff tentou trilhar o caminho mas falhou. Osho pareceu já ter chegado-mas revelou-se um grande fracasso. Krishnamurti não chegou a lugar nenhum. Não por fracasso, mas porque ele descobriu que não havia  nenhum lugar para se ir, nem nenhum caminho pra se trilhar. Ramana chegou à mesma conclusão que Krishnamurti. A diferença básica entre estes dois é que o primeiro não era revolucionário, ele não negou a tradição na qual ele próprio estava inserido- pelo contrário reafirmou-a. Krishnamurti negou totalmente as tradições, apesar dele próprio se inserir na tradição dos grandes iconoclastas como Buda e Jesus.

          Ramana não teve mestres, assim como Buda e Krishnamurti. Ambos não precisaram seguir ninguém. Encontraram sua própria via de libertação sozinhos. E se você ainda está seguindo alguém- seja quem for - esqueça, abandone isso. Nunca chegarás a lugar nenhum assim. Escute os mestres autênticos, absorva suas orientações mas não adore ninguém, não bajule ninguém, nem entregue sua vida a ninguém. Encontre sua própria verdade que é única. Cuidado com os exploradores que cantam música para lhe distrair, enquanto  roubam sua carteira.

          Expus, em poucas palavras um pouco da minha própria experiência e visão. Todavia, sei que a minha não é única, nem pretende ser absoluta. As críticas são normais e esperadas. Mas sei também que tudo o que escrevi aqui, poderá ser de grande utilidade àqueles que realmente e sinceramente querem encontrar a Verdade e não apenas um conforto superficial, uma felicidade passageira , uma paz  ilusória . Se é este o seu caso, então preste atenção, não quero que aceite, mas reflita com carinho sobre a minha última mensagem:

“Não há caminho, nenhum lugar pra se ir, ninguém pra ser seguido, nem ninguém pra caminhar”

Se entendeu isso, então  meu esforço não terá sido em vão e minhas palavras não terão sido desperdiçadas.

Namastê!

Alsibar


Todas informações polêmicas aqui apresentadas podem ser checadas nos seguintes livros e links :

GURDJIEFF – George I.-  Life is real only then, when “ I am”-  All and Everything/ third series

SMITH, Joyce Collin- Não chame ninguém de mestre. Siciliano- 1993

MINE, Hugh -Bhagwan: O Deus que falhou Imprensa de São Martinho .

FRANKLIN, Satya Bharty -Promessa do Paraíso: vida íntima de uma mulher com 'Bhagwan' Osho Rajneesh - imprensa Colina Barrytown / Estação.

E o artigo de Christopher Calder sobre o Osho em Inglês e Português:




128 comentários:

  1. Alsibar,

    O artigo está muito bem escrito, mas como nada sei dos ensinamentos de Gurdjieff e Krishnamurti, não pude entender tudo.

    José Elias

    ResponderExcluir
  2. Grande texto, rapaz!!!! Quatro Grandes figuras e seus enredos com o destino, quatro visões do que é e do que não é o Caminho para lugar nenhum. Ainda não existem seres, existem escravos criados para a manutenção do sistema, ovelhas capitais... Sabemos a dor que significa deixarmos de ser isso. Abraço!!!!!!!! Namaskar!!!

    ResponderExcluir
  3. É isso aí concordo plenamente: seja sua propria religiao - religação .

    ResponderExcluir
  4. Confraterno amigo Alsibar!

    Seu devotamento ao estudo e seu zelo pelos buscadores sinceros já o diferenciam sobejamente!

    Compartilho com vc do que acredito ser uma afeição profunda em relação a Ramana e Krishnamurti. E, daqui onde estou, geograficamente distante, tivemos provas de uma espécie de proximidade que vence fronteiras de toda ordem. Esta é uma prova irrefutável da Unidade Fraterna.

    E se esta Unidade é passível de acontecer em pessoas "comuns" como nós, creio, é pela existência de uma Fraternidade Universal que funciona como foco convergente de tantos quantos queiram compartilhar dela, independente de moldes ou caminhos institucionais, assegurando a cada o seu devido quinhão...

    Abraços irmanados!!!

    ResponderExcluir
  5. Excelente alerta, Alsibar!
    Abraço, Vanuza

    ResponderExcluir
  6. Grandes irmãos fraternos: José Elias, Nestor Lobo, Nabil Chaar, e Shivshakti... companheiros dessa longa jornada espiritual que é a vida. Muito grato pela participação e comentários! Paz e Luz a todos! Namastê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc é um cara muito engraçado kkkkkkkk

      Excluir
  7. Gostei muito da citacao inicial, dizendo que a verdade eh uma terra sem caminhos. Isso me sucitou boas reflexoes. Muitos buscadores incautos depositam em "mestres" uma responsabilidade que eh pessoal e intransferivel. E idealizam um "paraiso" de fantasia, ocio e euforia continua. Disse Jesus que o reino dos ceus nao vem com aparencia exterior, e que ele esta dentre nos (no meu entendimento, ele se constroi nas relacoes). De fato nao ha um "onde chegar", mas um "como viver". Talvez seja esse o grande ensinamento de todos os mestres reais. Obrigado Alsibar, por compartilhar esse pedacinho do seu entendimento sobre vida. Deus te abencoe.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado Baiaco! Muitas bençãos para nós todos! Namastê!

    ResponderExcluir
  9. Ótimo texto! Realmente, Osho era uma farsa! E eu que o admirei por tanto tempo...Vc o descreveu precisamente...Os ensinamentos dele se dissovem quando postos à prova na realidade da vida! Deus te abençõe, Alsibar! Teu blog é um oásis nessa internet!

    ResponderExcluir
  10. Olá Anônimo, obrigado por sua visita e comentários. Seja sempre bem vindo e que possamos contribuir com a divulgação da Verdade, sempre! Namastê!

    ResponderExcluir
  11. Olá Alsibar (tem email meu pra você)

    Texto primoroso. Infelizmente pouco podemos fazer para ue entendam que não há "o outro". O negócio todo é em nós, para depois sermos o Todo. Gostei de tudo que você escreveu, e compartilho da mesma percepção sobre o Osho. Infelizmente, quando tento alertar algumas pessoas que tem verdadeiro fascinio por ele, fica impossível. Eu sempre gostei muito dele, pelos motivos que você sabiamente citou aqui, mas com a maturidade espiritual, e depois, finalmente com o despertar (que não foi coisa fácil, nunca é, pra ninguém), quando finalmente temos "olhos de ver", vi coisas nele que antes, minha incosciência não deixava ver. Não gosto da mistura que ele faz de sexo com a mais alta espiritualidade (os tolos que vão na dele cegamente podem ser pegos por um tantra de baixa vibração). Não sou contra o sexo não hein, mas quando saímos da ilusão, da hipnóse coletiva, isso já não tem prioridade no nosso caminho, o que não vejo nas declarações dele sobre esse assunto.
    Vaidade, ego, sexo, passam ao largo de quem já se libertou. O que não é o caso dele. Reparei num vídeo a vaidade dele com roupas futuristas, relógio caríssimo, algo de "fashion star" que não me deixa sentir ele como algo puro, liberto, verdadeiro. Quem "se" encontra de verdade, não tem espaço em Si para essas coisas. Aliás, pessoas libertas são muito cada um na sua, não gostam de chamar atenção. Caso chame a atenção de outras pessoas, é simplesmente pela sua ótima energia, pela sua espiritualidade alegre, e são pessoas confiantes em si mesmas. Não prercisam de estardalhaço.

    continua...

    ResponderExcluir
  12. continuação...


    Somos únicos! Só depois de sabermos disso, somos capazes de sermos Todos, o Tudo, o UM.
    Enquanto alguém procurarlá fora, tá perdido de Si mesmo.
    Na minha caminhada, nos meus estudos e pesquisas incansáveis, descobri inclusive, que pessoas que lidam com coisas bem contrárias à libertação da humanidade do mental coletivo, incentivam os ensinamentos dele, e têm um comportamento em sua vida particular, de total interesse, e sómente, em benefício próprio, e pouco se importam com o próximo. O que eles querem é "grana!". Quanto mais gente hipnotizada, mais essas pessoas procuram por eles, e mais eles enriquecem e riem pelas costas. Não precisa ser muito inteligente, pra sair pela internet e entrar e ver a cegueira que se encontram os donos(as) de blogs que misturam todas as crenças (umbanda, candomblé, budismo, Fraternidades, Federações disso e daquilo), pessoas totalmente sem rumo, falando para o mundo. É inacreditável como seus seguidores não enxergam, não percebem isso.
    Misturam Saint Germain com mediunidade e entidades (sendo que em seus livros fica muito claro que a Fraternidade não colabora para a crença de um "astral", muito pelo contrário), e mais, misturam Induísmo, Budismo com Wicca, dizem para que você desperte (como eles próprios "já se libertaram"), mas dão receitinhas, rituais, "mensagens" vindas de Anjos, Arcanjos, Mestres, do próprio Jesus, para que essas pessoas iludidas, encontrem o pote de ouro no final do arco-íris. É muito triste essa fase tola, infantilóide do ser humano. Muito triste. É impressionante como a maioria nao percebe a nmecessidade de tantos em agradar porque a vida dele(a) tá um horror, um vazio total, completamente atemorizados, e montam blogs, sitesm os Facesa da vida, para poderem sentir que são alguma coisa. Mentem o tempo inteiro no Facebook, porque nem sabem o que estão fazendo aqui, na vida. Falam o tempo todo de amor, mensagens de Deus, mas não enxergam a manipulação mental, a lavagem cerebral à que estão expostos 24hs por dia. Não são nada do que mostram no Face, mas não têm a menor coragem de enfrentarem suas mentiras.

    Quem percorre esse caminho, de sair do hipnotismo do mundo, das crenças limitantes que nos impuseram, sabe bem do que estou falando. É doloroso, cansativo, mas é o que precisamos fazer. Nos livrarmos das garras, das mentes, desses que acreditam que podem nos prender pela eternidade.

    Sigo aqui.
    Eu, na minha.

    Novamente,
    Excelente texto Alsibar.

    Abs fraternos

    ResponderExcluir
  13. OI!

    Esqueci de colocar o link do tal vídeo do Osho

    http://www.youtube.com/watch?v=igY11uFMqhk

    ResponderExcluir
  14. Olá Anônimo II, obrigado por seu comentário que enriqueceu, ampliou e confirmou minhas reflexões! Seja sempre bem-vindo(a). Namastê!

    ResponderExcluir
  15. Alsibar! Nem sei o que dizer!

    Quando fiz este comentário logo acima (anônimo), eu ainda não tinha lido seus três textos "QUEM FOI OSHO", e outros que comecei a ler ontem.
    Acabei de lê-los neste instante (levei a tarde toda, não conseguia parar), e fiz um comentário enorme lá, que por mim seria maior ainda.
    Tô passada!

    Tudo o que falei neste comentário aqui, é fruto de uma experiência pessoal. Mas é incrível como bateu com-ple-ta-men-te com o que você escreveu em outros textos, e muito mais ainda com os que acabei de ler.
    Eu lia e arregalava os olhos, porque antes de saber de tudo isso, eu já havia descoberto (com muito sofrimento), o quanto os ensinamentos do Osho controlam as mentes incautas (como já tive).

    Os ensinamentos dele são apreciados, porque neles, a pessoa costuma encontrar apoio para as coisas que lááááá dentro dela falam baixinho "olha! presta atenção, isso não tá legal no seu caminho, não é por aí", mas ela não quer ouvir, porque ela se sente bem com aquilo, mesmo sabendo que sua intuião está procurando mostrar que não é bem assim", e ela não quer MUDAR.
    O Osho (e aqueles que usam seus ensinamentos de modo a jogar a espiritualidade, para colher dinheiro), encanta porque ele "concorda com a pessoa". A pessoa encontra um "amigo" que entende as shit que ele(a) fazendo na própria vida.

