segunda-feira, 6 de maio de 2019

O QUE ACONTECE ENTRE A MORTE E O RETORNO?

                                          

 (Esse artigo é o resultado de uma conversa real que tive com um amigo pela Internet. Algumas edições foram feitas para se adequar ao gênero do artigo- mas a essência da conversa foi preservada. Agradeço ao Aramísio pela grande oportunidade de dissertar sobre esses assuntos tão importantes e que confundem tanta gente. )

Pergunta:A minha dúvida é a seguinte: Se o Eu Superior de uma pessoa é a centelha divina que está nela, ou o próprio Deus, quando uma pessoa que viveu aqui uma vida totalmente dissoluta sem ter se preocupado em nada em relação a Deus, e morre sem ter sido iluminada o que acontece com esse Eu Superior, se ele é Deus e inseparável dele?! Se ela não foi iluminado vai ter que retornar. E o que acontece com ela entre a morte e o retorno? Uma pessoa tem que ter algo eterno, em si, além do Eu Superior ?

Alsibar: Deus é a essência do universo. Ele existe tanto nas coisas animadas quanto nas inanimadas. É a Luz, a essência de tudo que existe. Ninguém sabe exatamente como é isso porque não é material . Termos como : luz, centelha divina, alma, essência, átman etc são apenas palavras para descrever o que não pode ser descrito, nem entendido pela limitada mente humana. Os próprios cientistas estão à procura dessa essência divina que eles chamam de  Bóson de Higgs ou Partícula de Deus. Alguns cientistas afirmam que a essência da matéria é luz, outros que é vazio e outros que é a Consciência, Vibração, Som etc. Mas ninguém encontrou a verdadeira natureza dessa essência- e dificilmente saberá porque não é material.
Além da essência divina , há o "espírito vivente", a vida, a energia vital que muitos chamam de espírito. Ele  nos é tirado por ocasião da "morte" do corpo e nos é dado por ocasião do nascimento. Ora, quando a pessoa morre, seu espírito vivente, a vida, a energia vital retorna para o Pai, para o Universo- ou como queira chamá-lo. E o que reencarna? O carma, a carga de tudo que a pessoa foi, viveu, sentiu, desejou e pensou ao longo da vida. É ele, o carma, que vai influenciar a criação de um novo corpo, em um novo espaço-tempo.

Entre uma encarnação e outra a pessoa vive numa espécie de limbo, parecido com o sonho - que os budistas chamam de Bardo. Ou seja, ele não tem consciência de que está "morto". E como não tem essa consciência e lembrança ele NÃO SE COMUNICA com os tais “vivos”. Uma boa analogia são os sonhos. Quando sonhamos não temos consciência de que sonhamos - salvo raríssimos e rápidos sonhos lúcidos. Segundo o Bardo Thodol, se um ser é inconsciente em vida- ele será inconsciente na morte. O fluxo da consciência fica num estado semelhante ao sonho, durante o qual o inconsciente moldará imagens de seres, coisas e situações de todo tipo- tudo manifestação da própria mente da pessoa- até finalmente ela se reencarnar e recomeçar um novo ciclo de vida.
O que é que continua na pessoa após a morte? O fluxo do carma que na verdade é o próprio inconsciente- com suas ações, memórias, desejos, visões, tendências, pensamentos, vontades, inclinações, emoções etc. É esta massa de informações que influenciará e recriará  um novo corpo em uma nova manifestação dimensional. Então, o “José” não é eterno porque o “José” é consequência de uma energia cármica que condensou um corpo em um espaço-tempo específico. Para formar o “José” foi importante não só a energia cármica trazida de outras vidas como também tudo aquilo que ele viveu naquela etapa específica e que ajudou a formar a personalidade e mente do “José” : educação, experiências, vivências e a forma com que ele reagiu tudo isso.
Quando o “José” finalmente morrer de novo, a energia cármica do inconsciente que sobrar dele irá renascer noutra dimensão ou espaço-tempo. Detalhe: há infinitos espaços tempos- você  não escolhe, nem controla nada desse processo. É o carma que irá determinar o próximo nascimento que pode ser tanto nessa mesma dimensão, nesse mesmo espaço-tempo, como também no passado, ou no futuro. Ou noutra dimensão qualquer do universo, sempre pré-determinado pelo carma.

O iluminado renasce? Claro. O próprio Jesus reencarnou. Assim como vários  outros como Padre Pio, Francisco de Assis, São João da Cruz etc etc. Por que renascem? Para progredir cada vez mais. Apenas em dimensões dominadas pela ilusão que os iluminados podem progredir. O próprio Jesus disse ter vivido todo seu sofrimento para entrar na "Glória do Pai". A própria palavra "reencarnar" é inexata porque tudo na verdade é uma ilusão. Parece matéria mas na verdade não é. Mas é pra dar a impressão que é. Os seres precisam da ilusão da concretude e da resistência que essa proporciona para poderem evoluir.
Quando os mestres falam em moksha ou "Libertação" há várias conotações aí. Pode ser tanto a libertação do renascimento compulsório determinado pelo carma- geralmente em um plano pesado  e sofrido como este em que vivemos. Como também  pode ser a libertação das ilusões do ego  causador do sofrimento interior. Outra conotação possível é a libertação da ignorância e das ilusões- que também causam sofrimento. Já a libertação de toda e qualquer necessidade de manifestação em qualquer espaço-tempo ou dimensão, seja por missão ou obrigação, é algo que a literatura espiritualista cita- mas que está além da nossa compreensão.

O sofrimento de um sábio, iluminado ou santo não é como o de uma pessoa comum. Os seres humanos, em geral, vivem mergulhados em suas ilusões de dores e prazeres materiais. Já o iluminado passeia tanto pelos dramas humanos quanto pela bem-aventurança e êxtase divinos. O sofrimento neles é consciente e voluntário- assim como o de Jesus- mas não menos doloroso. Todavia, logo depois que passam pela via dolorosa do sofrimento, emergem em êxtase, luz e poder.
Há várias visões sobre essa questão do iluminado precisar ou não se reencarnar. Ele pode até não ter necessidade de reencarnar - mas precisa caso queira evoluir. Basta ver os exemplos ao longo da história : Jesus Cristo, Paulo de Tarso, São João da Cruz, Padre Pio, Francisco de Assis, Santa Terezinha etc será que eles vieram aqui a passeio para sofrer? Acredito que não. Eles podem não ter carma como os seres humanos comuns, mas amadurecem, crescem, aprendem e evoluem. Apesar de suas encarnações serem missionárias, não são menos dolorosas e talvez sejam até mais difíceis do que as do resto do mundo.

