terça-feira, 31 de julho de 2012

QUAL A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS SAGRADAS?


Qual a importância das escrituras sagradas?

Será que as escrituras sagradas tem alguma importância? Qual o verdadeiro valor das mensagens dos mestres? Será mesmo que tudo deve ser desprezado e abandonado? Quais os problemas com as escrituras? Qual a atitude mais sábia em relação a este assunto? Vamos refletir juntos?

Os escritos ditos, sagrados, não surgem do nada. Nem são, como dizem, obra de uma ação miraculosa ou divina. Não há nenhum livro escrito diretamente pelos deuses e entregue ao homem. Todo livro é escrito por alguém, um ser humano, que se diz inspirado por forças superiores ou divinas. Não há nenhum livro que possa ser considerado infalível por uma série de razões óbvias: o caráter falho de todo ser humano, o longo tempo em que foram escritos, as traduções, as interpretações e as distorções. Todavia, isso não tira a beleza e profundidade de boa parte dos livros sagrados. O grande problema, não está nas escrituras em si. Está na forma errada de se lidar com as mesmas. Tirando a parte histórica, um livro é sagrado porque contém mensagens de fé, sabedoria, iluminação espiritual. Este não deve ser adorado como um fim em si mesmo, mas como um meio para algo maior e mais valioso. Quando um livro torna-se mais importante do que sua mensagem surge então o partidarismo, as divisões, as violências e as guerras. Um livro é um simples objeto inanimado. O homem é que, ao usá-lo indevidamente em prol seu próprios interesses egoístas, desvirtua o verdadeiro objetivo dos mesmos.

       As escrituras são como mapas, orientações que indicam, informam sobre algo, um estado, um estágio, uma dimensão além da nossa. Noutro sentido, é o registro escrito das palavras daqueles que se libertaram. O problema é que muita gente se apega ao registro escrito, esquecendo que seu verdadeiro valor está em seu conteúdo.  Um mapa não tem valor nenhum em si mesmo. Quem encontra um mapa e o guarda é um tolo. O homem sábio usa-o para encontrar o tesouro- que é o real sentido do mesmo. E para encontrá-lo, não pode simplesmente ficar em casa, deitado, sem nada fazer. Ele tem que fazer algo para encontrar o tal tesouro. E só ficará satisfeito quando o tiver encontrado. Assim também é  o tesouro da Verdade. E mesmo que nos digam: "o tesouro nunca foi perdido! O tesouro não está em algum lugar fixo distante ! O tesouro está aqui agora". Mesmo assim, o trabalho de nos curarmos da nossas cegueira, ignorância e Ilusão assemelha-se ao esforço que alguém faria para encontrar um tesouro de inestimável valor!

Ora, onde está a Verdade e onde deve ser buscada? Não é dentro de nós? As escrituras e palavras dos mestres apenas nos ajudam, nos orientam sobre como encontrá-la. As guerras partidárias,  que discutem se A ou B ou C está mais certo do que o outro não só é irrelevante, como também estúpido. Cada um tem que encontrar seu “tesouro escondido”. Ao encontrá-lo provavelmente perceberão que as escrituras são, ao mesmo tempo, essenciais e supérfluas. Essenciais porque muitas escrituras dão suporte às pessoas de mentalidades grosseiras e fracas. São pessoas que sem o apoio das mesmas, estariam perdidos e desnorteados .  Supérfluas, por que, no final da jornada é que percebemos que  não há necessidade de mapas para encontrar aquilo que nunca esteve distante de nós. Tudo já está aqui e agora. A única coisa que precisamos fazer é  perceber, despertar para este fato.

O problema é que  dormimos o sono de milênios e acordar  afigura-se como uma tarefa muito difícil e penosa. E enquanto não acordamos, as escrituras funcionarão como “cutucadas”, ou “depertadores” no penoso trabalho de despertarmos de nosso pesado sono. Todos dormem e sonham. Mas quem percebe isso? Quem está consciente disso? Nesse sono, sonhamos que estamos presos e que precisamos de um mapa para encontrarmos a saída. Todavia, tudo não passa de uma poderosa ilusão.  É a nossa mente que nos diz que estamos presos e que temos que procurar a saída através das religiões e escrituras sagradas. Mas se nossa própria mente é nossa prisão, então como pode haver libertação? A mente só é prisão enquanto está sob domínio do sono. Ao despertar, ela se torna livre e luminosa. Para uma mente que dorme, tudo que  ajude no "despertar"  é importante. Mas quando despertamos, percebermos que nada mais é necessário.

Mas, mesmo conscientes deste fato, sabemos que o despertar da mente não constitui tarefa fácil. Tente acordar alguém que esteja em sono profundo. Ou tente lutar contra seu próprio sono quando estiveres sob o domínio do mesmo. Então você terá uma ideia da complexidade e dificuldade que é o  “Despertar da Humanidade”. Não se trata de desprezar a mensagem daqueles que amorosamente vieram antes de nós, mas de colocá-la em seu devido lugar. Todas as mensagens de luz devem ser lidas com o devido respeito e consideração evitando, no entanto, a fé cega e o fanatismo. Só poderemos dizer que um mapa é verdadeiro - e não uma falsificação barata - após encontrarmos o tesouro que ele aponta. Se alguém encontra o tesouro, não mais precisará do mapa. Mas, nem por isso, o desprezará. Pelo contrário, o guardará com felicidade e gratidão, pois sem ele,  o tesouro da Verdade não poderia ser encontrado. E não teríamos como saber que bastaria despertarmos para descobri-lo tão perto de nós.

Namastê!
Alsibar
http://alsibar.blogspot.com

3 comentários:

  1. ... Penso no valor histórico, na "cultura mística", a história da busca e dos buscadores... grande artigo!

    ResponderExcluir
  2. Grata pela visita Alsibar! Parabéns pelo seu blog! Luz e paz.. Namaste!

    ResponderExcluir
  3. Muito Obrigado Lilian Amorim! Namastê!

    ResponderExcluir