    Aaaaahhh gente. O cara funciona que nem EXÚ e ninguém nota. Que é isso?!
    (tem um monte desse aí de cima trabalhando em terreiros disfarçados de "espaços" que ensinam quase que somente >>> "O S H O")

    A vida dos seres hipnotizados que seguem seus ensinamentos, tá sempre na mesma! Reparem!
    É apenas um passar de mão nas suas cabeças, e daqui um pouco, cadê o resultado positivo, transformação na sua vida, mudanças positivas?!

    Vai doer, mas vai doer tanto quando descobrirem por vocês mesmos a mentirada toda. (infelizmente)




    Foi assim comigo. :/






    ResponderExcluir
  16. Anônimo 1 falando...Infelizmente fui perceber que o Osho era uma farsa num momento de crise, pelo qual ainda estou superando...Crise espiritual, psicológia de medos, remorsos e dúvidas... crise afetiva também, pois perdi uma pessoa super especial pra mim, uma namorada maravilhosa e perdi amigos tb...Pessoas boas mesmo...Através do Osho entre i numa fase meio arrogante, perdi um pouco da humildade, comecei a beber muito vinho, a ser relaxado, indisciplinado em minha vida profissional e a relaxar de tudo. Não é essa a mensagem dele: - Tudo é perfeito, não faça nada?...Seja Zorba, o Buda e tudo é divino, maravilhoso...E ele proprio, viciado em drogas e infeliz... Infelizmente, a realidade cobra caro esse tipo de embriaguez psicológica. No momento, tento reconstruir a minha vida e seguir em frente, ainda que às vezes em minha mente surjam pensamentos cheios de arrependimento q no momento tento superar através da meditação honesta de Krishnamurti...

    ResponderExcluir
  17. Ola Amigo Anônimo I, PAZ E LUZ!

    Eu realmente me solidarizo com você nesse momento. Todo mundo que é REALMENTE sincero se decepcionará com a mensagem confusa e inócua do Osho.

    Eu também passei por isso mas logo vi que estava me auto-iludindo. Vieram as crises e... kd o Osho nessas horas? Uma mensagem confusa, só pode levar à confusão. Assim como aconteceu com vários de seus discípulos e com o próprio. Uma vez Osho criticou Krishnamurti dizendo que K. passou uma vida falando a mesma coisa e que K. tornara-se uma espécie de condicionamento para si próprio. Eu tomei pra mim esta fala e me afastei de K. Hoje, mais maduro, vejo que a essência da mensagem de K. realmente é a mesma, pois é Eterna. Todavia, elementos acessórios como expressões, foco, estilo etc mudaram sim ao longo dos muitos anos que ele viveu. Basta comparar K. nos primeiros anos após o rompimento com o K. dos últimos anos de vida.

    E você faz certíssimo amigo, se refugiando na mensagem esclarecedora e salvadora de K- esta sim pode nos libertar da dor e do sofrimento porque é a manifestação da VERDADE.

    Muita paz amigo! Fraterabraços e obrigado pela sinceridade e coragem do seu relato.
    Namastê!

    ResponderExcluir
  18. Só mais uma coisa amigo Anônimo I... mantenha-se firme na meditação. As crises me fortaleceram e me iluminaram, pelo aprendizado e amadurecimento que elas me trouxeram. Se não fugires, nem desistires sairás dessa fase fortalecido e renovado. Nunca mais serás o mesmo! Até a próxima!

    ResponderExcluir
  19. Muito obrigado pela força, ALSIBAR!

    ResponderExcluir
  20. Aforismo 354 da Gaia Ciência
    (Livro V - Gaia Ciência, Friedrich Nietzsche, pág. 247-250, Companhia das Letras, ano 2001, tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza)

    Do "gênio da espécie". - O problema da consciência (ou, mais precisamente, do tornar-se consciente) só nos aparece quando começamos a entender em que medida poderíamos passar sem ela: e agora a fisiologia e o estudo dos animais nos colocam neste começo de entendimento (necessitaram de dois séculos, portanto, para alcançar a premonitória suspeita de Leibniz). Pois nós poderíamos pensar, sentir, querer, recordar; poderíamos igualmente "agir" em todo sentido da palavra; e, não obstante, nada disso precisaria nos "entrar na consciência" (como se diz figuradamente).

    A vida inteira seria possível sem que, por assim dizer, ela se olhasse no espelho: tal como, de fato, ainda hoje a parte preponderante da vida nos ocorre sem esse espelhamento - também da nossa vida pensante, sensível e querente, por mais ofensivo que isto soe para um filósofo mais velho.

    Para que então consciência, quando no essencial é supérflua?

    Bem, se querem dar ouvidos à minha resposta a essa pergunta e à sua conjectura talvez extravagante, parece-me que a sutileza e a força da consciência estão sempre relacionadas à capacidade de comunicação de uma pessoa (ou animal), e a capacidade de comunicação, por sua vez, à necessidade de comunicação: mas não, entenda-se, que precisamente o indivíduo mesmo, que é mestre justamente em comunicar e tornar compreensíveis sus necessidades, também seja aquele que em suas necessidades mais tivesse recorrer aos outros.

    ...
    completo no link: http://goo.gl/DxABF

    ResponderExcluir
  21. .
    Para ajudar a perceber para o que krishnamurti e Nietzsche estão apontando...
    .
    "Ouvi dizer que havia perto de Naucratis no Egito um daqueles velhos deuses no país a quem os Egípcios consagravam uma ave chamada Íbis; esse demônio tinha o nome de Theuth; foi ele quem inventou a numeração e o cálculo, a geometria e a astronomia, o gamão, e também a escrita. Tamuz, reinava sobre toda a região, na cidade do alto Egito que os gregos chamam de Tebas egípcia, como eles chamavam Amon, o Rei-Deus Tamuz. Theuth vindo a encontrar o rei; exibiu-lhe suas artes dizendo ser conveniente ensiná-la aos restantes Egípcios. O rei indagou qual seria a utilidade de cada uma delas; o deus as explicou e o rei ora as criticava, ora as elogiava, segundo pareciam bem ou mal realizadas. Diz-se que Tamuz fez a Theuth numerosos reparos, a respeito de cada uma dessas artes, num e noutro sentido. Mas quando chegou a vez da escrita, disse Theuth: 'Aqui está, soberano, um aprendizado que permitirá, aos Egípcios, tornarem-se mais sábios e mais capazes de rememorar; pois eu encontrei o remédio tanto da memória quanto do saber.

    O rei respondeu-lhe: 'Ó extraordinário artista Theuth! Um é aquele capaz de criar uma arte, outro o de julgar a medida da utilidade ou prejuízo que advirá para os que se disporão a fazer uso dela: sendo tu o pai das letras atribui por complacência uma eficácia contrária do que elas podem fazer: esse invento proporcionará o esquecimento do aprendido nas almas fazendo negligenciar a memória: só se lembrando das coisas, graças à confiança em sinais estranhos, e não de dentro para fora, do fundo deles mesmos que poderão suscitar suas memórias; encontrastes um meio, não para reter, mas para renovar a lembrança, portanto não encontraste o infalível remédio para a memória, mas para a simples recordação, ensinas aos teus discípulos não a verdade, mas a aparência da sabedoria: pois, tornados eruditos por ti, sem instrução verdadeira, acreditarão ser muito cultos, embora sejam ignorantes na maior parte das coisas, pois eles pensarão ser sábios sem o ser'."

    .

    ResponderExcluir
  22. Alsibar, que bom ler seu texto. Há tempos minhas reflexões caminham nessa direção, mas entre a percepção e o real entendimento podemos precisar de algo mais que o tempo vai nos dar. A cada nova informação, a cada passo nessa percepção, SINTO que essa verdade se sedimenta. Tanto que também já estou caminhando nesse sentido.
    Tantas vezes vejo meus irmãos de jornada buscando fora as coisas mais elementares, quando encontrariam facilmente do lado de dentro... e observando também se aprende, não é?

    Vou compartilhar algo que ouvi certa vez numa palestra com o Dr. José Maria Nogueira (ou Jomano). Ele contou:
    "A Bretanha estava destruída porque o Graal havia desaparecido. Havia guerra, fome, doenças e destruição. O Rei Arthur juntou todo o tesouro do reino, chamou seus cavaleiros, dividiu esse tesouro em partes iguais e mandou que saíssem pelo mundo em busca do Graal, pois era a única coisa que poderia restaurar a paz no reino. E recomendou que usassem o tesouro com sabedoria durante a empreitada, pois era tudo o que tinham.
    Quando Parsifal ouviu aquilo jurou para si mesmo que morreria procurando o Graal se fosse necessário.
    Assim, todos os cavaleiros partiram em direções diferentes, todos procurando o Graal. Durante muitos anos procuraram, e nessa busca, um a um, foram todos morrendo.
    Parsifal ainda vivia e persistia na busca, mas já estava velho, cansado e vestia andrajos. Num determinado momento sentiu no mais profundo do coração que deveria voltar. Teve a esperança de que algum dos companheiros tivesse retornado à corte com o Graal. Tomou, então, o longo caminho de volta.
    Quando já estava praticamente às portas do castelo uma mendiga se aproximou e pediu esmola. Ele olhou para si mesmo e começou a rir, pois sua aparência era realmente miserável, mas se lembrou que da parte do tesouro que lhe coube ainda restavam duas pequenas moedas de ouro. Ainda rindo ele as tomou e entregou à senhora, dizendo sinceramente que o desculpasse, mas era tudo que lhe restara. Ela imediatamente se transformou num ser de luz e lhe revelou e entregou o Graal."

    Às vezes temos que dar voltas longas e passar por tantas coisas para percebermos que aquilo de que precisávamos sempre esteve lá.

    Abraço fraterno. :) _/\_

    ResponderExcluir
  23. Já bem uns quatro anos, um problema pessoal acabou por me desnortear. Comecei a ler Krishnamurti e a partir daí questões realmente sérias e sinceras começaram a fazer parte da minha vida. Comecei a ver uns vídeos do E. Tholle, Gangaji, Mooji e me iludi com uma promessa de iluminação. Não sei, posso estar sendo injusto com eles, posso ter feito uma leitura errada, mas também não posso deixar de ser sincero comigo mesmo. o Fato é que, para mim, eles não conseguem se livrar da idéia de promessa, idéia que Krishnamurti consegue ultrapassar na forma como ele se expõe, de tal maneira que alguém que busque uma receita mágica para encarar a vida e de quebra se sair iluminado, não irá muito adiante com Krishnamurti. Bem, não quero culpar nada nem ninguém pelos meus surtos psicóticos posteriores, seria tanto injusto como irresponsável da minha parte, pois ninguém mandou eu usar cocaína. O fato é que meu mundo desabou, acabei afastando a pessoa que eu amava, me culpando por tudo o que aconteceu de uma forma horrível e agora posso dizer que estou bem novamente. Foi algo bem resumido de tudo o que me aconteceu, mas só para colaborar, pois me identifiquei muito com o texto e os comentários.
    Força e paz para todos.

    ResponderExcluir
  24. Ola amigo anônimo, de 06 de Fevereiro... que depoimento! Você tocou em um ponto muito interessante- que eu ainda não havia atentado: "a promessa de iluminação". Você está certo em dizer que eles não prometem explicitamente, mas o ouvinte, leitor assim o entende. Será que esse é um artifício propositadamente criado para causar este efeito no leitor? É uma boa questão. E concordo com você... drogas, nada a ver! Grato amigo! Paz e Luz!