O iluminado não tem carma pesado, resultante das ilusões do ego, como os tem a maioria dos seres humanos. Mas precisam evoluir como tudo no universo. O fato de haver seres mais iluminados do que outros apontam para isso. E se há níveis de evolução é porque os iluminados evoluem. No livro Autobiografia de um Yogue, Yogananda relata que Sri Yuktéswar se reencarnou em outra dimensão com a mesma missão de Cristo aqui na terra. A diferença é que lá é uma dimensão evoluída, e ele renasceu para ajudar seres evoluídos a queimarem resquícios de carmas . Babaji, Lahiri Mahasaya, Sri Yuktéswar e Yogananda ilustram bem o que eu digo:  quatro iluminados com níveis evolutivos diferentes. O que demonstra que mesmo entre os iluminados há gradações diferenciadas, havendo, portanto- evolução.

By Alsibar

quinta-feira, 25 de abril de 2019

ANJO DE JESUS



Uma singela homenagem àquelas que são nossas segundas mães: as tias

                    Há pessoas imprescindíveis em nossa vida porque são como verdadeiros anjos protetores.  Elas têm uma força e uma graça divina demonstradas por suas atitudes de nobreza que nos surpreendem e nos acodem quando menos esperamos. Elas, de tão sublime, nem parecem existir- parecem saídas de um sonho, de um conto de fadas. 

                         As olhamos com um misto de admiração , descrédito e esperança de um dia podermos ser tão maravilhosos quanto essas pessoas. E nos perguntamos: será que conseguiremos, teríamos a mesma coragem, desprendimento e amor que essas pessoas demonstram com a mesma naturalidade com que respiram?

                    Claro que as nossas tias foram verdadeiras guardiãs de Deus na vida de toda essa geração dos netos de vozinha e vovô- mas você Maria de Jesus, vulgo Menininha- é um mosaico de cores, de qualidades e talentos muito peculiares. Guardas em ti não só o coração do tamanho do de vozinha, mas também a candura de Tio Cândido,  a braveza de uma Tia Lia, o sorriso de uma Tia Lola, a ponderação de um Júlio Luís Barbosa e a personalidade de uma Tia Lalis. Tudo isso juntou-se às tuas próprias qualidades e forjou uma das pessoas mais lindas e incríveis que conheci na vida.

                    Agradeço desde já por sua influência positiva na formação da minha personalidade sem a qual certamente eu não seria quem  sou hoje. Você deixou sementes boas não só em mim, mas na vida de muita gente que teve a felicidade de compartilhar de sua alegria, exemplo e bons conselhos. Nada mais posso dizer porque as lágrimas enchem meus olhos e turvam minha visão de forma que já nem vejo as palavras na tela. 

                    Saiba que mesmo longe, eu nunca esqueço do seu amor e dos seu cuidados para comigo e seu irmão- meu pai. Sei que Deus já derramou bençãos sem limites em sua vida, mas peço a ele que as multiplique lhe dê muito mais saúde, paz e felicidade que com certeza mereces.

A música que sempre  me lembra você: 

Veja você arco-iris já mudou de cor e uma rosa nunca mais desabrochou, eu não quero ver você, com este gosto de sabão na boca...

Tia, nesse seu abençoado dia de nascimento só quero dizer um milhão de vezes:

MUITO OBRIGADO  POR TUDO!

Fortaleza, 24/04/2019

By Alsibar

(...essas feridas da vida, Margarida, essas feridas da vida amargavida... pra vc gostar de mim!)

Alsibar e Yesus Barbosa


créditos: Música de Vital Farias : Veja Margarida

sábado, 20 de abril de 2019

O PERIGOSO E ILUSÓRIO CÍRCULO VICIOSO DOS GURUS NEO- ADVAITAS




No começo, está tudo bem em ser o que você é pois você nunca pensou que poderia ser diferente daquilo que você sempre foi. Mas aí vem o guru neo-advaita e diz: você não é aquilo que pensa ser. E mesmo sem nunca ter pensado que poderia ser diferente daquilo que você é, sua mente absorve aquele pensamento e começa a procurar maneiras de resolver uma questão que você mesmo nunca teve, nem nunca havia pensado antes, uma vez que era natural ser você mesmo.

 Mas , agora, há um problema que você nunca pensou existir e que agora sabe que existe porque lhe informaram sobre ele e como muita gente repete a mesma coisa, você acha que deve ter algum sentido nisso. E assim, para resolver essa questão e você poder encontrar novamente a paz,  você compra livros, pratica meditação, vai aos gurus e aos satsangs na esperança de se tornar aquilo que você sempre foi e que sempre pensou ser, mas que deixou de pensar porque o próprio guru neo-advaita lhe deu uma questão  que  nunca havia pensado antes.

E, finalmente, depois de muito procurar, ler, ouvir e praticar você  chega à conclusão que você é realmente aquilo que desde o começo pensava ser  e que só desacreditou depois  que os gurus neo-advaitas lhe convenceram de que você não estava pensando da forma correta.O fato é que inocularam na sua mente uma questão que  lhe preocupou durante anos e que só foi resolvida depois de muito trabalho, esforço e investimento de tempo, energia e dinheiro. 

Então , pergunto qual o problema? Como diria qualquer guru neo-advaita em começo de carreira: nenhum! Então para que preciso comprar livros, praticar meditações, ouvir os gurus e participar  de  satsangs pra chegar à conclusão  óbvia de que não há, nem nunca houve problema nenhum comigo, nem com ninguém e que tudo era criação da minha mente? Se minha mente  não tinha consciência de problema nenhum e se naturalmente  eu já era o que sempre fui e se nunca imaginei ser diferente daquilo que eu era... Por que não deixar as coisas  como sempre estiveram sem necessidade de começar toda essa confusão?

