sábado, 22 de março de 2014

A QUEDA DOS DESPERTOS- The fall of the Awakeneds


 Depois de despertar pode-se voltar a dormir novamente? Como explicar os “deslizes” ou “cochilos” de alguns supostos Despertos? Será verdade que uma vez lá- ninguém volta? E o que tem isso a ver com cada um de nós? Venha comigo nessa jornada investigativa  onde a Verdade talvez esteja muito além de todas certezas e crenças.  Você teria coragem de enfrentar a Verdade mesmo que isso significasse abrir mão de tudo o que você tem como certo e verdadeiro? Se sua resposta for afirmativa, então você está preparado para o próximo estágio.

Esse artigo não é para iniciantes- eles dificilmente me entenderão. Dirijo-me àqueles que já pelejam na senda da meditação e do auto-conhecimento há um bom tempo. Aos iniciantes, chegará o momento certo de enfrentar as duras verdades que exponho ao longo desse artigo. Mas aos que já são mergulhadores experientes , que já tiveram a benção de acordar- mesmo que momentaneamente- esse artigo poderá ser útil e libertador. O objetivo aqui não é apenas o de destruir ou abalar, mas também de edificar. Sem a destruição do velho, não poderá surgir o novo. Os que não estão preparados haverão de ficar confusos. Alguns talvez não entendam nada. Outros desprezarão e rejeitarão tudo que está exposto aqui-  talvez apenas uma atitude de auto-defesa e proteção do ego. Mas alguns haverão de encontrar nessas inquietações o reflexo de suas próprias- e perceberão- que assim como eles, muita gente já passou pelos altos e baixos  da longa jornada do despertar da consciência.

Os críticos haverão de dizer que não tenho autoridade para falar desse assunto. Por isso gosto de citar outros textos que confirmam ou compartilham das mesmas impressões. Mas- especificamente nesse assunto- eu vivi algo de forma direta. E isso não é privilégio meu. Quem nunca se sentiu- pelo menos uma vez - pleno de paz , luz e sabedoria? Quem não sentiu sua mente totalmente alerta e consciente por um bom período de tempo? Quem não sentiu uma sensação de profunda paz e amor transbordante? Quem nunca sentiu-se num estado diferenciado de consciência tendo a clara e indubitável sensação de ter “despertado” ? E quem não passou pela experiência de ver tudo isso diminuindo ou enfraquecendo-se até  a mente voltar ao seu estado normal de semi-inconsciência e sono? Não seria isso uma espécie de queda?

A queda dos anjos pode não ser apenas um mito fantasioso ocorrido em alguma dimensão de um passado indeterminado. Pode ser a expressão de uma verdade que está sempre acontecendo- em todos os lugares- e a todo momento. Quando adão e eva foram expulsos do paraíso por terem provado da fruta do bem e do mal- isso também representa a queda da consciência humana - que desce da percepção e do estado de bem-aventurança e união divina- para o mundo mental da dualidade dos sentidos, onde impera o sofrimento e a ilusão da separação.

O Caibalion assevera o princípio áureo, presente em todos os tempos e reafirmado por todos os grandes mestres e sábios: “assim como em cima, embaixo”. A queda dos anjos e a saída do paraíso não são eventos históricos. É a representação simbólica de uma verdade profunda, que pode ser entendida por cada um, de acordo com o seu próprio nível de entendimento. Aos viajantes da alma, ela encerra a possibilidade da consciência desperta, bem-aventurada e una- descer do seu estado de percepção divina, perdendo o contato com o paraíso interior para o mundo de Maya- ilusão. Será isso possível? Veja o que Sri. Yuktéswar, mestre de Paramahansa Yogananda, disse-lhe em seu primeiro encontro com o amado discípulo :
“Se algum dia você assistir à minha queda do estado de percepção de Deus, por favor, prometa-me colocar minha cabeça em seu colo e ajudar-me a voltar ao Amado Cósmico que ambos adoramos”

Buda disse: “Podeis elevar vosso destino à maior altura do que o de Indra ou rebaixá-lo mais do que o da larva; o que sobe pode cair; o que cai pode subir; os raios da roda não param de girar.”

E a grande questão que fica é : se a consciência pode afastar-se da percepção da Verdade, voltando a distrair-se com os atrativos da mente ou do sentidos- então isso pode acontecer a qualquer um, não? Talvez isso explique as atitudes e os eventos lamentáveis relacionados à vida de alguns mestres famosos como, por exemplo, Gurdjieff , Osho e Satya Sai Baba. Se até esses estes caíram- isso implica dizer que qualquer um está sujeito a quedas . Esse é um assunto pouco explorado pela literatura espiritualista. Talvez por ser  de difícil aceitação. 