    ResponderExcluir
  25. Interessante perceber que todos os comentários tecidos pelo autor do blog passam, também, pela lente do próprio (seus acertos e erros, medos e traumas, esperanças e propósitos), sendo que quando se propõe a julgar grandes personalidades da espiritualidade, aparenta erudição para os que sabem menos do que ele. O que Alsibar quer mesmo (ao contrário do que afirma ou possa afirmar) é posar de guru e indicador autorizado para a Espiritualidade. Krishnamurtiano, Alsibar apenas emula o mestre: nenhum caminho, nenhum guia, nenhum sistema, esquecendo-se que K. reagiu assim ao trauma que sofreu com a Socidade Teosófica pós-Blavatsky. K. era um filósofo, não um iluminado. Falava sempre do incondicionado, sendo a pessoa mais condicionada do mundo... Minha sugestão ao amigo blogueiro: tenha humildade e procure ajuda, pois se depender psicologicamente de um guia é negativo, caminhar sem guia é cair no abismo do orgulho e da autosuficiência (sobre isso devia ler o que Bede Grifhts escreveu em Diálogos com Cientistas e Sábios -ed. Pensamento) terminando encarcerado pela mente, acreditando-se ter atingido a iluminação - e esta é comunhão, modéstia, sociabilidade. Tanto Osho como Gurdjieff fizeram mais pela humanidade do que nosso frustrado blogueiro pode supor. Não desdenhe do sol por causa de suas manchas. Para julgar a eficácia da espiritualidade de um G. ou de um Osho, Alsibar precisaria estra acima deles em conhecimento, vivência, intuição e experiência, coisa que, pelas seus textos (rasos), está longe de estar.

    ResponderExcluir
  26. Ao Richard I,

    1.Primeiramente obrigado por esclarecer o óbvio. Certamente é impossível opinar sobre qualquer coisa sem antes passar pelo crivo de sua "lente" ou visão pessoal. Afinal, isso é o que ocorre com todo mundo, inclusive com os mestres. O que explica a diversidade de estilos, linguagem e abordagem.

    2.Quero só esclarecer que não julgo ninguém. Eu exponho fatos e reflito sobre eles. Quem julga e condena é Deus. Eu apenas teço minhas reflexões sobre fatos, alguns deles desconhecidos do grande público. O interessante é que se o blogueiro posta apenas coisas dos outros, ele é criticado por não ser autêntico e não ter experiência direta do que fala. Se você posta um artigo de sua autoria é um "julgamento". Estranho isso.

    3.Não poso de guru, não dou SATSANGS, não me autointitulo nada, não cobro nenhum centavo de ninguém. Nem mesmo tenho propagandas em meu blog, pois ele não tem fins comerciais. Além disso, não existem "autoridades" em termos espirituais. Isso é uma ilusão, uma farsa.

    4.K. realmente foi um dos meus grandes mestres. Um dos meus preferidos, dentre outros como Jesus, Buda, e a turma do Yogananda. Alguma vez neguei isso? Não. Curioso você dizer que K. tinha um trauma. Ouvi Waldo Vieira dizer isso uma vez e também o Samael... agora eu lhe pergunto: quem é você pra afirmar que K. era "traumatizado"? Não acredite em tudo que se diz por aí. A Verdade não depende de opiniões.

    5.Dizer que K. era um filósofo demonstra um grande desconhecimento de causa . Existe uma grande diferença entre um filósofo, um sábio e um místico. K. foi uma mistura de sábio, filósofo e místico. O que caracteriza um místico? O que delineia um místico são os "êxtases espirituais" ou Samadhis. Qual filósofo tinha "êxtases místicos"? Não conheço nenhum, com exceção, talvez , dos clássicos. Os êxtases de Krishnamurti são famosos. Estes foram vistos por várias testemunhas e está em sua biografia. E estão descritos por ele mesmo no livro " O Diário de Krishnamurti". Pesquise um pouco mais amigo, e verás que K. não foi simplesmente um filósofo. Se fosse não teria tido a influencia espiritual que teve sobre o mundo. Se quiser saber mais sobre a diferença entre um filósofo, um sábio e um místico, leia um artigo meu no blog sobre isso no seguinte endereço: http://alsibar.blogspot.com.br/search/label/FIL%C3%93SOFO

    ResponderExcluir
  27. Ao Richard II,
    6.Você diz que k. foi a pessoa mais condicionada do mundo... Sério? Como você pode julgar alguém assim? Ahhh... você deve ter lido isso no livro do Osho. Eu também me lembro desta parte. Isso sim é um julgamento de terceira mão.

    7.Dizes que caminhar sem guia é caminhar no abismo do orgulho e da autosuficiência. Mas, só porque não se tenha um guru, não quer dizer que você não seja guiado. Nunca ouviste falar que quando o discípulo está pronto o mestre aparece? Só porque não se tem um guru em corpo físico não significa que você não tenha a proteção e inspiração dos seres de luz. Além disso, existe algo mais orgulhoso do que dizer “ Tenho um guru, o meu guru isso… o meu guru aquilo”. O guru apenas reforça o EGO tornando a pessoa orgulhosa e com uma falsa sensação de iluminação e proteção espiritual. O Guru nada pode fazer por nós, a não ser ensinar . O restante, o trabalho de caminhar e experimentar a Verdade é totalmente pessoal e solitário.

    8.Eu não acredito em nada. Muito menos que alcancei a Iluminação. Outros há que vivem pregando isso com o único intuito de angariar discípulos, dinheiro, fama e poder.

    9.E por último, não me considero acima ou abaixo de ninguém. Quem poderá medir ou julgar? Acho que estás revoltado com alguma coisa, o que deve ser? Sou apenas um blogueiro-pesquisador que reflete sobre assuntos que considero interessantes e pertinentes. Qual o problema nisso? Se o que falo não tem valor, então por que se importa? Acredito que refletir sobre fatos não seja crime, nem pecado, afinal, pra que temos inteligência ?

    Um pouco de Meditação não faz mal a ninguém!

    Paz e Luz ...

    ResponderExcluir
  28. "O fato é que Gurdjieff tentou trilhar o caminho mas falhou." (julgamento; portanto, ego)

    "Osho pareceu já ter chegado-mas revelou-se um grande fracasso." (julgamento; portanto, ego)

    Krishnamurti não chegou a lugar nenhum. (...) descobriu que não havia nenhum lugar para se ir, nem nenhum caminho pra se trilhar. (predileção, portanto, limitação).

    "Krishnamurti negou totalmente as tradições, apesar dele próprio se inserir na tradição dos grandes iconoclastas como Buda e Jesus." (julgamento, portanto, ego.)

    C.Q.D.

    ResponderExcluir
  29. Es krishnamurtiano, amigo, daí a abordagem pseudo-zen do não-caminho; não-sistema e autossufuciência, conseguindo, contudo, manter-se preso em manas inferior, ou razão. Nunca rendendo-se (e, portanto, rendendo o ego), à Alma.
    De G. e do Quarto Caminho nada entendeste. Teria que reconsultar os livros de G., não de seus discípulos. Tu estaria entre aqueles que cuspiram em G quando este testou os seus egos, através de uma série de estratégias insólitas. Cuidado, amigo, a sabedoria pode se travestir insolitamente.
    E Jesus pôde evitar Judas? Não julgue G. pelo fracasso de um ou dois discípulos.(julgaria Ramana pelo desvido de Paul Brunton ou pela picaretagem de Osborne?)
    De Osho, condenou-o pelas suas arestas, esquecendo a harmonia do conjunto. Se quiser, deixe o "maluco" de lado; fique com o "beleza", e encontrará sabedoria na trajetória, e nos escritos, dele. Mais do que pode imaginar.
    Acha que podes ser um Ramana? Este teve mestres em vidas pregressas, e considerava Ramakrishna (que teve vários mestres físicos) um Iluminado.
    K. reagiu ao condicionamento Besant-Leadbeater; daí sua filosofia (nunca misticismo) racional e quase zen. Bela, mas árida e solitária, sem balizas. Quando muito, conduz os alunos à solidão psicológica, não para a comun hão com o Todo.
    Ter êxtases não é ser místico. Fixar o êxtase, isto sim é Iluminação.
    E, no fim, acho que o que fazemos aqui é um ignorante falando com outro, não acha? Ego com ego.
    Espero não tê-lo ofendido. Se podes rotular alguns Mestres, também posso rotular suas reflexões.

    ResponderExcluir
  30. Richard,

    Sobre Gurdjieff:

    Minha fonte principal não foram os discípulos mas o livro escrito por ele mesmo. É o último livro da série " Sobre tudo e todas as coisas". O título do livro é " A vida só é real quando EU SOU"- não sei se existe em português. Neste livro ELE MESMO diz-se arrependido por ter usado seus poderes de Hipnose e Telepatia, além de outras coisas que revela um ser humano triste, confuso e arrependido - veja o que ele escreveu literalmente em uma tradução que fiz para o blog:

    http://alsibar.blogspot.com.br/2012/12/a-vida-so-e-real-apenas-quando-eu-sou.html

    O caminho preconizado por Gurdjieff não leva a lugar nenhum. Isso não é um julgamento meu. Eu mesmo experimentei este caminho. E também os discípulos direto dele se perderam depois de sua morte . Alguns enlouqueceram, outros experimentaram drogas e outros se sentindo desamparados buscaram refúgio em gurus excêntricos, com por exemplo, Maharish Mahesh Iogue . Isso não é julgamento. É fato. Se isso tudo isso não comprovar que este caminho é falho... não sei o que mais comprovaria. Não tiro, no entanto, seu valor. Mas, me parece que , no mínimo, está incompleto.

    ResponderExcluir
  31. Richard,

    Sobre Gurdjieff:

    Minha fonte principal não foram os discípulos mas o livro escrito por ele mesmo. É o último livro da série " Sobre tudo e todas as coisas". O título do livro é " A vida só é real quando EU SOU"- não sei se existe em português. Neste livro ELE MESMO diz-se arrependido por ter usado seus poderes de Hipnose e Telepatia, além de outras coisas que revela um ser humano triste, confuso e arrependido - veja o que ele escreveu literalmente em uma tradução que fiz para o blog:

    http://alsibar.blogspot.com.br/2012/12/a-vida-so-e-real-apenas-quando-eu-sou.html

    O caminho preconizado por Gurdjieff não leva a lugar nenhum. Isso não é um julgamento meu. Eu mesmo experimentei este caminho. E também os discípulos direto dele se perderam depois de sua morte . Alguns enlouqueceram, outros experimentaram drogas e outros se sentindo desamparados buscaram refúgio em gurus excêntricos, com por exemplo, Maharish Mahesh Iogue . Isso não é julgamento. É fato. Se isso tudo isso não comprovar que este caminho é falho... não sei o que mais comprovaria. Não tiro, no entanto, seu valor. Mas, me parece que , no mínimo, está incompleto.

    ResponderExcluir
  32. Richard II

    Sobre Osho:

    Não preciso falar muito sobre ele. Leia o artigo do Christopher Calder, primeira, segunda e terceira parte. Nesse artigo ele resume toda a trajetória do Osho baseado em depoimentos, livros, reportagens, testemunhos e provas encontradas pela CIA. Veja os links abaixo:
    http://alsibar.blogspot.com.br/2012/07/quem-foi-osho-bhagwan-shree-rajneesh.html

    http://alsibar.blogspot.com.br/2012/07/quem-foi-osho-segunda-parte.html

    http://alsibar.blogspot.com.br/2012/05/quem-foi-osho-bhagwan-shree-rajneesh.html

    Como você definiria o fato de alguém que se diz iluminado ser viciado em óxido nitroso, ser traído pela secretária, perder milhões em um projeto megalomaníaco de criar uma cidade com seu nome, ter a mulher que mais amava morta por suicídio e ele mesmo morrer misteriosamente um mês depois? Sucesso?