Simples: porque se tudo continuar sendo o que sempre foi , sem a ajuda dos gurus e dos livros, eles perdem a importância e o sentido. Ao  plantar na sua cabeça um problema  que eles mesmos vão dizer depois que não existe, eles te mantêm lendo, ouvindo, assistindo, seguindo e pagando por seus satsangs, livros e programas. Mas a verdade é que ao  ocupar você com uma questão inexistente , desnecessária, e depois fingir que estão resolvendo-a pra você, eles estão apenas  e tão somente lhe manipulando, explorando e iludindo.

By Alsibar

domingo, 31 de março de 2019

DA RECLAMAÇÃO AO AGRADECIMENTO by Alsibar



Eu costumava reclamar dos meus pais porque eu os achava desajustados e desestruturados. Eu não entendia por que Deus tinha me dado pais assim enquanto meus amigos tinham pais amorosos e bem estruturados . Um dia, fiquei sabendo de crianças que nasceram sem os pais, moram em abrigos e sonham um dia encontrar pessoas que as adotem como filhos. Então passei a agradecer a Deus pela graça de ter tido pais mesmo com todos os seus problemas.

Eu costumava reclamar da escola pública pois a estrutura era ruim, os professores desmotivados, a lousa quebrada de giz , as cadeiras duras e a merenda em geral era bolacha com suco. Quando eu soube da existência de crianças que não têm escola e de crianças que estudam em casas de taipa improvisadas ou em containers quentes e apertados – e sem merenda nenhuma- passei a agradecer a Deus por todas as escolas públicas que passei, pelos sucos que tomei e pelas bolachas que comi.

Eu costumava reclamar com Deus por ter nascido no Brasil cheio de violência, desigualdades sociais e corrupção. Mas quando soube da realidade de alguns países na África e Oriente Médio, governados por ditadores sanguinários , cruéis , perseguidores dos diferentes e assassinos de crianças e famílias inocentes -eu passei a agradecer a Deus por ter nascido no Brasil. Pior seria ter nascido em um lugar infernal como esses que citei.

Eu costumava reclamar com Deus por ter nascido pobre, afrodescendente de baixa estatura e na periferia ,enquanto meus primos nasceram brancos, classe média e morando nos bairros nobres. Foi quando eu soube de crianças que nasceram com doenças graves e de algumas que nasceram em lugares de extrema pobreza, distante de tudo, em etnias minoritárias sofrendo todo tipo de preconceito e esquecidos pelas políticas governamentais. Então vi que eu tive tudo que eu precisava para ser feliz e crescer como homem , cidadão saudável e capaz de fazer a diferença no mundo.

Perdoe meu Deus porque eu não soube reconhecer tua Graça e Misericórdia na minha vida. Obrigado pelos meus pais e familiares , pela minha vida e por todas as dificuldades e problemas que passei na infância. Hoje posso olhar para trás e ver o quanto cresci, o quanto aprendi, o quanto tudo isso me fortaleceu e me ajudou a ser quem eu sou hoje.

Muito Obrigado!

Alsibar

sexta-feira, 29 de março de 2019

A PERIGOSA “MAGIA SEXUAL GNÓSTICA” DE SAMAEL AON WEOR




Esse artigo surgiu da necessidade de esclarecer e ajudar aqueles que enveredaram pelos caminhos  obscuros e perigosos da chamada “magia sexual” de Samael Aun Weor – fundador de um dos ramos mais  grotescos da tradição gnóstica. Não confundir com a verdadeira Gnose séria , milenar e tradicional  cujos ensinamentos  remontam a fontes mais genuínas e puras : os  grandes iniciados. Não é o caso do supracitado senhor . Como o escopo desse artigo não é fazer uma  análise da biografia desse  “prestador de desserviço à humanidade”, deixo a cargo de cada um a pesquisa séria sobre o perfil  e a vida  do fundador da citada organização.

Meu objetivo aqui é mais específico.  Vou tratar da tal “magia sexual gnóstica”  que nada mais é do que a relação sexual com uma mulher  em que o homem  retém o sêmen para não ejacular e, assim, não ter orgasmo . Para os defensores de tais práticas ,  liberar o sêmen durante o coito constitui pecado gravíssimo. Talvez pior do que aqueles elencados nos  10 mandamentos .  Em seus delírios de ascese espiritual, esses indivíduos acreditam que tais práticas podem levá-los à Iluminação, Nirvana ou Despertar espiritual. Mas tais rituais não levam a nada.  No máximo produzem sensação de poder, contenção natural de energia , loucura e doenças  do aparelho reprodutor.

Samael A. Weor
Ora, aquilo que você estimula para sair, tem que sair.  Estimular o aumento do desejo até seu ápice e depois simplesmente prendê-lo, além de ser anti natural e inútil é perigoso para a saúde  em geral. Não é  difícil fazer uma ligação entre tal prática bizarra e a suposta doença que  afetou o idealizador da mesma. Algumas fontes informam que Samael  morreu de câncer de próstata- obviamente as fontes oficiais negam. Por coincidência, um velho amigo meu que entrou na gnose, começou a sentir graves dores e foi aconselhado pelo médico a parar  com tais rituais sob o risco de  complicações e doenças sérias no órgão reprodutor.

