domingo, 27 de maio de 2018


O DRAMA DE PERLA E SUAS LIÇÕES


Acabei de assistir ao drama da cantora Perla na tv. Depois de uma fase de muita fama, juventude, beleza e dinheiro - veio a depressão e a mania de acumular coisas . Ela guarda tudo : vestidos, objetos antigos, peças de roupas de mais de 30, 40, 50 anos. Resultado: sua casa virou um lixão de coisas imprestáveis. É tanta tralha que ela mal consegue andar em sua própria casa. Como diz um axioma antigo: o exterior expressa o interior.

Uma mente desarrumada acaba desarrumando tudo e a casa cheia de coisas antigas e inúteis, é o reflexo disso. A pessoa não consegue se libertar do passado, nem daquilo que o representa pois cada objeto está ligado a um episódio que passou . No fundo, a mente continua presa a um tempo glorioso que nunca mais voltará. Apesar de ser o drama pessoal de uma personagem famosa da mídia - com certeza não é a única. E se cada um de nós não cuidarmos da nossa casa mental, poderemos certamente, cairmos na mesma situação-ou pior .


São casos emblemáticos como esses que nos fazem ver a importância da MEDITAÇÃO em nossas vidas pois ela nos treina para a renovação, a fluidez, o desapego. Ao desapegar-nos de nossos pensamentos - que forma o "eu" e que se alimenta do lixo do passado- começamos um trabalho de limpeza e renovação interior, impedindo o acúmulo de lembranças e a consequente fixação do ego.


A meditação nos limpa. É como a água que remove todas as impurezas - mesmo as mais difíceis. É dessa faxina interna diária que precisamos para prevenir e impedir de chegarmos ao mesmo ponto em que Perla chegou . Afinal, lixo acumulado, dentro ou fora, atrai coisas ruins.


Comecemos, então, a nossa faxina interna através da prática da meditação para que possamos manter não só a casa limpa, mas principalmente a nossa casa interna saudável, organizada e equilibrada. Não deixemos para amanhã. O tempo é agora.

(Alsibar)

4 comentários:

  1. Como o Alsibar bem assevera, nós somos acumuladores, especialmente, de acontecimentos ruins passados, pensamentos autodestrutivos. Esses prejudicam o presente e, consequentemente, o futuro. Cabe, então, querer se libertar disso por meio da meditação. Dessa forma, iniciei esse caminho e com perseverança, autoanalise, introspecção, realizando um diagnóstico de minhas más tendências, o que atrapalha o meu progresso na meditação, procuro vencer os pensamentos, acontecimentos que me tornam uma acumuladora. É nesta hora que lembro que nossos monstros não estão no exterior, mas no nosso interior. Não digo que seja fácil, é algo conquistado paulatinamente. No entanto, a cada dia sinto- me mais forte por perceber que estou menos ansiosa. Então, vamos meditar, pois não adianta ter uma bela casa, o emprego perfeito, realização profissional, enquanto nos sentirmos perdidos, vazios interiormente, por manter o mesmo padrão de pensamentos e comportamentos que só nos levam a autodestruição.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Alsibar, por essa belíssima reflexão e toda ajuda fornecida no caminho da meditação! 🙏🏻❤️🌹😌🙌🏽

    ResponderExcluir
  3. Alsibar, acabei de conhecer seu blog e achei surpreendentemente interessante pela diversidade de conteúdo valioso. Gostaria de saber a sua opinião sobre o Aleister Crowley. Percebi a filosofia dele meio sombria e negativa, mas há defensores ardorosos dos seus textos que dizem que quem enxerga desta forma é porque não o compreendeu de verdade. Obs: procurei algo sobre o Crowley em seu blog e como não achei, postei em seu texto mais recente. Grato pela atenção e um abraço!

    ResponderExcluir