    ResponderExcluir
  33. Richard III,

    Sobre Krishnamurti:

    Bom... sobre Krishnamurti e o caminho. Leia o discurso da dissolução da Estrela do Oriente. Verás que ele disse isso lá. Acho que você precisa pesquisar mais.

    E ele foi um grande iconoclasta porque questionou e criticou paradigmas, crenças , dogmas, tradições, autoridades espirituais etc. Estou falando alguma inverdade?

    ResponderExcluir
  34. Richard IV,

    Bom, seu último comentário é tão recheado de inverdades e imprecisões que não preciso nem comentá-lo. Ele fala por si mesmo.

    Não sou dono da verdade, nem ninguém o é. Não tenho moderador exatamente porque acredito na importância da pluralidade das opiniões . Você pode criticar e discordar à vontade. Elogios nos motivam a continuar, e as críticas nos ajudam na autorreflexão e no autoconhecimento.

    Obrigado pela oportunidade de esclarecer estas questões.

    Fraterabraços!

    _/\_

    ResponderExcluir
  35. Sobre Osho- toda obra de um homem é julgada por um artigo? Esperava mais de você, meu querido. Deixe de pesquisar no google e vá para as fontes. Posso te apresentar não artigos, mas provas de que ele nunca foi viciado, foi envenenado por tálio pelo governo Reagan (é claro, pregava a liberdade de consciência contra o determinismo despótico dos governos) e traído por Ma Anand Sheela, sua secretária (sobejamente provado), que não só desviou dinheiro, como atentou contra a sua vida. Que versão você prefere? Vamos confrontar as fontes? Novamente, seas opiniões são reflexo do que você leu no google ou escutou de terceiros. Não conhece uma pesquisa profunda, comparando dados, em várias línguas? Ah, Osho foi preso e escorraçado de vários países, não? Com a pressão política dos EUA, veja que o Dalai lama hoje não pode ser recebdio com chefe de estado em nenhum país do mundo. Cristo teria o mesmo destino de Osho hoje. E Sócrates; e muitos outros. Fale a verdade, sem rodeios, amigo, e veja o que ocorre. Osho confrotou a hipocrisia da sociedade ocidental judaico-cristã, e pagou o preço. Contudo, sua popularidade é hoje infinitamente mais alta do que quando vivo, pois seus escritos auxiliam as pessoas, quando não libertam, e são considerados por psicólogos e psiquiatras como preciosos em muitos pontos. Também posso rebater sua pesquisa de google com uma infinidade de sites pro-Osho. Onde vamos chegar? Portanto, deixe a superfície e estude. Ah, ele falava que era Iluminado? Um Outro, maior que ele, disse "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida". Algum problema em reconhecer a sua própria luz?

    ResponderExcluir
  36. Sobre K., só leste o discurso da dissolução da Estrela do Oriente e os próprios livros de K? Esperava mais de você, companheiro. Acho que você devia estudar História na Academia, para saber como pesquisar. Leste outros livros e biografias de K? Alguns dizem que ele foi abusado por Leadbeater... Acreditaria nisso por ler em um artigo de google? Vamos aos livros, às fontes concretas, a uma pesquisa completa e exaustiva. Cuidado com a precipitação. Leste no mínimo cinco livros sobre K. de biógrafos seus? Ou só ficou no google novamente?

    ResponderExcluir
  37. Sobre G. - Meu querido, “O Mundo Só é Real Quando Eu Sou” é um pequeníssimo recorte, incompleto, de um mestre, que editores acharam por bem publicar. Um pequeno recorte de uma vasta obra. E nele há um testemunho corajoso de quem passou por sua noite negra - e os maiores Mestres passaram por ela - Jesus, Buddha, Maomé etc.; todos devemos passar pelo Umbral (por vários, aliás), no caminho à Luz. Jesus deixou de ser Jesus por ter sido tentado por “Satã”? Não, saiu mais cristificado.

    Vamos ler juntos uma informação mais completa sobre “O Mundo Só é Real Quando Eu Sou”:

    ResponderExcluir
  38. "No fim de ‘Relatos de Belzebu a seu Neto’ Gurdjieff escreveu que a Terceira Série de sua trilogia, “Do Todo E De Tudo”, seria acessível apenas a leitores selecionados que tivessem assimilado o conteúdo das duas primeiras séries.”

    (Você assimilou todo o sistema de G. Alsibar, para julgá-lo por “O Mundo Só é Real Quando Eu Sou”, um fragmento incompleto? Ou achou que assimilou?)


    “Como em todo o seu ensinamento, o objetivo de Gurdjieff nesta Terceira Série era "auxiliar o aparecimento, no mental e no sentimento do leitor, de uma representação verdadeira do mundo real em lugar do mundo ilusório que ele agora percebe". O livro coloca, de novo, de uma maneira intransigente, que leitores experimentados reconhecerão como exclusiva aos escritos de Gurdjieff, a questão do propósito da vida e do próprio ser do homem.”

    (Você é um leitor experimentado de G., Alsibar? Ou caiu na armadilha de G., que costumava chocar seus leitores e alunos para desencorajar os não-preparados, remover as camadas do ego e fazer brotar o homem verdadeiro? Acha que ele mereceu o epíteto de “sábio patife” por acaso? Note-se o que ele fez com Mouni Sadhu, um conterrâneo seu, que foi discípulo de Ramana, e que desceu do pedestal de santidade em um segundo, quando confrontado por G. no primeiro encontro. )

    ResponderExcluir
  39. "Ele faleceu antes de completar a obra. Os fragmentos incompletos que compõem a Terceira Série de Gurdjieff são tirados principalmente do material da sua própria vida.”

    (Incompletos, Alsibar, e editados por alunos. Quer julgar o sol pelas suas manchas? O oceano por uma poça d´água? Lembre-se de não condenar a mensagem pelo caráter do carteiro. Condenar o livro pela sua compreensão dele; o mestre pelo livro; o mestre pelo que alguns discípulos acharam que compreenderam dele.)

    Novamente, você comete o erro básico de jogar a água suja com a criança fora. Condena todo o sistema por um pequeno vislumbre, filtrado pelo seu próprio fracasso na prática.

    Posso apontar dezenas de pessoas que se arrependeram amargamente de ter lido K.; e Osho, e Jesus, e Buddha e quem você quiser. Você fez um a leitura manasica e superficial de G. Segui-lo pelos seus discípulos é temerário. Mesmo seus livros são para iniciados, não para diletantes do esoterismo. Novamente, você usou mal as ferramentas. Não culpe o mecânico.

    ResponderExcluir
  40. Você esteve no Priereu? Foi aluno direto de G.? Não? Muitos o deixaram; muitos mais o seguiram até o fim. Aplique as palavras de Cristo incorretamente e você poderá enlouquecer, meu amigo. Por que seria diferente com um mestre do calibre de G. que não fazia concessão nenhuma à vaidade humana, mas era um imperioso demolidor de egos? Seu treinamento era drástico (lembra Yukteswar?), e só os fortes triunfavam.

    “Os discípulos diretos dele se perderam...” você escreve. Você os conhecia todos, Alsibar? Todas as centenas de pessoas, desde a Rússia, passando pelo Oriente Médio e finalmente na Europa, que estiveram com Gurdjieff? Estudou a vida e os relatos, e os resultados do sistema de G. na vida de todos, sem exceção? Ou está – como muitos buscadores inexperientes fazem – absolutizando uma pequena parte?

    Quer enlouquecer? Leia “A Doutrina Secreta”, de H. P. Blavatsky, sem estar preparado. O mesmo com G. Tanto HPB como ele foram mestres no mais amplo sentido do termo, e incompreendidos no mais amplo sentido também. E crucificados, como você crucifica alguns em seu site. Antes de bater os cravos nas mãos de G., conheça G. Você o conhece?

    Se quiser, posso provar a você que a Maçonaria é uma orgia satânica só pelo relato de dezenas de pessoas que a frequentaram e “se perderam”. Mas e as milhares que têm suas vidas iluminadas por ela, não contam? Onde está a Verdade?

    Por isso recomendo, de um ignorante para outro: deixe a superfície, o dogmatismo e mergulhe fundo. Será sofrido, humilhante e desgastante, e ocupará anos da sua vida – mas recompensará mais do que você imagina. Vença manas, vá para Buddhi e lá permaneça. Perceberá, com surpresa, que deixará de ser um diletante, e será um sábio. Vamos juntos?









    ResponderExcluir
  41. Para você sair do amadorismo, uma pequena ajuda. Sobre Osho:

    · The Ultimate Iconoclast - Understanding Rajneesh Osho's Revolutionary and "Dangerous" Ideas, por Dr. Kuldip Kumar Dhiman.

    · Glimpses of My Master - Insights into the life and work of the enlightened mystic, Osho, por Veena Schlegel.

    · Osho: Call of the Ocean - Pictorial Glimpses of Osho's Life – 1931 to 1990.

    · Osho: The Luminous Rebel.

    · Life Story of a Maverick Mystic - por Vasant Joshi, PhD (Swami Satya Vedant).

    · Bhagwan: The Most Dangerous Man Since Jesus Christ, por Sue Appleton

    E, no Brasil, “Autobiografia de um Místico Espiritualmente Incorreto” (Cultrix)


    ResponderExcluir
  42. Para você sair do amadorismo, uma pequena ajuda Sobre G.

    · The Reality of Being, by Jeanne de Salzmann, 2010, Shambhala Publications
    · The Teachers of Gurdjieff, by Rafael Lefort, 1966, Victor Gollancz,
    · The Unknowable Gurdjieff, Margaret Anderson, Routledge & Kegan Paul, London, 1962
    · Gurdjieff: A Very Great Enigma by J. G. Bennett, 1969
    · Gurdjieff: Making a New World by J. G. Bennett 1973
    · Idiots in Paris by J. G. Bennett and E. Bennett, 1980
    · Becoming Conscious with G.I. Gurdjieff, Solanges Claustres, Eureka Editions, 2005
    · Gurdjieff Unveiled by Seymour Ginsburg, 2005
    · Our Life with Mr. Gurdjieff by Thomas and Olga de Hartmann, 1964, Revised 1983 and 1992
    · The Gurdjieff Years 1929-1949: Recollections of Louise March by Annabeth McCorkle
    · Psychological Commentaries on the Teachings of Gurdjieff and Ouspensky by Maurice Nicoll, 1952, 1955, 1972, 1980, (6 volumes)
    · Teachings of Gurdjieff : A Pupil's Journal : An Account of Some Years With G.I. Gurdjieff and A.R. Orage in New York and at Fontainbleau-Avon by C. S. Nott, Routledge and Kegan Paul, London, 1961
    · Boyhood with Gurdjieff by Fritz Peters, 1964
    · Gurdjieff Remembered by Fritz Peters, 1965
    · The Gurdjieff Work by Kathleen Speeth
    · Gurdjieff: An Introduction To His Life and Ideas by John Shirley, 2004

    ResponderExcluir
  43. E para você refletir:

    “Pessoas e Médicos que examinaram Osho, o místico indiano, depois que o mesmo foi preso nos EUA pela CIA, por motivos absolutamente obscuros, alegam que o mesmo provavelmente foi envenenado por tálio, um metal pesado.
    O mesmo Osho ao escandalizar o 'governo ultra direitista do Sr Reagan'' e ao 'pregar' o amor, liberdade sexual e de pensamento, meditação, e posturas contrárias ao lugar comum, e após comprar uma parte considerável do Oregon, para as referidas práticas, foi considerado como inimigo do Governo Ronald Reagan.
    Foi deportado dos EUA e nenhum país do mundo quis recebê-lo (O Uruguai ainda aceitou sua presença por pouco tempo, sucumbindo as pressões ocultas, e também o expulsando posteriormente), provavelmente pela pressão de Washington.
    Só foi aceito, por fim, no seu país de origem: a Índia.
    Porque um homem idoso que dava palestras e ensinava o amor e meditação, atemorizou tanto Washington?”