Os ensinamentos de Samael não passam de uma salada ruim feita com frutas boas. Uma colcha de retalhos mal feita forjada com ensinamentos de várias tradições e mestres diferentes. Juntou tudo o que ele achava que “funcionava”  e dispensou o que não lhe convinha. Surgiu,  assim, um sistema de ensino dos mais  estranhos e ilusórios de todos.  Samael chega a ser mais perigoso  do que Gurdjieff.  Este último, apesar de seus deslizes e fracassos pessoais, no fundo era alguém que acreditava no que pregava e tinha vontade sincera de encontrar a Verdade. Ao final da vida, G. fez depoimentos e desabafos que foram muito reveladores. Ele assume sua impotência e a falha do sistema que ele  mesmo ensinou. Por esse ato de honestidade e coragem eu o  admiro. Apesar disso, seus discípulos continuaram ensinando aquilo que o próprio G. desacreditou no final de sua vida. De fato, o sistema de G.é incompleto e  falho. Um grande fracasso. Isso foi dito pelo próprio G. e pelo seu mais famoso discípulo : o Ouspensky.
Gurdjieff e Ouspenski

Samael não era tão nobre quanto Gurdjieff. Será por conta da retenção do sêmen que potencializou sua prepotência e cegueira espiritual? Em geral, os defensores dessas práticas são violentos e belicosos quando tratam da defesa de suas crenças e ídolo.  Normalmente são indivíduos inteligentes, capazes de escrever bem - e muito- sobre assuntos aparentemente profundos e coerentes mas que não passam de  fragmentos plagiados.  Samael já “copiava e colava” muito antes da  chegada da internet. O resultado é um aleijão, um Frankstein  feito de partes de ensinamentos de diferentes tipos- todos mal compreendidos.  

O ensinamento de Samael tem forte apelo sobre as mentes mais imaturas- espiritualmente falando- porque há neles grandes verdades- mas como estão fragmentadas, não levam a nada, não servem pra nada, não funcionam. São como  os “odres” velhos  em vinhos novos citados por Jesus. Ou os retalhos velhos em tecidos novos. Sua "mistureba" reflete não uma sabedoria profunda, mas a obra de alguém louco, narcisista e megalomaníaco. Uma das maiores fraudes do milênio passado.

Um dos sinais que apontam para o auto engano e auto mistificação é a mania de grandeza. Esse senhor, segundo eles mesmos, se considerava um grande avatar, uma espécie de messias da Nova Era. O pior é que  apenas ele era o sábio, o ungido, o iluminado.   Os outros ele desprezava. A forma desonesta e mesquinha com que forjou seu sistema chega a ser desprezível.  Ele se aprofundava nos ensinamentos de algum iluminado ,  líder ou mestre espiritual , depois “roubava”  algum ponto de seu ensinamento  para compor seu próprio  sistema. Ao terminar sua rapinagem intelectual, ele encontrava alguma maneira  de desqualificar aqueles de quem ele se beneficiara. Não é difícil encontrar   depoimentos   em que  Samael subestima Jiddu Krishnamurti chamando-o de “bodhisatawa iludido, perdido e traumatizado”- apesar de ter copiado vários pontos de seus ensinamentos. A mesma coisa ele fez com vários outros autores e mestres. Uma forma clara de auto promoção e tentativa fracassada de manter a exclusividade do papel do  avatar da era moderna.

Essa prática chamada de magia sexual provavelmente foi copiada de livros sagrados da tradição budista tibetana  e hindu conhecida comoTantra. O problema é que o Samael não tinha capacidade espiritual e intelectual para entender o verdadeiro sentido do Tantra. Essa tradição, em geral, usava  simbologia para expressar verdades profundas- exatamente para não dar pérolas aos porcos. Para afastar os desavisados e oportunista como o próprio Samael.  Vide  o Bardo Todol- o Livro Tibetano dos Mortos, que todos acham se tratar de um tratado sobre a morte , mas é sobre a Iluminação em vida.O sagrado está velado aos que não o merecem. E continuará assim, pois mesmo depois desse meu artigo esclarecedor, muita gente não entenderá nada do que eu expliquei . E mesmo que entenda não aceitará. Mas é pra ser exatamente assim. Desta forma, os verdadeiros ensinamentos continuarão preservados . A Verdade continuará velada aos despreparados e profanadores do templo.

A verdadeira magia sexual ensinada pelas grandes tradições é INTERNA. Não tem nada a ver com retenção de fluidos físicos produzidos pela estimulação natural do corpo . A inversão da energia sexual ocorre em nível sutil, interno. E não é nem mesmo uma energia material- é tão sutil que não pode ser manipulada , nem medida. A energia que se acumula com a retenção do sêmen ou com o celibato- por exemplo- é uma energia de ordem física. Serve para dar mais vigor, energia e potencializar os centros energéticos ou chakras- mas não é o trampolim para o Despertar . Ninguém se torna Iluminado por não fazer sexo. Ou porque faz sexo mas não ejacula. Tudo isso são ilusões e enganos.

Um dia, talvez , essas pessoas que defendem e praticam tais ritos, consigam se libertar dessa grande e perigosa ilusão. Esse artigo pretende contribuir para isso. Abandonem as superstição e  práticas erradas.  Sejam  honestos consigo mesmos e tenham coragem de se livrar de algo absurdo e anti-natural que é a prática da magia sexual gnóstica. Peçam a Deus com humildade que lhes revelem a Verdade e se o fizerdes com fé e sinceridade  vocês terão a resposta. Só assim vocês compreenderão que a Iluminação não tem nada a ver com prática nenhuma , muito menos com rituais estranhos , bizarros e prejudiciais.

Acorde enquanto é tempo!   Não seja insensato e inconsequente. Não deixe   a prepotência e a cegueira lhe levarem ao mesmo destino daquele que iniciou toda essa sandice grotesca chamada  magia sexual . Você não precisa ter o mesmo fim do Samael. O tempo urge, liberte-se agora!



terça-feira, 26 de março de 2019

ILUMINAÇÃO NÃO É RECEITA DE BOLO! by Alsibar




Não existe receita para a iluminação. Você pode ler mil livros sobre sabedoria Advaita Vedanta, Zen , UCEM , Taoísmo, Iluminação ou meditar, jejuar e orar a vida toda e continuar na dualidade, mergulhado na ignorância, dominado pela ilusão.

As experiências de Despertamento da Consciência são inúmeras e variadas. Cada uma com suas peculiaridades. Achar que a leitura de livros- mesmo de grandes mestres- seja o bastante para desenvolver a sabedoria é outro grande equívoco .

Não há sabedoria se não houver auto conhecimento, mergulho nas profundezas da consciência, simplicidade, humildade, perseverança, fé e paciência.