A mente em seu movimento natural de autoproteção e fuga à dor, não aceita que seus referenciais espirituais possam cair em tentação ou fraquejar em sua jornada. Isso apontaria para um sentido de humanidade que em geral não atribuímos aos mitos. Estes devem estar além de qualquer fragilidade humana pois é exatamente na identificação com os mitos que a mente encontra o sentido, a esperança e a força para continuar sua caminhada. Para muita gente, essa possibilidade pode ser devastadora. Esses ainda não estão preparados para se defrontarem com sua própria humanidade.

O grande problema é que ao perseguir um ideal de perfeição, haverão também de criar as autoridades espirituais- os gurus- seres perfeitos e que idealmente já chegaram lá e que nunca cairão, sendo por isso  dignos de toda fé, total confiança e adoração. Mas e se a consciência deles puderem realmente cair em tentação, cedendo às chamadas “tentações mundanas”? Como fica a imagem idealizada dos mesmos diante da organização, dos discípulos e patrocinadores?

Mas o maior problema, a meu ver, é que quando se aceita a ideia de que os iluminados são seres sem nenhuma possibilidade de queda ou deslize- passa-se a perseguir este ideal. Todavia, ele pode não existir. Pode ser que não haja um estado em que a pessoa esteja totalmente livre, de forma a não precisar mais da vigilância e atenção constantes. Me parece que não há um estado em que a  a mente e os sentidos possam ficar livres para vagarem levianamente para onde lhes aprouver. Basta uma leve distração e lá está de novo a separação, a ilusão e o sono.

A alma é livre para se apetecer com o que mais lhe agrada. Seja aqui ou em qualquer outro mundo. Seja nos mais  elevados planos da consciência, ou nos mais baixos a Lei é a mesma: a do livre arbítrio. Chegar ao despertar não significa que a pessoa esteja  eterna e definitivamente livre – pois a negligência e o descuido, podem fazê-la voltar a dormir. Mesmo quando alcançados estado elevados de percepção, a consciência deve se policiar para que não se distraia com as tentações da mente e dos sentidos. Por isso que o despertar não é algo tão simples e fácil quanto alguns querem parecer que seja. Na maioria das vezes o que se tem é um vislumbre dele. Também não tem a ver com gurus, ou métodos . Nem muito menos com a repetição de um discurso emprestado dos outros. 

O despertar é resultado de uma constante vigilância que vai se tornando cada vez mais profunda, até tornar-se algo natural. A mente pode estar desperta em um momento e no momento seguinte cair num sono profundo. Por isso é muito difícil dizer que alguém “despertou”. E ao mesmo tempo, qualquer um que esteja em verdadeira meditação está- naquele momento- desperto. Mas quem consegue ficar vigilante, atento e alerta o tempo todo? O mais comum não é que esse estado dure alguns minutos ou talvez horas para logo depois se perder entre sonhos, distrações e pensamentos?

Lembre-se , ninguém pode lhe dizer que você despertou. O verbo despertar não deveria ser usado no passado. Pois alguém pode ter despertado e voltado a dormir  novamente logo depois e como saber que a pessoa não está dormindo se passando por Desperto? Exteriormente nada muda. O despertar é um estado subjetivo, interno e somente a pessoa pode saber o que esta se passando dentro dela. Não são as palavras bonitas que fazem um desperto. É a sua vida, sua ações, seu caráter e sua constante vigilância em relação aos próprios pensamentos, sentimentos e ações. 

No caso individual de cada um, há alguns sinais característicos que a pessoa pode perceber para identificar o seu próprio  Despertar:

1. Sonhos lúcidos.
2. Sentido de totalidade e união com tudo e com todos.
3. Um sentimento indizível de amor e compaixão.
5. Serenidade, energia e força interior .
7. Consciência total dos pensamentos , emoções e sensações .
8. Plena Atenção tanto para as coisas externas quanto às internas.
9. Momentos de Êxtase ou Bem-aventurança cada vez mais profundo e intensos.
10. Sensações de paz indizível e inexplicável.
11. Sentido de morte do ego -que pode trazer angústia e medo.
12. Percepção do Ser como Vazio-Nada.
13. Sensações e percepções - tais como luzes internas- de difícil descrição.
14. Desinteresse pelas coisas perceptíveis aos sentidos (tais como trabalho, estudo, prazeres materiais etc).
15. Introspecção, o sujeito sente-se atraído pela bem-aventurança interna.
16. Sentimento de uma ordem, ética e moral de natureza cósmica e universal.
17. Presença de uma energia dinâmica e abundante .
18. Desapego de tudo, incluindo da própria mente com suas definições, verdades e certezas.