    Célio Leite

    ResponderExcluir
  44. p.s. - antes de emular Joyce Collin-Smith em sua vida saiba ir além do livro dela. Procurar é bom; mas cuidado com o excesso de independência, pois você jamais repousará.

    ResponderExcluir
  45. A todos,

    Respeito a opinião de vocês. Agradeço pelas indicações de leituras . Fiquem à vontade para escrever o quanto quiserem.

    Fico feliz porque foi dado a vocês- defensores da versão oficial- o direito à defesa e isso contribuirá para uma visão mais clara dos fatos aqui apresentados.

    Obrigado pela visita e participação.

    Namastê!

    _/\_

    ResponderExcluir
  46. Alsibar, meu Irmão, reconheço que fu arrogante e não agi bem com você. Peço perdão, de coração, a você. Você é mais humilde do que eu. Quem sabe até mais sábio. Alterei-me, pois vi que desligitimava pessoas que são importantes para mim. Como você disse, apenas compartilhou sua experiência e compreensão dos assuntos expostos. Eu não soube ver isso e agi mais com a emoção. Por outro lado, minha experiência não é a sua, e a sua não é a minha; portanto, não levará a nada nossa discussão. A verdade de cada um é o que impera e o respeito a isso é o que garante a paz no mundo. Felizmente vivemos em um país democrático, onde podemos nos expressar. Parabéns pelo seu belo site e seja feliz em sua Senda; que ela inspire muitas pessoas. Ambos podemos estar certos, e ambos errados (só o Pai sabe), mas sinto que sua postura - independente do que você postula - é a mais correta e ética. Um abraço fraternal e, novamente, me perdoe.

    Com carinho!

    ResponderExcluir
  47. Ah, e, é claro, eu posso estar errado e você certo. Aceito esta possibilidade.

    Paz!

    ResponderExcluir
  48. Richard,

    Meu irmão,

    Te agradeço demais pela participação e pelas palavras. Seja sempre bem-vindo mesmo que seja para discordar. Acho que a lição que ficou desse nosso diálogo é que podemos ser amigos mesmo tendo opiniões, experiências e visões diferentes. Sou tão humano e falho quanto você por isso, não se preocupe pois não ficou nenhuma mágoa, nem ressentimento. Eu lhe entendo completamente pois já tive reações semelhantes- nesse ponto somos bem parecidos. E, como você disse, poderíamos ficar discutindo a vida toda aqui e nunca iríamos saber quem tem razão .

    Faço minhas as suas palavras sobre a democracia e a paz no mundo. E me desculpe também por qualquer coisa.

    Até a próxima irmão!

    Paz e Luz !

    Namastê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra ver que enquanto tivermos esse centro psicológico chamado Eu, todos nós somos iguais, na mesma consciência limitada, fragmentados. Ao menos saber disso faz a conversa ficar aberta, parabéns as duas bestas quadradas ai.

      Excluir
    2. Parabéns aos dois...

      Excluir
  49. Em 09.12.1984 entrei numa livraria onde encontrei "A primeira e última liberdade - Krishnamurti".
    Nunca tinha ouvido falar dele mas me senti atraída. Confesso que por longo tempo lia e relia seus livros (fui comprando todos) buscando uma resposta, uma receita e nunca encontrava. Mas apesar disto foram sempre os meus livros de cabeceira. Nunca os abandonei e a cada crise, a cada dificuldade era a ele que eu recorria. Confesso que foi a partir do ano passado que encontrei a riqueza em cada frase...

    Estou conhecendo seu blog hoje e voltarei sempre! Grata!

    ResponderExcluir
  50. Ola Amor em Grãos,

    Sua história em relação a Krishnamurti é muito parecida com a minha . Eu também passei um bom tempo lendo e relendo K. tentando encontrar a "chave". História que conto no blog, na aba "Minha Busca". E também foi a ele que eu recorri em meus maiores momentos de dificuldades e crises existenciais. E sempre tive um a luz, uma resposta, uma solução.

    Sou-lhe muito grato pela visita, seja bem-vinda e volte sempre!

    Fraterabraços!

    Namastê! _/\_

    ResponderExcluir
  51. Sim, amigo Alsibar, as discordâncias são construtivas quando no nível dialógico tão somente. Poderíamos ficar parlamentando ad eternum sem nunca chegar à razão. Que no siêncio do coração cada um construa o seu caminho, com aqueles mestres que tocaram e transformaram através de meios hábeis. Que respeitemosos caminhos dos demais, pois como diz o Dalai Lama, para pessoas diferentes, remédios diferentes. Para quem precisa, até o vento, a chuva, o sol e o trovão podem se converter em instrutores. K. é adequado para uns, G.para outros, Osho para outros ainda, e assim por diante. O final de tudo é a diluição do ego e a entrada no Grande Silêncio, que é, não obstante, o único Som do Universo. Um abraço!

    ResponderExcluir
  52. Sim, amigo Richard...

    Você está certo. Todos os caminhos tem um sentido e uma importância dentro da grande obra do Universo. Até mesmo aqueles que recorrem aos Valdemiros e Edir Macedos da vida estão seguindo seu coração e aquilo que sua espiritualidade lhes permite compreender. Não sou contra nenhum caminho. Talvez tenha ficado esta impressão, mas pessoalmente, sou muito aberto e tolerante. Compreendo que cada um tem o degrau adequado ao tamanho do passo.

    Quando escrevo estou apenas expressando um ponto de vista ou a conclusão à qual cheguei baseado na minha experiência. Outros terão outros pontos de vista devido a vivências diferentes.
    Não tenho interesse em converter, nem convencer ninguém. Afinal, como disse, não sou guru e não faço proselitismo. Falo o que flui do meu coração. E se expresso uma opinião que nem sempre agrada é por que sinto que este é o meu papel, é isto que me compete.


    A propósito, tenho um artigo pra lhe sugerir. É um texto antigo, mas graças ao nosso diálogo eu o revisei totalmente. Sei que não concordarás de muita coisa ali, mas gostaria de lhe pedir seu parecer sobre o assunto. O artigo é " O Filósofo, o sábio, o místico e o iluminado". Mesmo que já tenhas lido, sugiro que o leia novamente pois terminei de revisá-lo hoje. O link está aí abaixo:

    http://alsibar.blogspot.com.br/2011/11/o-filosofo-o-sabio-o-mistico-e-o.html

    Te agradeço pela visita e comentário.

    Fraterabraços irmão,

    Namastê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lá vem vc com estar certo ou errado. Quem sabe não sabemos, e deixemos a energia para observar essa necessidade de estar certo ou errado? hwin? hein? concorda? rsrs

      Excluir
    2. Quando vc diz que a a verdade é uma terra sem caminhos, é sinal que não entende de fato isso. Não diga então que sabe ou não sabe, que é certo ou errado, ou cite alguma frase sem realmente entender. Porque depois vc vem com essa de que Edir Macedo pode ser um caminho, e eu fico com pena de vc. rsrsrs Parem de ler, por favor. Vão ver vídeos, tem centenas no Youtube de K. e pode ver, voltar, ver mais umas 10 vezes, e ir junto, sem pressa, usando as coisas pra vcs. Não há necessidade realmente de mestres quando se pode observar a si mesmo, e aos outros, como espelhos. Mas há coisas básicas e simples de entender. A verdade não tem caminhos, porque tudo que é receita, teoria, dogma, conhecimento, é passado, ta morto. Vive apenas no papel, na memória, no intelecto, e no pensamento. E o pensamento não pode estar aqui e agora. É uma questão de dar-se conta, e toda religião é o contrário disso, escravisa, está cristalizada. A grande sacada é a observação. Quem é o observador? E a coisa observada? São a mesma coisa. Por isso é o ego que quer mudar... É o ego que quer ser melhor, sábio, ter paz, e ele que causa toda a confusão. Quando a gente se dá conta disso, não intelectualmente, acaba. Mas é tão sutil...

      Excluir
    3. Olá Amigo, Infelizmente não sei seu nome. Mas gostei de suas observações e comentários.

      Excluir
  53. ´"Osho é isso", "Gurdjieff aquilo", "Krishnamurti tal e tal"...caraca, mas voce sim que é o Mestre dos Mestres... julgando, opinando, trazendo a verdade e sua imensa sabedoria, "desmascarando farsantes". Saca a frase "Gurdjieff se perdeu..." kkkkk... Que ego! Amostra tipica do ego espiritual! Muito humilde e simples voce heim... Procure um psicólogo, e nesse nivel que vc está... ou

    ResponderExcluir
  54. Olá Anômino 13 de Fevereiro 2013,

    Primeiramente obrigado pela leitura e participação. Nem verdade, nem sabedoria. Apenas uma visão pessoal dentre várias- como por exemplo, a sua. Mas, não é uma opinião vazia e inconsequente. Está baseado em indícios e fatos expostos pelos próprios autores, discípulos, e testemunhas oculares.

    Vai em Paz!

    ResponderExcluir
  55. Alsibar, sobre o texto, na minha compreensão, todo iluminado é um místico e um sábio, uma vez que realizou a Unio Mystica, o seu "Religare" ou "Relegere", com o Todo. Todo místico busca a Iluminação, que confere a Sabedoria. Não confundamos o verbo "mistificar" com o verbo "misticisar". Misticismo (na acepção autêntica) vem deste último. Assim, para mim, Luz, Mística e Sabedoria são uma e mesma coisa. Naturalmente, os místicos do mundo todo estão em diferentes níveis, ou gradações, da Luz. Você tem um Paul Brunton e um Ramana; um São Francisco e um Jesus.

    Quanto ao filósofo, se considerar a palavra na acepção original e pitagórica, é o mesmo que místico, sábio e iluminado (Amigo ou Amante da Sabedoria). Mas na acepção atual e acadêmcia, a única conhecida, é só um intelectual; às vezes longe da mística, da luz. e, por conseguinte, da sabedoria. Alguns filósofos, tanto orientais como ocidentais, em todos os tempos, deixaram o intelecto e viveram a Unyo Mistica, transformando-os em sábios e iluminados.

    Mas como palavras são palavras, com diferentes significados para diferentes pessoas, poderíamos também discutir aqui eternamente. Como exemplo, para alguns a consciência objetiva é a mais baixa e a Consciência Cósmica a mais alta. Já para Gurdjieff, ele chama a Consciência Cósmica de Consciência Objetiva (uma vez que vê as coisas como são, e não com parecem ser). Só questão de nomenclaturas diferentes para os mesmos estados.

    Lembrei de citar que, no caso de G., é importante considerar os testemunhos de gente como Louis Pauwels, John Bennett, John Fuchs, Thomas de Hartmann, Stanley Nott, Whitall Perry, Fritz Peters, Nora Sabater, J.H. Reyner, Kenneth Walker e Colin Wilson. A pesquisa ampla é sempre salutar. Creio que no final de qualquer texto opinativo que possamos escrever, deveríamos acrescentar a recomendação de Richard Bach no livro Ilusões: "tudo o que escrevi pode estar errado."

    Este é meu último post. Prefiro retornar ao meu silêncio.

    Luz no seu caminho.

    Shanti!