Pegar emprestado a verdade dos outros sem a correspondente percepção da mesma em si mesmo, revela não só incompetência como desonestidade .

Não repita o que os outros disseram- achando que compreendeu. Palavras sem vivência e sem experiência direta não passam de cadáveres.

Nisargadatta despertou sem ler nada, sem praticar nenhuma técnica especial de Meditação, sem seguir ninguém- pois seu mestre morreu logo depois que ele o conheceu.

Ele estava preparado e maduro. Seguiu uma dica simples de seu guru que funcionou. Mas porque funcionou para ele não significa que vai funcionar para você.

Iluminação não é receita de bolo. Tá mais para receita de médico : o que serve para um pode não ser exatamente o que serve para outro. Cada caso é um caso, uma vez que cada ser humano é único e única também é sua experiência com Deus- o Ser-o Pai- o Tao- Buda- o Eterno- A Consciência, enfim, o Desconhecido!

Fiquem com o testemunho de Nisargadatta Maharaj:

“Meu guru me ordenou que eu atentasse para o sentimento de “Eu Sou” e para não prestar atenção em nada mais. Eu não segui nenhum curso especial de respiração, ou meditação, ou sequer estudei as escrituras. O que quer que acontecesse, eu desviava minha atenção disso e permanecia com o sentimento de “Eu sou”. Pode parecer muito simples, e até mesmo crú. Minha única razão para fazer isso foi que meu guru me havia dito para fazer. E mesmo assim funcionou.”

Por isso Krishnamurti dizia que a Verdade é uma terra sem caminhos. Não existe métrica, nem meios, nem rotas para Aquilo que transcende ao pensamento, ao espaço e ao tempo.

Encontre, pois, sua própria verdade aqui agora. Tudo aquilo que você percebe como verdadeiro, mesmo que sejam seus defeitos, suas ilusões, sua ignorância, suas complexidades e limitações - essa é a sua verdade . É o que sua capacidade de percepção lhe permite ver e compreender no momento .

À medida que você for compreendendo a real natureza do que está próximo , sua visão vai se ampliando para poder perceber o que está distante.

O pequeno sapo pode falar com propriedade sobre a lagoa em que vive. Mas nunca sobre os picos altos das montanhas e dos mares no horizonte - coisas que ele apenas ouviu falar através do relato dos pássaros. 
By Alsibar

domingo, 17 de março de 2019

NÃO FOI UM “GAME OVER” OU O JOGO NÃO ACABOU! by Alsibar




O último acontecimento em Suzano, São Paulo  envolvendo dois rapazes que invadiram uma escola pública e mataram vários jovens estudantes inocentes, demonstra o que uma personalidade perversa, desumana e iludida é capaz de fazer.  A julgar pelas roupas usadas, modus operandi    e o que as investigações apontam , eles fizeram na vida real o que milhares de jovens fazem no mundo virtual : jogar um game em que se pode matar quantas pessoas quiser sem temer as consequências pois é tudo virtual- não tem vidas ali- só dados. Caso alguém “morra”  ou mate no jogo, basta reiniciá-lo quantas vezes quiser e continuar brincando como se nada tivesse acontecido. Isso no mundo virtual, no mundo real não é bem assim.

No chamado mundo real, em oposição ao mundo virtual dos vídeos games, alguém pode até querer agir como um personagem de um jogo mas, ao contrário do primeiro, as consequências desse lado de cá podem ser muito drásticas. Matar pessoas inocentes com plena consciência do que se está fazendo achando que depois basta se matar porque aí “saem” do corpo – e do jogo- sem consequência nenhuma, é uma grade ilusão. Nesse jogo da vida, tudo o que fazemos, sentimos e pensamos tem consequências e reflexos tanto para esta vida quanto para outras.

Talvez, os protagonistas covardes dessa tragédia insana, tenham pensado algo como: “a gente mata e fere quantas pessoas quisermos e depois, basta a gente se matar e eles não têm como nos pegar pois aí o jogo já terá terminado para nós”. Um enorme erro de estratégia. O paralelismo, nesse caso , é impossível. Quem fez o jogo do Universo- Deus- não foi um ser humano bobo, limitado e arrogante. Estamos falando de uma Sabedoria e Inteligência Infinitas que criou zilhões de Universos com uma complexidade impossível de ser entendida pela pobre mente  humana. Há várias diferenças entre um jogo virtual e o jogo da vida, mas a principal é : NINGUÉM sai deste último a bel prazer. No máximo, você consegue sair daquele nível do jogo, daquela etapa, daquele “espaço-tempo”. Depois, o jogo recomeça. Os personagens podem, inclusive, retornar ao mesmo espaço-tempo, ou em uma cópia muito parecida ou exatamente igual à anterior- com todos seus detalhes e elementos característicos.

Para ficar bem claro: todo mundo que “morre” pode voltar a essa mesma vida logo depois de sua morte. Pode voltar para uma cópia da mesma dimensão mas em algum tempo no passado ou no futuro . Ou, ainda,   para uma cópia dimensional dessa mesma vida, mas trazendo consigo o peso do próprio carma da encarnação anterior. Nesse caso, a pessoa voltaria EXATAMENTE ao mesmo ponto em que a vida anterior teria começado- com os mesmos pais e vivendo as mesmas experiências de infância etc- mas com um rumo imprevisível, tendo em vista o carma acumulado . Em outras palavras, a vida recomeçaria como um vídeo game. Mas ela tomaria um rumo diferente,  uma vez que o carma molda e influencia a vida de todas as pessoas.

O que estou dizendo não é novidade . É simplesmente a Lei de Causa e Efeito, o tal “colher aquilo que planta” ensinado há milênios por todas as grandes religiões. Eu apenas acrescentei alguns detalhes a partir do que pesquisei e intuí. A vida é eterna. Deus é infinito e infinitas são suas possibilidades. A própria ciência já está apontando para a existência dos multi-universos ou universos paralelos. Ora, por que existiria só um ou dois ou sete dimensões? E por que esses universos teriam que ser necessariamente progressivos e lineares no tempo?