Acontece que após um tempo nesse estado- e sentindo a morte do ego aproximando-se - que inclui a morte da mente e todo seu conteúdo psicológico- a consciência pode se apavorar diante do grande nada e isso a puxa de volta para o seu estado normal. O ego não quer morrer. Quer viver e perpetuar-se. Por isso, ele passa a se ocupar com alguma atividade tida como “espiritual”- desta forma ele se perpetua de forma sutil e camuflada. É assim que  a consciência volta a se distrair com o mundo das cores e formas visíveis. Ela então volta a dormir , sonhando que está acordada. Novamente, começa a experimentar as sensações prazerosas do grande sono da vida- que só são possíveis de ser experimentadas dentro da mente sonhadora e distraída- nunca na mente desperta, silenciosa e lúcida.

Assim, você meditador sincero, saiba que é impossível despertar e continuar com a mente tagarela. Tagarelice, seja mental ou não- é sinal de sono- não de despertar.  O verdadeiro Despertar causa uma mutação tanto interna quanto externa. Os momentos de meditação, são pequenas amostras do grande despertar- mas ainda não é ele. E lembre-se: o discurso não é o estado. Repetir algo feito papagaio nada significa. E mesmo aqueles que chamamos despertos não estão livres da queda e do sono pois,  como disse Dogen:

“ Basta um simples pensamento ou distração- e eis que cai-se de novo- na separação”.

Apesar de todas as escrituras e grandes mestres afirmarem que há um estado de libertação plena da qual não se volta mais-  isso, porém, ainda é muito raro nesse mundo. Sri Yuktéswar afirma que existem três grandes planos: o físico, o astral e o causal- e que cada um deles tem vários níveis de gradação. Os seres do plano causal são descritos como altamente evoluídos:

 “os seres do corpo causal banqueteiam-se apenas com a ambrosia do conhecimento eternamente novo. Bebem dos mananciais de paz, andam pelo solo sem trilhas das percepções, nadam na infinitude oceânica da bem-aventurança”.

Mas mesmo estando nesse estágio a alma ainda não seria completamente liberta. Apenas ao libertar-se de todos os três mundos – incluindo o causal que é o mais evoluído- é que a alma alcançaria a liberdade última, ou seja- a unificação com o Infinito- “sem qualquer perda da individualidade” . Até lá, mesmo seres evoluídos tem que passar por diversas idas e vindas, conforme suas palavras:

 “ O homem não realizado precisa passar por incontáveis encarnações terrestres, astrais e causais, até emergir de seus três corpos”

É razoável, então se afirmar que mesmo os altamente evoluídos quando descem na matéria grosseira devem manter a lâmpada da vigilância acesa- sob o risco de queda. Esta é uma possibilidade que acompanha a todos : desde os seres mais ignorantes e grosseiros até os mais evoluídos e iluminados. Daí por que é tão importante a vigilância, atenção, observação, consciência, estado de presença, estado de alerta, lembrança de si ou simplesmente meditação.

Reflita sobre isso !

Namastê!
Alsibar
http://alsibar.blogspot.com


27 comentários:

  1. texto muito bom Alsibar,

    percebo isso durante as atividades diarias, de repente voce percebe que estava fazendo tudo no automático sem atenção nenhuma,

    Abraços Alsibar

    ResponderExcluir
  2. Ola Gabriel Batista,

    É exatamente isso. Obrigado por sua visita e comentário!

    Fraterabraços!

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Quem sabe um dia? Com seu apoio a gente se motiva. rsrs

      Abraços Fraternos!

      Excluir
  4. Repito aqui minhas palavras no Facebook, que seu texto está espetacular, me tirou várias dúvidas, enfim... Que Luz, moço, você me deu agora!! Obrigada!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Roxanne Lucy... Fico feliz que ele tenha sido útil!
      Fraterabraços!

      Excluir
  5. Parabéns, Alsibar.. excelente texto. Sds..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Lindaura, quanto tempo mesmo hein? Grato por sua visita e palavras!
      _/\_

      Excluir
  6. Respostas
    1. Obrigado amigo Toconstruindomeublogainda rsrs.

      Até a próxima!

      Excluir
  7. Olá amigo Alsibar!

    Mais um grande texto!

    Em relação a essa coisa de o despertar ou iluminação ser considerado como algo definitivo, irreversível, certamente se deve ao instinto natural da mente de buscar segurança. Por exemplo: se eu sou um buscador, é óbvio que eu desejo alcançar a libertação definitiva e absolutamente irreversível. Jamais gostaria de atingi-la e permanecer vulnerável, sob o risco de voltar ao sonho (pesadelo) de uma vida de sofrimento dominada pelas ilusões e pelas sombras do pensamento.