    Richard

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpa mais uma vez a intromissão, mas entendo que o "mistico", e não gosto desta palavra, porque não sou um místico - procura a verdade. Acho que ai começa a confusão. A gente quer saber se é possivel parar de sofrer. Se aquela voz interiro, que não cala a boca, pode calar um dia. Ao menos eu quero isso desde que me conheço por gente. Procurei em todos os lugares a resposta, e numa das primieras vezes, com um psicólogo, fiquei desapontando quando ele disse que esta voz nunca ia se quietar. Quer dizer, nunca vou ter a felicidade de viver apenas, sempre terá essa maldita voz não me deixando curtir as coisas, ver um pôr do sol sussegado, surfar tranquilo? Sempre tem essa merda falando, muitas vezes coisas nada a ver? Então eu não procuro iluminação nenhuma, eu procuro paz. Silêncio, e saber se isso é realmente possível. E acho que se K. não foi o maior cara de pau, o maior ator que já existiu, acho que é possível. Tenho seias desconfianças pra achar que é viável, mas dá trabalho. É preciso muita atenção, observação. Não estamos sempre dispostos a isso. Não é mole, não é pra qualquer um. Não vai ser tão bonitinho como parece, dá medo. Estamos apegados demais a nosso eu, a nossa imagem, aos nossos prazeres, as lembranças, as sensações. A identificação com as sensações é muito grande. Nos trai. Como entender que as sensações não são essenciais? Que é possivel estar distante das sensações, sentir mas não se envolver? ta doido.. Mas eu quero saber... Acho que é posísível. Se não nesta vida, na próxima... ehheeh abrax

      Excluir
  56. Ola Richard,

    Obrigado por sua participação, exortações e sugestões. Acho que "captei" essa sua ultima dica antes de você manifestá-la pois é o que digo no final do artigo sobre a diferença entre " Filósofos, sábios, místicos e iluminados".

    Grato mais uma vez,

    Namastê!

    ResponderExcluir
  57. Nossa, sempre muito elegante... esse o papinho de ovelinha "obrigado pela participação", "nem verdade,nem sabedoria"... jura né... não se acha sábio, fala sério! rele o q vc escreveu... Veja o ego, a arrogancia... Claro, sempre muito bonzinho, muito educadinho, deverias ser padre cristão. Aliás, seu discurso é puramente cristão, 100% julgamento, 100% "certo" e "errado". Teu discurso é pra beata inocente mesmo. É do tipo que finge que não sente raiva, que evita afrontamentos, que não fala "merda" e "vai se fudê", enfim, muito polido, muito acima de todos meros mortais. Olha p/ o teu lado "negro" rapaz, essa tua imagem de espiritual "good good" é pra inglês ver. O grande Alsibar, que presta o nobre serviço de "classificar" os iluminados, e"desmascarar" os farsantes. Fala do Osho, mas eu imagino um dialogo teu com Osho... seria de rir e chorar, sem piscar, e até mto amorosaemnte, ele te demoliria... daria pena de ti.. e com certeza cairia a mascara, a sua, é claro... Falas de Gurjieff, acho que porque ele adorava e até se diverita em discorrer sobre o teu tipinho, que ele caracterizava muito bem com a frase "adora verter o nada no vazio", e a máxima - que eu amo e lhe cai como uma luva - "Mata senhor, aquele que, nada sabendo, ousa ensinar em seu nome". Namstê o caramba!

    ResponderExcluir
  58. Anônimo, 14 de Fevereiro 2013

    Estás revoltado com o que? Não me conheces e, no entanto, projetas em mim teus próprios rótulos e imagens internas. Eu sinto raiva , mas estou consciente . O que parece não ser o seu caso. Sou igual a todo mundo, a diferença é que estou consciente desse fato. E sinceramente, eu adoraria mesmo ser do tipo que "verte o nada no vazio"- acho que seria a maior experiência da minha vida.

    Eu não ensino- eu apenas reflito, questiono, analiso, investigo... isso parece ser insuportável para você né? Santas certezas mentais, verdadeiras couraças do EGO, lutando para não serem abaladas.
    Lamento, dizê-lo, mas é nessas horas que vemos se o que lemos nos serviu para alguma coisa ou não, se nos levou ao autoconhecimento, ou fortaleceu ainda mais nosso EGO.

    Segue o teu caminho e toma um chazinho de Meditação com folhas de Quietude, poderá lhe trazer Paz de espírito - que acho estás precisando.

    Mesmo que você não goste, nem esteja consciente disso eu lhe digo: O DEUS QUE ESTÁ EM MIM SAÚDA O DEUS QUE ESTÁ EM VOCÊ.

    Namastê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse um ataque do EGO, Alsibar!!

      Excluir
    2. Você acha que iluminado não se irrita? rsrsrs. Vide Jesus e Krishnamurti quando rompeu com Raja Gopal! kkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  59. ALSIBAR, não se importe com esse Richard. Richard, você que citou tantos livros pra ler,te dedico esse texto da Bíblia: "Filho meu, atenta: não há limite para fazer livros, e o muito estudar é enfado da carne".

    Eclesiastes 12:12

    ResponderExcluir
  60. A Doutrina Secreta de Blavastsk é pura baboseira teórica. Realmente é um livro pra perder tempo e enlouquecer totalmente.

    ResponderExcluir
  61. Obrigado Anônimo de 18 de Fevereiro pela participação, comentários e palavras de apoio. A Bíblia é e continuará sendo o " Livro dos Livros", o " Clássico dos Clássicos". Mas nem todos tem os olhos do espírito para ver isso. Grato. Namastê!

    ResponderExcluir
  62. Olá. Caí aqui procurando crítica a K. Procurei saber algo sobre o que os psicólogos e psiquiatras pensam dele. O físico Bohn parece que deu ouvidos a ele, o levou a sério, portanto é algo a se considerar. Havia um psiquiatra volta e meia nas discussões, mas era fraco no meu entender. Parece que passou a usar os ensinamentos como terapia. Acho que virou picareta. Enfim, uma vez rompi com meu psiquiatra pois queria discutir com ele K. Queria testar suas idéias, a questão do eu, do ego, do pensamento, do observador e tudo mais. Voltei anos depois, com o rabo entre as pernas. Não porque eu não ache lógico e coerente as reflexões feita por K. mas porque meu problema é orgânico, trastorno do humor, e preciso de medicamento, até que provem o contrário. Enfim, até hoje é uma dúvida esta questão, se é possível viver sem o ego. Minha esposa se suicidou há alguns meses, e a dor é infinita. No primeiro momento ajudou-me muito avastar-me da dor obervando-a. realmente funcionou, mas não é duradouro. Então, eu penso que poderia apreender muito com isso, mas a saudade é maior, e as vezes duvido que a dor venha apenas da imagem que tinha dela, e parece que temo avastar-me da dor, porque não quero deixar de ser humano. Meu amigo, é complicado. Mas concordo com vcs, (ja vamos nós concordar e discordar), quanto a honestidade de K. Não sabia desta passagem que relataste, de caso amoroso, mas duvido que tenha havido contradição dele, mas uma má avaliação nossa. E quanto a Osho, também a muito percebi a charlatanice. Fantasia de guru e tudo mais. Nem discuto mais com quem o admira, são uns tarados.
    Obrigado pela postagem. Quero dizer que K. há muitos anos, mais de 25 anos que me caiu um livro na mão, eu li, n entendi muito mais pensei comigo: ali tem verdades. Procurei por toda minha vida, e ali tem. Anos depois vi videos na internet. Vejo regularmente. Posso dizer que me libertou muito, mas me sinto um peixe fora d'água no mundo, e é algo de que não se consegue contaminar as pessoas. Melhor nem falar que tiram pra louco. Enfim, só sei que nada sei.
    Abraçosa todos, vamos que vamos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Amigo, muito grato por sua sinceridade e confiança ao relatar seu drama aqui no Blog. Teríamos que conversar e explorar melhor as questões, de preferência em conjunto. Fica na paz irmão. Paz e Luz!

      Excluir
  63. Muito bom o texto; um pouco exagerado em alguns aspectos , mas sincero. Dizem que quando opinamos, no fundo, mas no fundo mesmo, não é o Ego querendo reconhecimento, mas sim a Alma perguntando. Tô certo(a)? ; Digo que 95,16%; Tá.

    Amplexos.
    Costa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Costa, Grato pela participação. Fraterabraços!

      Excluir
  64. Sua opinião sobre Osho demonstra de onde você fala...
    Sem mais comentários.
    Ou melhor: apenas um: você, como todos que dormem, ficou preso no dedo e perdeu a lua.
    Love.
    K

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo K, (17 de Abril de 2013, 10:48)

      Só um comentário: nenhum DEDO, nenhuma LUA.

      Obrigado por sua participação.

      Namastê!

      Excluir
  65. Ei Alsibar! E olá a todos os que 'passarem' por aqui! :)

    Li tudo o que vocês postaram/partilharam... E vocês "falam" hein!?!! :)

    Só gostaria de agradecer o ponto de "vida" de cada um e em especial ao Alsibar pela postagem... Foi muito útil para algumas 'indagações internas' que eu estava sentindo... Por coincidência eu 'achei' seu blog mas, como eu não acredito em "coincidências"... NAMASTÊ! :D

    Um grande e fraterno abraço,
    Emma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Emma tudo bem?

      Primeiramente muito grato pela honra de sua visita e participação. Sim... falamos muito mesmo ( rsrs) . Fico feliz de estar contribuindo de alguma forma para o seu esclarecimento interior. A ideia aqui é exatamente esta, aprendermos juntos e assim ajudarmos uns aos outros.
      E também acho que não existe coincidência.

      Fraterabraços,

      Namastê!

      Excluir
  66. Olá amigo Alsibar, tudo bem?

    Há um tempo eu venho lendo seu blog e explorando todo conhecimento que existe aqui. Hoje ao terminar de ler este seu artigo eu tive vontade de perguntar sua opinião.
    Para entender o que quero te perguntar, quero montar um pequeno panorama. Eu comecei minha caminhada pela espiritualidade pelo livro Wu Weie A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen, em seguida caiu em minha mão O Poder do Agora e depois A Primeira e Última Liberdade de Krishnamurti . Depois desta abertura eu comecei a procurar e ler tudo que achei sobre meditação e autoconhecimento sendo que só bem recentemente eu li o primeiro livro de Osho – Consciência -.
    Minha impressão de Osho não foi boa porque apesar de ele falar muitas coisas que me pareciam sábias, ele ao mesmo tempo falava mal de muitas pessoas, de métodos e mais para o final do livro ele se colocou como único método e caminho possível. Estas impressões que eu percebi ao ler o livro vieram se confirmar com o artigo aqui sobre a vida dele.
    Porem, não achei que tudo que ele dizia era completamente desprezível ou aprisionador. Talvez o seja para quem não seja iniciado, mas para uma mente atenta me parece que é possível extrair de suas palavras algo que nos faça caminhar espiritualmente.
    Minha pergunta é se você concorda que alguém possa ler Osho e aproveitar algo em seus ensinamentos ou se ele sempre representará uma “armadilha”?

    ResponderExcluir
  67. Olá amigo Giuliano tudo bem?

    Primeiramente muito grato pela sua visita e comentário. Sim, é possível extrair alguma coisa do ensinamento do Osho- como você disse. Mas... é sempre um risco. Pois seus ensinamentos, em geral, eram dirigidos a uma plateia em que se misturavam discípulos , simpatizantes e prováveis neófitos. Ou seja, se por um lado ele tinha uma mensagem bonita, poética e supostamente sábia- ela tinha que ser também sedutora, pois tinha um objetivo óbvio: convencer as pessoas, fazer novos discípulos que pudessem contribuir para o crescimento do movimento. Seu discurso seria algo como comer um gostoso peixe cheio de espinhas , ou andar em um caminho bonito, mas cheio de perigos. Eu orientaria a ler, mas sem segui-lo e sem se deixar seduzir pelo seu discurso hipnotizador. Jogando fora boa parte do que ele diz e que a mente se identifica e gosta por lhe causar um certo prazer e alegria.
    Todavia, em termos de "sadhana", de prática espiritual, não leva a nada- no máximo um bem-estar, uma ilusória felicidade. Mas a Verdade nada tem a ver com nenhum tipo de experiência. Como diria J. Krishnamurti : enquanto houver um experimentador sondando a experiência, identificando-a e classificando-a , a Verdade não pode se manifestar.