Estamos vivendo em um espaço-tempo específico para aprendermos lições, evoluírmos e crescermos como seres de luz,  primeiramente como consciências individualizadas, separadas da Consciência Suprema Universal. Estaremos nesse processo até aprendermos  que somos parte do Grande Uno e que não há separação entre nós e o universo. Todos compartilham de uma mesma Luz e Realidade.Tudo está conectado. O mal ou o bem que se faz pensando atingir os outros, retorna para o seu autor como  inevitável eco.

Independente da minha teoria  ser verdadeira ou não- o fato é que essa nossa vida representa apenas uma das etapas desse complexo e infinito game chamado vida. Não é fácil sair dele. O personagem que acha que pra sair dessa “realidade virtual” do viver, bastaria destruir o corpo,  logo, logo descobrirá que o Programador Supremo não lhe deixou essa possibilidade. Destruir o corpo é apenas uma forma de acabar com a consciência que percebe e interage com aquela etapa de um jogo sem fim. O suicida pode até destruir o veículo , mas não a alma que é quem o dirige e anima. A consciência individual retornará para essa dimensão ou outra qualquer. Bom ou ruim, cada um sofre as consequências de suas atitudes. É uma Lei. Não há como escapar . Aqueles que se libertaram, afirmaram que apenas o egocídio- a morte do ego como poder central- pode libertar o homem da prisão das reencarnações dimensionais .

Egocídio é outro nome para Iluminação ou Despertar. Não é que quem "desperte" esteja automaticamente livre das reencarnações, mas essa é a única possibilidade de libertação. Matar o corpo, ao contrário do que alguns pensam, não livra ninguém  de jogar o  jogo da vida-que é compulsório. Pelo contrário, torna a prisão do samsara* cada vez mais poderosa e a situação do preso cada vez mais difícil e dolorosa. Como disse Jesus: “e não sairá de lá até pagar o último centil. Aí haverá choro e ranger de dentes !(...) Pois a cada um será dado conforme suas obras!”

Alsibar  Fev-2019

*Sansara: roda das reencarnações

domingo, 17 de fevereiro de 2019

A INCRÍVEL CEGUEIRA DA PREPOTÊNCIA! by Alsibar



A prepotência é irmã siamesa da arrogância. Humildade é compreender a própria insignificância e impotência diante da imensurabilidade da vida. Quem a isso não compreende, cisca o chão feito galo bobo, iludido de que ele manda no galinheiro. Quando é o dono das galinhas, o verdadeiro senhor com total poder sobre eles - inclusive sobre suas vidas.
Jiddu Krishnamurti não foi grande apenas por ter trazido novas perspectivas e ensinamentos sobre a dimensão espiritual e psicológica do ser humano . Nem por ter apontado o caminho da libertação do sofrimento para milhares de pessoas ao longo de sua vida secular. Ele foi grande porque, apesar disso tudo , fora simples, acessível mas, sobretudo, humano . É incrível saber que há pessoas que insistem em desqualificar tanto sua vida quanto sua inigualável obra. Como entender tais atitudes insipientes? 
Incrível como as pessoas se arvoram em julgadoras e conhecedoras dos outros quando não conhecem nada nem de si mesmas. Incrível como, no fundo, a soberba nos cega. Há um sentimento de superioridade quando desclassificamos os outros-imagina alguém do nível de um Krishnamurti.
Já que não posso subir até o pico da montanha - porque não tenho capacidade pra isso - eu a destruo. E, falamos dos tais "mistérios...." porque, a vida em si mesma parece não ter graça apesar de ser o maior dos mistérios. E então, falamos no tal Ser, na tal Consciência - como se ela fosse algo do mundo das palavras ou até ao alcance dos sentidos e da mente comum. Só me resta lamentar porque enquanto estamos tentando derrubar aqueles que alcançaram as estrelas, afundamos cada vez mais em nossa própria lama de miséria e sofrimento.

E pra fechar com "chave de ouro" afirmamos sobre o mistério do pós-morte e damos a sentença sobre a jornada espiritual do outro quando não conhecemos nem mesmo quem somos em vida quanto mais pra onde iremos depois da morte. 🙄

(Alsibar- Fev- 2019)

https://alsibar.blogspot.com/2019/02/a-incrivel-cegueira-da-prepotencia.html





terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

EGOCÍDIO SIM, SUICÍDIO NUNCA!





Quem nunca pensou em suicídio? Em arrancar de vez aquela dor insuportável  do peito através de um ato impensável  que desse cabo a todo sofrimento? Mas e se a morte não for o fim? E se, como dizem os espíritas, a dor continuar mais poderosa ainda  do outro lado ? E se, além do corpo, a mente continuar atormentada por todas as suas memórias e angústias? Será que vale a pena correr o risco de perder o dom precioso da vida sem nenhuma garantia de se conseguir alcançar o objetivo de simplesmente apagar, sumir, desaparecer? E há outra saída para o sofrimento? Existe sim : o egocídio. Se vc tem coragem de matar o corpo, mesmo com toda a dor e medo que isso acarreta, dou-lhe uma dica: ao invés de matar o corpo mate o ego.  Com a morte do primeiro você não tem certeza de nada, mas com a morte do segundo eu lhe asseguro que você  conseguirá reduzir ou até exterminar por completo sua dor interna.

Mas, por incrível que pareça, acabar com o ego pode até ser mais difícil do que matar o corpo. E sabe por quê? Porque o ego é você. Quando alguém pensa em morrer, em geral, é apenas uma forma desesperada de tentar livrar-se do sofrimento ou de algo que ele não consegue suportar. Essa é exatamente a atitude extrema de um ego poderoso, que de tão forte não aceita sofrer e quer que as coisas aconteçam exatamente do seu jeito. Todavia, para aqueles que procuram fugir à dor pelo caminho errado aviso : tenho 99.9% de certeza que a vida continua. Mas, o mais agravante, a sua mente moldará o seu próximo corpo de acordo com seu estado mental e suas atitudes. Não sou espírita, nem acredito na visão espírita do pós-morte. Apenas vejo como uma questão de lógica: em todo o universo existem leis. O ser humano , assim como tudo mais, está sujeito a elas. Matar ou matar-se- o que dá no mesmo- constitui  um grave erro com consequências bastante graves pela gravidade do delito.