    Um forte abraço!

    Namastê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Forte abraço amigo Rogério e grato por seu adendo.

      Até a próxima!

      Namastê!

      Excluir
  8. Por isso a maioria da humanidade prefere a zona de conforto, jogar para baixo do tapete e acometido das mais variadas crises, doenças, desgraças, dor psicológica, miséria, burrice, ignorancia, teimosia e diz: tá tudo bem!

    ResponderExcluir
  9. rsrs... verdade amigo!

    Obrigado por sua participação.

    ResponderExcluir
  10. oi Alsibar, tive minha experiencia de ascenção ou nirvana ou como desejem falar nos meus 22 anos..mas, no maior estado de iluminaçao, era necessario descender,, como láéum estado de pluraridade ou consciencia simultnea, vamos dizer que a decisão de voltar é coletiva (seres de energia pode sentir) e na falta de ego nao temos como desejar nada...mas era a decisão certa e sábia. Agora estou aqui em estado de separação e consigo pequenos estalos de sensaçoes profundissimas que me fazem sentir o éxtase da vida e isso conforta (e da ate temor) o ego. Aqui é dificil me expressar mas a minha experiencia foi estagio por estagio acordando cada chacra claramente. Se a pessoa nao estiver medianamente preparada , tenho certeza que pode ficar mal da cabeça permanentemente. Sinto a certeza de re-encarnação em vida.um abraço,
    tanguito tem um link interessante sobre limpando Pineal em http://lei971.blogspot.com.br/p/agrotoxicos.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola amigo Clorito,

      Não entendi bem por que vc disse que a decisão de voltar é coletiva- e por que era a decisão certa e sábia? Pressinto sua resposta, mas seria enriquecedor se você nos dissesse sobre sua própria experiência. A experiência realmente conforta o ego... talvez a libertação esteja exatamente no livrar-se do desejo de mais experiências, não acha?
      E realmente... É importante não forçar a barra através de métodos que possam despertar isso antes da hora- pois o risco de problemas tais como depressão e loucura é muito grande. Acredito que uma vivência saudável passa pela paciência e serenidade, sem desejos de despertar energias sutis, pois na hora certa o despertar dessas forças ocorrerá naturalmente ao longo do processo de amadurecimento espiritual.
      Há muitos relatos sobre problemas relacionados a práticas e métodos de yoga e meditação. Muita gente deseja poderes e experiência extra-sensoriais- e chega a alcançá-los. O problema é que elas não são permanentes e a pessoa acaba voltando pra o seu pequeno mundo, tendo que enfrentar todos os problemas inerentes à vida e a si mesmo. E muitas vezes o impacto é grande pois a pessoa não quer ter que enfrentar a dura realidade do dia-a-dia, com suas contradições e dolorosa dualidade.

      Grato por sua colaboração e espero vc por aqui novamente!

      Fraterabraços!

      _/\_

      Excluir
  11. "É nas quedas que o rio cria energia!"- Professor Hermógenes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nanda Devi, obrigado por seu comentário.

      Acho que deveríamos refletir em como nós- seres humanos- ganhamos e gastamos energia, pois tudo nesse mundo precisa de energia- inclusive o despertar. Mas como "produzir" esta energia e será que ela pode ser produzida?

      Fica aí a reflexão!

      Abraços!

      Excluir
  12. Obrigada... vou me recolher agora sem culpa e leve, era isso que precisava ler neste momento. Obrigada amigo.
    Abraço.
    Sô.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sô,

      Obrigado pelo feedback.

      Namastê!

      Excluir
  13. Seu texto me fez refletir muito sobre uma idéia pessoal que tenho a respeito da busca do autoconhecimento, onde a busca já esteja contida em si mesma... sendo o próprio autoconhecimento...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Estela Lima tudo bem?

      É isso mesmo. Exatamente assim. Não existe objetivo... o caminhar, o processo, o aprender- já é em si autoconhecimento. E isso não tem fim.

      Abraços!

      Excluir
  14. Olá Alsibar! O tema abordado é de suma relevância. A esse respeito recomendo entusiasticamente a introdução apresentada no link abaixo. Grata! http://www.dharmainc.org/video/12-stage-view-special-focus-lectures-introduction

    ResponderExcluir
  15. Muito interessante !!!!
    Agradeço .
    Aqui vai mais um GRANDE abraço .

    ResponderExcluir
  16. Muito obrigado pela sua atenção sou grato a vc é ao Universo Namastê.

    ResponderExcluir