    Fraterabraços amigo,

    Volte sempre.
    Namastê!

    ResponderExcluir
  68. "Você não percebe sua própria situação. Você está na prisão. Tudo que você pode desejar, se você é um homem sensato, é escapar. Mas como escapar? É necessário túnel sob uma parede. Um homem não pode fazer nada. Mas vamos supor que há dez ou vinte homens se eles trabalham em turno e se cobre de outra, eles podem concluir o túnel e fugir." - Gurdjieff

    ResponderExcluir
  69. Ola Amigo que postou a fala de Gurdjieff...

    Gurdijieff falou muitas verdades ao longo de sua vida- todavia também falou muitas inverdades e afirmou coisas sem nenhum fundamento como, por exemplo, a citação acima. Ele defendia a ideia de que ninguém podia despertar sozinho- com que base ele disse isso?
    Há vários casos de despertos solitários, Ramana, Krishnamurti e o próprio Buda foi um exemplo. Mas sabe por que que ele sustentava essa posição com tanta veemência? Simples, para justificar a existência e importância do seu próprio movimento.

    Mas o fato é que não existe prisão, nem túnel, nem ninguém pra cavar nada. Perceber isso é descobrir que já estamos liberto e que não precisamos "cavar" nada pois o "fazer"- no sentido comum do termo- apenas reforça a prisão do EGO. Como disse Lao Tsé: " O segredo é agir pelo não-agir"

    Fraterabraços amigo!
    Namastê!

    ResponderExcluir
  70. Alsibar,
    você citou em suas fontes o livro "A vida só é real quando eu sou" do Gurdjieff. Poderia dizer qual afirmação sua foi embasada em um trecho desse livro e qual é esse trecho?

    Obrigado,
    Rogério

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Rogério tudo bem?

      A citação foi essa: "Gurdjieff foi um grande mestre- não há dúvidas sobre isso. Todavia, se perdeu ao longo do caminho. Sua verdade era fragmentada e não levava a lugar nenhum. Seu último livro da série “Sobre tudo e todas as coisas” é um relato de um homem confuso, arrependido e angustiado. Um desabafo de um moribundo próximo à morte. Gurdjieff se perdeu ."
      Essa conclusão foi baseada em seus últimos relatos no livro " A vida é real apenas quando eu sou"- acredito que não tenha tradução em português. Li o livro todo, mas há um trecho que resume bem o espírito de G. durante esse período. Vale ressaltar que ele não terminou a série- a publicação foi póstuma. Em nada se parece o G. suguro, confiante e afirmativo de outros livros. É como se ele mesmo estivesse questionando tudo o que pregou e viveu. O livro mais se parece um grande desabafo e confissão. Há outros elementos curiosos nesse livro. Por exemplo, ele credita o seu "inferno astral" ao fato de ter usado seus poderes de telepatia e hipnose pra controlar pessoas- principalmente as mulheres. Isso foi dito pelo próprio G. neste livro.
      No meu blog há um poema retirado dele, que fiz a tradução. Procure na busca do próprio blog, ou acesse o link :
      http://alsibar.blogspot.com.br/2012/12/a-vida-so-e-real-apenas-quando-eu-sou.html

      Namastê!
      Fraterabraços!

      Excluir
    2. Vai aí um pequeno trecho pra você ter uma ideia: Eu sou…?
      "Mas o que aconteceu com aquele vasto-sentido da totalidade de mim mesmo, que antes estava sempre em mim nos exatos momentos de auto-questionamentos, durante o processo de lembrança de si?

      Será possível que esta habilidade interna -alcançada por mim graças a todo tipo de auto-negação e persistente auto-motivação– deva simplesmente desaparecer, exatamente agora quando sua influência para meu Ser é mais necessária do que o próprio ar?
      Não pode ser!... Algo aqui não está correto!" Gurdjieff

      Excluir
  71. Hei!...Cambada de esquizófrenicos, nem Osho nem Gurdjieff quiseram seguidores, eles apenas ajudavam a sermos nós próprios e a buscarmos por nós próprios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo anônimo de 06 de Novembro...
      Isso era o discurso, mas a prática era outra. Rajneesh deu iniciação a milhares de discípulos. G. tinha sempre um séquito de seguidores fiéis, onde quer que fosse. Ambos tinham vários discípulos fidelíssimos- como mostram suas historias e biografias. Krishnamurti não. Este realmente não tinha discípulos. Isso é fato.

      Fraterabraços amigo!

      Excluir
    2. Meu caro Alsibar,
      Discordo de você em dizer que J.K. não tinha discipulos. Ele tinha sim. Seguidores fanáticos são discipulos!
      Como um cara que pregou todo tipo de ausencia de autoridade publica tanto livro?
      É claro que ele se tornou sim e tinha consciencia de que era autoridade para todos aqueles seus seguidores...
      Não sei como você, que parece que é tão esclarecido, dá tanto credito a J.K.
      Realmente me impressiona!

      Excluir
    3. Então, definitivamente não estamos falando da mesma pessoa. Primeiro: Krishnamurti nunca se arvorou mestre ou autoridade espiritual. Segundo: os ensinamentos de K. tinha como premissa básica liberdade, independência e autonomia. Terceiro, estamos falando da relação mestre-discípulo em que o primeiro se autodenomina uma autoridade espiritual ou guia . Terceiro, K. nunca disse algo como " Eu sou a porta". Ou, " sou o messias que a América esperava". Nunca permitiu que ninguém o adorasse ou se prostrasse aos seus pés. E nunca exigiu obediência irrestrita e absoluta dos "seguidores"- como era o caso de G. Então, amigo. Se vc conhece outro K. além desse- repito- é outro K.
      Sobre os "fanáticos seguidores" que você citou, você mesmo respondeu: são pessoas fanáticas e com certeza se eles se dizem seguidores de K. o problema é deles- não de K.

      E para terminar: não sou Krishnamurtiano. Mas admiro demais K. E há três coisas que admito ter aprendido com K e Buda : meditar, seguir meu próprio caminho e não acreditar em nada que não tenha sido experimentado por minha própria experiência.

      Fraterabraços amigo!

      Excluir
  72. Porque a mim não me interessa se Osho se drogava e que Gurdjieff bebia, o importante foram os ensinamentos que eles deixaram, e ninguém neste mundo está certo ou errado. Crowley disse: "Faz o que tu queres, há de ser tudo da lei".

    ResponderExcluir
  73. Alsibar, muito bom esse teu site. E olha que não sou ligado muito, no que eu rotulo de esoterismo.

    Destes pensadores todos só Krishnamurti impressionou-me. Verdade que só recentemente, vim saber de Ramana, atrapés de poucas leituras de Paul Bruttom, que achei meio chato.

    Fiquei meio decepcionado com K, por ele ter sido amante da mulher do seu colaborador, mas isso atribuo a minha moral pequeno burguesa. K era humano, apenas parece ter conseguido esse estado de consciência especial.

    Grande abraço !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fraterabraços amigo e obrigado por sua participação. _/\_

      Excluir
  74. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fernando por que você excluiu seu comentário? Achei-o muito edificante ao debate salutar de ideias e opiniões e por isso vou postá-lo aqui:

      "Bom o debate, embora não tenha lido tudo, concordo mais com o Alsibar.

      Para mim, o mais coerente dessa turma toda foi Krishnamurti, exatamente, por ser o "menos místico".

      Eu gosto, dessa filosofia mais para zen de K. Não se fala em alma, reencarnações e essas coisas místicas que considero fantasias.

      K, pode ser aceito por ateus, agnósticos, além de místicos...já os outros !

      Gurdjieff, por tudo que li era um picareta, assim como Blavatsky e Osho,

      Abraços ! "- Fernando

      Obrigado pela participação amigo!
      Namastê!

      Excluir
  75. Olá Alsibar,

    Gostaria de saber sobre os dícipulos de de Ramana que vc citou que desvirtuam seus ensinamentos. Gosto do Papaji e alguns dos seus discípulos como Gangaji e Mooji. Algum deles se inclui na sua citação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo Francisco tudo bem?

      Realmente desses que você citou, só tenho condições de falar sobre o Papaji- que a meu ver- é um mestre sincero e autêntico. Não somente pelo que falava- mas também por sua vida. Prefiro não opinar sobre os outros e- lembrando- que a internet tá cheia de supostos discípulos de Ramana- inclusive aqui no Brasil. Alguns nunca o viram pessoalmente- pode?

      Abraços amigo e obrigado pela participação!

      Excluir
  76. assim falou o deus alsibar

    ResponderExcluir
  77. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  78. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  79. Você é uma Farsa, Você apaga comentários pois não é capaz de encará-los nem intelectualmente nem compassivamente. Você apaga comentários que não convém ao seu orgulho espiritual.
    VOCÊ ENLOUQUECEU E AINDA NÃO DESCOBRIU DISSO! ENQUANTO VOCÊ MANTER ESSE PÉSSIMO HÁBITO DE EXCLUIR COMENTÁRIOS DOS OUTROS PARA ENALTECER SEU EGOCENTRISMO, ESTE SEU SITE SERÁ SEMPRE PURA DESINFORMAÇÃO E FARSA. VOCÊ É UM EXEMPLO DAQUELES COITADOS QUE TRANSFORMARAM A RELIGIÃO E O AUTO-CONHECIMENTO EM IDEOLOGIAS VAZIAS. VOCÊ É UM FARSANTE DA INTERNET. PERCEBA ISSO AGORA E MUDE ESTES SEUS HÁBITOS IDIOTAS ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola amigo anônimo de 30 de Julho:

      Não vou ficar discutindo com você. Pelas suas atitudes você demonstra que não goza de faculdades mentais normais- ou é um desses fanáticos seguidores de gurus e provavelmente está tentando tornar-se um também- se já não é. Vou deixar seu comentário para que todos vejam. Caso você não saiba, minha obrigação é zelar por este blog. Como você apenas me chamou de "orgulhoso", "louco", "egocêntrico", "farsante", "coitado" etc. Vou deixar seu comentário aí e vou refletir seriamente sobre o que você disse. Mas não baixe mais o nível, pois se baixar, serei obrigado a exclui-lo. E se você está se referindo a xingamentos e grosserias- sim estes eu sempre excluirei. Como é apenas um ataque pessoal de alguém desinformado ou totalmente desequilibrado- vou deixar explicito para que todos possam ver.

      Procure um médico, de preferência um especialista. Antes que isso piore.

      Saúde, paz e harmonia para você.

      Abraços!

      Excluir
    2. Você não tem noção nenhuma rapaz! Minha atitude foi expô-lo, e você já deveria saber o quanto és uma baita fraude. Você não sabe quem sou e jamais nem poderia imaginar.... Mas já se precipita novamente me qualificando e impondo seu próprio nível de insanidade. O desinformado aqui sempre foi você. E ainda tem a coragem de desinformar os outros com aquela certeza de equivocado sincero. Para curar você apenas um psiquiatra ou especialista não resolve. Seu caso, é mais grave, pois você é cego, surdo e ignorante. Mais um daqueles cegos guiando outro cegos.

      Faça um favor para você mesmo e para todos os demais: pare de escrever sobre o que você não sabe e vá trabalhar sério em descobrir quem você realmente é!