Ao invés de se jogar numa empreitada tão arriscada e de resultados tão imprevisíveis por que não buscar a morte da raiz de todos os problemas que é o ego? Mas, detalhe, o ego não é uma entidade que se possa matar totalmente. E nem é necessário pois o ego nada mais é do que uma instância do ser necessária à sobrevivência. Todavia, você pode matar aquilo que no ego te causa sofrimento que é exatamente sua  força e centralidade. A dor não vem do ego em si, mas sim dele querer dominar todo o seu ser. Quando não há sabedoria, nem luz interior- o ego usurpa o trono e passa a comandar todo o reino interior. Então, dominado pela ignorância, arrogância e prepotência  egóica você é levado a buscar o prazer , fama ou poder- a todo custo, sem aceitar a derrota, as limitações e os reserves da vida. E o resultado disso tudo?  Muito sofrimento que pode levar ao desespero.

Pratique o egocídio. Mate a vitalidade do ego. Deixe-o sem comando. Destrone-o. E assim, sua vida será leve como uma pena sendo levada calmamente pela brisa divina. Só assim, seus dias de angústia , dor e sofrimento interno terminarão.  E então você olhará para o ego e ele estará lá pronto a lhe servir- e não mais a lhe atormentar. E, só assim, haverá liberdade e felicidade tanto dentro quanto fora de você. Não acredita? Experimente pois, ao contrário do suicídio, você pode cometer egocídio quantas vezes quiser ao longo da vida. E o melhor: continuará vivo para experimentar seus resultados e usufruir da paz imensurável do verdadeiro nirvana, ou céu interior.

Faça isso e comprove você mesmo os resultados.

Alsibar Fev, 2019

https://alsibar.blogspot.com/2019/02/egocidio-sim-suicidio-nunca.html


sábado, 26 de janeiro de 2019

A GUERRA DE NARRATIVAS



Quando  adolescente, eu achava que para se entender um fato, fosse qual fosse, bastaria ter conhecimento do mesmo. Por exemplo, aconteceu um acidente, um assassinato, uma eleição, uma guerra etc.  e isso encerrava o caso. Ledo engano. Muito mais tarde,  fui  entender que por trás de todos os fatos existe algo fundamental que funciona como uma espécie de lente através do qual o fato é percebido por um ou outro ângulo: a narrativa. Então, aqueles que fazem a narrativa detêm o poder da lente. E esse poder é tão forte que pode mudar os rumos da história e os destinos dos povos e nações.

Sim, vivemos uma guerra de narrativas e não há como escapar disso. Elas nos bombardeiam todos os dias, desde a infância, através dos meios mais simples aos mais complexos de tal forma que um dos maiores desafios do homem moderno é saber separar a narrativa do fato. Ora,  se quando se é um adulto já é difícil tal habilidade, imagina quando se é criança ou adolescente- ainda incapaz de perceber  que há sempre uma intenção por trás das narrativas. Assim, os bombardeios de narrativas começam ali mesmo na família. Desde cedo, nos ensinam narrativas de cunho  religioso ou mítico,  que nos ajudam na formação dos valores e personalidade. Mais tarde, na escola, começam as narrativas históricas, políticas e sociais que dizem pretender preparar os jovens para a vida e o trabalho.  Depois, começam as narrativas da mídia que supostamente nos informam  mas que, de fato,mais manipulam do que informam.

Entre o fato e a narrativa existe a verdade.  E a grande dificuldade é saber extrair da narrativa  sua casca de manipulação e subjetividade para que reste apenas a pura polpa da verdade. Peguemos alguns exemplos práticos para ilustrar o tema: o período histórico brasileiro de exceção entre os anos 1964 e 1985 foi uma ditadura militar ou regime militar? O impeachment da Dilma foi golpe ou ação natural da democracia? E o impeachment de Collor? Venezuela é ditadura ou democracia? Maduro é um tirano ou um estadista democrático? Lula é  um perseguido político ou apenas um político corrupto? E assim por diante. Ao ler cada uma dessas questões, cada pessoa terá uma reação diferente dependendo de sua própria lente-narrativa que traz dentro de si.

Em um mundo cada vez mais multimidiático o papel e a importância das narrativas não pode ser ignorado, nem subestimado. Faz parte do processo de autoconhecimento conhecer seus próprios filtros através do qual se faz a percepção,  leitura e  compreensão do mundo . Libertar-se dos seus próprios filtros pode ser difícil e até doloroso, pois pode  significar abrir mão de suas próprias opiniões, convicções  e supostas verdades. Então, da próxima vez em que ouvir uma notícia, saiba que existe uma narrativa por trás dela e que esta pode não ser necessariamente a verdade. Estar consciente do papel das narrativas como processos internos de filtragem para a interpretação e compreensão do mundo externo pode libertar o homem da tirania invisível que o reduz a um mero marionete de ideologias- sejam elas de esquerda, centro ou direita.

Alsibar, Jan- 2019

https://alsibar.blogspot.com/2019/01/a-guerra-de-narrativas.html

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

COMO ASSIM NÃO HÁ NINGUÉM AQUI?



Uma análise não apaixonada do estilo de vida dos  gurus ocidentais neo-advaitas.

“Você não é uma pessoa”, “ Não há nada acontecendo!”, “ É tudo uma grande brincadeira”, “ Não há ninguém aí” são algumas das frases feitas repetidas à exaustão por qualquer estudante noviço da filosofia  hindu conhecida como Advaita-Vedanta. Advaita significa “não-dual”. É a compreensão profunda de que, em última instância, tudo é UM pois em essência tudo é Deus, Brahman ( aham brahmasmi). Esse despertar profundo para a natureza essencial das coisas surge com a chamada Iluminação espiritual e reflete a visão avançada de grandes mestres espirituais do Oriente e Ocidente. Mas, quando indivíduos sem a devida realização interior, apenas repetem essas frases,  elas se afiguram não apenas superficiais, mas perigosas. Quem está de posse de um grande poder, mas não sabe como usá-lo, pode causar grandes danos a si mesmo e às pessoas ao seu redor. Esse é o caso da filosofia Advaita- Vedanta quando usada por indivíduos inteligentes e hábeis oradores, mas sem nenhuma maturidade espiritual.