      Excluir
    3. Entendi amigo:

      você acha que me xingando vai mudar o rumo das coisas... Acha que o blog vai deixar de cumprir seu papel por que você está incomodado com ele? Acha mesmo que vou deixar de informar e esclarecer os outros por causa de você? E acha que vou transformar esse espaço num ringue? Engana-se amigo! Se pessoas como você estão incomodadas com o blog isso é um bom sinal. Nunca achei que seria unanimidade. O blog está aberto- sem mediações- por que considero importante a diversidade de opiniões. Daí o seu sucesso. E exatamente por isso é que há muita gente incomodada. Mas lamento lhe informar amigo: este blog continuará no ar o tempo que for necessário . Os incomodados que parem de lê-lo e visitá-lo. ;)

      Excluir
    4. Não é para você desativar o blog.... continue com seu blog. E estou bem à vontade expondo você, não estou incomodado, isto tudo é para que você se torne melhor, para lhe ajudar. Sou um amigo que você não está sabendo reconhecer...

      Pare de achar que a existência quer lhe destruir a partir da exposição dos seus erros. Informar e esclarecer nunca foi ruim mas não se confunda achando que pode escrever (repetir) tolices por aí sobre outros... Só por que há motivos para evoluir, não significa que você está sendo atacado, você está sendo ajudado....

      Jamais xinguei você de coisa alguma. Orgulho, Loucura, ignorância e fraude são apenas nomes mais fortes, água gelada para que você acorde. Mas não fique ofendido. É um lembrete da vida de que, ao escrever sobre sabedoria, sua responsabilidade será grande. Não pode ficar jogando pérolas no lixo. Você tem uma grande missão aqui. Todos nós queremos seu sucesso, Alsibar. Siga com atenção no caminho. É só isso.
      Fique em paz.



      Excluir
  80. Olá novamente,

    Amigo, só algumas pontuações: dar opinião é errar? As opiniões podem até estar erradas, mas é legítimo as pessoas terem seus pontos de vista não? Não estamos numa ditadura (ainda), por isso opino. Talvez você não concorde com minhas palavras e pontos de vista. Mas isso é normal e compreensivo.
    Gostaria muito que esse tipo de "água gelada" fosse o bastante para acordar alguém- infelizmente não é.
    Sim, a responsabilidade é grande, por isso sempre enfatizo o caráter pessoal de minhas impressões e nunca peço para ninguém acreditar ou aceitar o que digo, mas que reflita e tire suas próprias conclusões. Não escrevo verdades absolutas e sim opiniões e estas são relativas.
    Afinal o que escrevo é "tolices" ou "pérolas"?
    Grato por seus votos e sucesso.
    Fique em paz também.
    Namastê!

    ResponderExcluir
  81. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  82. Ola Shyou,

    Alguns dos seus comentários foram apagados-pois não tem relevância nenhuma dentro da discussão aqui apresentada. Ataques pessoais e inverdades serão apagados. O blog é um espaço pra discutir ideias e opiniões e não um espaço para brigas e confusões.

    Fica em paz e que Deus te dê serenidade e sensatez!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  83. Obrigado Shyou,

    Para você também.

    _/\_

    ResponderExcluir
  84. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  85. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  86. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  87. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  88. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  89. Não encontro falha alguma nos ensinamentos de J. Krishnamurti. Quiçá este seja o grande problema. Sua filosofia parece vir de um mundo de pura abstração. Não há caminho a ser seguido, seus discursos são extremamente enfadonhos (há um monte deles no youtube). A impressão que dá é que ele está falando para outros iluminados, num nível não mais humano. Realmente, duvido muito que alguém realmente tenha atingido alguma experiência de iluminação lendo Krishnamurti. Mesmo os que louvam Krishnamurti se iluminaram graças a outros, como Ramana Maharshi, a tradição do Zen, etc. Buddha Shakyamuni disse que ensinava por meios hábeis (visto o homem não ser capaz de apreender a realidade diretamente). Acho que Krishnamurti não acreditava em meios hábeis :-). Mesmo um mestre questionável, como um Gurdjieff/Osho/SaiBaba, pode te levar mais longe que um mestre iluminado que não sabe descer da montanha para a planície. Não levem muito a sério. Só compartilhando uma reflexão pessoal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo anônimo, respeito suas considerações mas- realmente- não concordo com algumas coisas. Sobre o JK- sei de várias pessoas que se iluminaram através do mesmo- apenas não aparecem e não posam de mestres. Mas tem um que ficou famoso e que tem o mesmo nome dele:o UG.- contam seus biógrafos que ele se iluminou durante uma palestra do JK. Além disso, acho temeroso dizer que supostos mestres como Gurdjieff, Osho e Sai Baba - que a meu ver não são iluminados-pode " te levar mais longe do que um mestre iluminado. Penso que JK usou a única linguagem possível- pois a própria linguagem falha ao descrever isso- apenas pode apontar. JK é o Zen em palavras. Ele não tem a pretensão de penetrar no Desconhecido- apenas aponta-o de longe. E, conforme todas as tradições, esta é a postura mais correta, sensata e sábia.

      Fraterabraços!

      Excluir
  90. Sábias palavras meu caro Alsibar. E olha que não são anestésicos.
    Concordo com você amigo.
    Penso que o Gilberto Gil em sua mùsica "Se eu quiser falar com Deus" superou muitos destes ditos mestres.
    Há duas semanas fiz uma faxina em minhas crenças e estou me sentindo mais leve.
    Namastê, Jonaldo Lopes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Jonaldo Lopes,

      Gostei da expressão : "Faxina nas crenças"! Obrigado pela visita e participação.

      Fraterabraços caro amigo!

      _/\_

      Excluir
  91. Parabéns, irmão Alsibar, pela intuitiva abordagem.
    Permita-me, humildemente acrescentar:
    A diferença entre fuga e a libertação é tão grande quanto, entre o “ter e o ser”. Na verdade são a mesma. Como bem demonstrastes, a fuga pertence ao ego, bem como o desejo, o apego ao objeto desejado, a dor ao perdê-lo, etc. Tudo emanado da mente e da transitoriedade. “Não se prende bhuda usando bhuda”, diz o Zen e toda filosofia Krishnamurtiana.
    Sim, nas Quatro Nobres Verdades em Benares, Sidhartha, começa uma asserção de que a vida terrena é triste e dolorosa, mas, continuando diz que a causa da dor esta no apego e desejos não satisfeitos. Ao aconselhar que se deva “enfrentar a dor sem medo”, denotas sabedoria, entretanto, ao meu ver, são doses homeopáticas, paliativas. Quantas dores de dentes e dentes extraídos serão necessários para que se entenda –sem conciliação- que o melhor neste caso é a assepsia mental contra desejos terrenos e mais teres.
    “Na fuga (o ter) não há libertação (o ser),
    Na libertação (o ser) não há fuga (o ter)...”
    “Quem não renunciar a tudo que tem, não pode ser meu discípulo” decretou o Mestre.
    Ter (posses) – ou Ser (livre) ???
    “Não se serve a dois senhores ao mesmo tempo”.
    A mente (fugidícia) humana é de uma sagacidade e inteligência de proporções divina. Prova com facilidade que o preto é branco, o irreal é real e que o errado é certo. Ela faz e usa de todos os meios para nos enganar e se manter no controle (maya). “Se possível fora, enganaria até os escolhidos”. “Devo podar...não, deixai crescer juntas”, aconselhou o Mestre.
    Poderá o homem viver na Terra descentemente sem ter (possuir) nada???
    Sem exceção, todos os grandes homens viveram assim!
    O problema parece não estar nos bens e sim na compreensão do discernimento entre possuir e administrar. Ademais, seria vergonhosamente contraditório a um autêntico discípulo de Cristo declarar: “Esse objeto me pertence”, quando ele mesmo (sujeito) já não se pertence.
    O que acheis vós, Alsibar, o homem já estaria em “modo fuga”, quando diz; Meu carro, meu filho, meu corpo, meu...eu...!!!?

    Salaam Aleikum

    Akhenaton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola amigo Salaam tudo bem?

      Primeiramente, grato por sua participação e comentário.

      É preciso ter o discernimento correto para cada coisa. Óbvio que nada é nosso- tudo é do Universo. Todavia, o Universo nos empresta as coisas, nos concede a guarda por um tempo, para que possamos usar e usufruir de forma sábia e sem apego. Além disso, todos nós estamos aqui cumprindo uma "missão"- nem sempre de importância cósmica- como foram a dos grandes Seres- mas também importante dentro de uma perspectiva mais limitada. Dizer : meu filho, meu carro, minha esposa- é apenas um modo de falar: essas coisas estão sob minha guarda, sou o responsável por elas, elas me foram "emprestadas" para que eu possa fazer bom uso delas- isso no caso dos bens materiais. No caso dos filhos, a responsabilidade é maior ainda. Os filhos nos são concedidos para que deles possamos cuidar, para que a Vida possa se perpetuar, evoluir crescer- mas não são nossos.

      Em suma, por conveniência social e linguística dizemos "meu e eu". O que não se pode é realmente, profundamente se considerar dono de nada. Nem de nossos bens, tampouco de nossos filhos. Cuidemos deles enquanto estão sob nossa guarda e responsabilidade. Tendo em mente que nada somos além de "servos inúteis"- e apenas estamos cumprindo nossa obrigação nada mais.

      Muito grato amigo!

      Até a próxima!

      Namastê!

      Excluir
  92. Alsibar,
    Saudações...

    A gratidão é toda minha.
    Eis agora o comentário de fato, ao polêmico, nem por isso, menos instrutivo Artigo acima descrito.

    Quero agradecer a todos os comentaristas, confesso que há muito tempo não ria tanto, rsrsrs. Onde estava a graça? A graça estava no posicionamento (firme como prego no angu) de ataque e defesa que cada um incorporou, neste instrutivo debate.
    Entenda-me antes, que esta graça não é jamais no sentido pejorativo de “palhaçadas” e sim de “bênçãos”. Vós todos são a nata da erudição esotérica, são ainda, infelizmente, a minoria que se esforça intrepidamente transcender os (não mais necessários) laços da mente bipolar, dos conceitos criados pelo conhecimento humano. Se devem parar? De forma alguma, pois vossos pensamentos acerca do espiritual são fragrâncias que misturadas perfumam todo o ambiente. São como pequenos transformadores que retificando a alta energia faz com que ela chegue a lugares remotos. Entretanto, assim querendo, deveis nos intervalos dos debates darem descanso à mente, meditando. Em Quem? Sugiro que comecem pela pessoa que mais ama. Depois que o sentimento de puro amor inundar toda a aura circunferente, traga para dentro dela os familiares, os vizinhos, os animais, os vegetais, o planeta todo. Contemple esta unidade com Sanat, vós todos merecem esse samadhi! Akhenaton.

    Salaamaleico.

    ResponderExcluir
  93. Minha namorada sempre me cortava quando começávamos a discutir, 'Não vem com Filosofia, Filosofia agora não.'
    Quando ela ia embora, ao voltar pra casa eu ficava encarando o nada, me sentindo um moleque, e meditava, 'que tipo de idiota eu sou'?
    Até hoje não sei, penso que nunca vou saber, talvez só tenha medo dela.

    ResponderExcluir
  94. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  95. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  96. Alsibar,todos estes 4 citados não concluiram suas obras como gostariam, mas inegavelmente deixaram muito material que pode servir de valia a toda a humanidade. Jesus Cristo, até hoje não sabemos quem realmente ele foi, sabemos o que nos contaram, ou melhor o que interessa contar em prol do Cristianimos. Podemos apontar falhas nas vidas destes 4 personagens, pois são contemporaneos, a historia deles está a disposição de todos, interpretações de todos os tipos. Concordo na parte que tu fala do Osho , que muitas das ideias dele não levam a lugar algum, são palavras bonitas, são uma especie de droga passageira. Mesmo assim podemos tirar proveito de muito material, mas como tu bem falou, sem idolatrar quem quer que seja.

    ResponderExcluir