O  auto-proclamado guru advaita é um sujeito perigoso e espiritualmente imaturo. Mas de bobo ele não tem nada. Ele se aproveita da ingenuidade das pessoas, de suas fragilidades emocionais e espirituais e da falta de conhecimento desses, para vender a imagem de um sábio com profunda realização espiritual. Todavia, dificilmente alguém irá culpá-lo por não honrar o que prega, uma vez que o que prega não passa de palavras, chavões e frases de efeito- muitas vezes sem sentido ou lógica. Ora, ele argumenta, a lógica, o sentido e a coerência pertencem à mente. Por isso, toda vez que você tentar medir suas atitudes usando sua mente lógica analítica, ele dirá: vá além da mente, vá além da lógica, isso é seu ego lhe pregando uma peça. E, consequentemente, isso dará a ele todo o poder necessário para fazer o que quiser, como quiser, com quem  e quando quiser. E, como eu disse antes, de bobo ele não tem nada.

Os últimos fatos e relatos envolvendo o  guru advaita  jamaicano conhecido como Mooji se encaixam perfeitamente  nessa descrição acima. Mas, calma, antes de sair por aí condenando-o é bom fazer uma análise de seus ensinamentos e se estes não corroboram ou até legalizam um tipo de comportamento aético e sem escrúpulos. Os vários rumores são de lavagem cerebral, exploração financeira e comportamento sexual inapropriado para um mestre espiritual. Mas, veja bem, alguma mulher o denunciou por abuso sexual? Existe algum processo contra ele por pedofilia, estupro ou assédio sexual? Provavelmente não e sabe por quê? Porque tudo que ele tá fazendo, está dentro da lei. Pode até ser imoral e vergonhoso, mas a lei não tipifica essas atitudes  como crimes.

Até agora não tive conhecimento de nenhuma acusação formal contra Mooji. O que veio a público é que ele adora as mulheres novinhas e que seu relacionamento com elas não parece ser muito adequado para os padrões morais  mais conservadores. Mooji, apesar de se dizer da linhagem espiritual direta do grande mestre Ramana, está muito mais para discípulo  do ex guru Osho -o Rajneesh-que era conhecido por sua filosofia hedonista e libertária de defesa do sexo livre e do prazer ilimitado como forma de se alcançar o despertar espiritual- seja lá o que ele entendia por isso. Há um problema terrível aí de incompreensão ou até de manipulação proposital de grandes e profundos ensinamentos que foram perigosamente desvirtuados.

Finalmente: se não há “indívíduo”, se não há “ego” e tudo é apenas um grande sonho, sem lei, nem ordem. E se não há “ninguém fazendo nada” pois tudo é apenas uma “grande ilusão”-então não há limites, nem regras, nem respeito a nada. O “mestre” é o sujeito todo-poderoso que ensina aos seus discípulos – mas principalmente às discípulas- como encontrar o paraíso na Terra que é sempre ao seu lado, nos satsangs, nos “retiros” e no seu Ashram ( Comunidade). E se for jovem e bonita- na sua cama. A eterna busca humana  pela felicidade parece estar na raiz de todo esse problema. Ao perceber esse desejo profundo no aspirante,  o guru esperto cria um ambiente favorável à uma vida livre da pressão  e da exigência moral da sociedade.  Mas que, ao mesmo tempo, cria outros problemas colaterais. Quando se ensina que a felicidade existe aqui e agora, abre-se mil e uma possibilidades, mas mesmo essas têm seus limites. E,  ao não respeitar e não ensinar o respeito a esses limites, é que o guru abre a “caixa de pandora”  juntamente com todos os seus males.

A grande questão é que o “guru” está sempre numa posição privilegiada de poder e dela se aproveita para alcançar ao máximo  sua própria felicidade terrena e isso passa  necessariamente por dinheiro, luxo e sexo com pessoas jovens e bonitas. Seguindo a cartilha do Osho, do Michel/ Andreas do Holly Hell, do  Satya Sai Baba, do Swami Rama e do brasileiro Prem Baba , Mooji não faz nada diferente do que sempre foi feito por vários outros que vieram antes dele: se aproveitar ao máximo do poder para ter tudo o que todo homem e toda mulher sonha: o máximo de felicidade e prazer – mesmo que isso custe o sacrifício da ética e do respeito às fragilidades  e limites dos outros. Isso tudo prova  que o chavão de que “não há ninguém aqui” ,  não passa de uma falácia grosseira resultado da manipulação de uma verdade profunda e sutil.

Se há alguém aqui para ser explorado, há alguém numa posição de poder para explorar. Assim como, em casos mais extremos, sempre haverá alguém para responder por seus atos perante a lei e a justiça. E diante dela , não adianta esbravejar  que “não existe ninguém aqui”. O ser humano existe no tempo e espaço como sujeito social e, portanto, deve responder criminalmente por seus atos perante a lei e à sociedade. E quando, porventura, algum guru neo-advaita for condenado por seus atos ilegais, vai compreender finalmente que por mais que insista na inexistência de “alguém” dentro do ser humano, há sim alguém que chora, que sofre, que pensa , que sente e que merece respeito, consideração e  a proteção da lei quando necessário.

Alsibar

http://alsibar.blogspot.com/



sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

O VELHO PANG



O velho Pang de nada precisa no mundo,

Tudo com ele é vazio, mesmo a cadeira que não possui.

O Vazio absoluto reina em seu lar

E que lar vazio, sem tesouros.

Ao nascer do Sol, caminha pelo Vazio

Ao pôr-do-sol, adormece no Vazio.

Sentado no Vazio, entoa seus cantos vazios

E suas vazias palavras retumbam no Vazio.

( Pang Chu-Shih, século IX)