sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

SATSANG E O COMÉRCIO DA VERDADE- Satsang and the "Truth Trading"- Satsang y el comercio de la verdad



Satsang e o comércio da Verdade- http://alsibar.blogspot.com

Aproxima-se o carnaval -o maior e mais esperado feriadão do ano. Um período para viajar, curtir, dançar e beber… Ou, se preferir, passear, descansar ou participar de um “satsang”. Como??? Não sabe o que é um satsang? Então leia o artigo e aprenda mais sobre esta prática espiritual milenar que , na era moderna, enfrenta o problema da exploração comercial por parte de supostos gurus autorrealizados.

          Satsang é uma palavra de fácil compreensão. Etmologicamente ela é formada por dois vocábulos “sat” que significa “ verdade” e “sang” que significa encontro -“Encontro com a Verdade”. Em outras palavras, é  uma reunião ou um encontro de pessoas – discípulos ou não- em torno de um mestre iluminado ou guru.  Em sua presença, eles podem  ouvir a Verdade  direto da fonte. Todavia, há fontes e “fontes”. Uma mais puras, outras menos. Há inclusive as que aparentam ser cristalinas e potáveis, mas são poluídas e perigosas. Algumas chegam a ser venenosas podendo levar a óbito. Como se prevenir dos perigos de um falso satsang – entendido aqui como um “encontro com a ilusão”? É o que vamos refletir juntos.

Satsang significa "encontro com a Verdade"

          Uma rápida busca pela Internet  poderá lhe assustar. Há “satsangs” de todo preço e para todo gosto. O mercado parece estar em alta. Você pode escolher um mestre que lhe “caia bem”- na consciência e no bolso. No Brasil, há de vários tipos: tem o sorridente e charmoso  “quarentão boa pinta”; o moreno sedutor com aparência e voz de pastor ; o famoso paulista barbadão com cara de indiano (apesar de estar mais para Paulo Freire). Além dos internacionais: o rastafari, a coroa loira, o careca com pinta de monge zen, o jovem bonitão com pose de modelo etc. Não importa. Se você procurar, encontrará um guru e um satsang pertinho de você. Só há um pré-requisito que talvez lhe desqualifique para esta experiência “inesquecível” : ser liso! Caso você não tenha dinheiro as portas do Nirvana estarão provavelmente fechadas para você. Isso porque nenhum dos satsangs que pesquisei é de graça- com exceção daqueles em que o mestre está morto ou ausente. Nestes casos, o satsang é feito através de uma foto ou estátua do guru . Esse tipo de satsang, ou retiro espiritual, é o mais comum . 
Há fontes e "fontes", como diferenciá-las?

          Mas o foco desse artigo não são os retiros espirituais em que organizadores e coordenadores cobram honestamente  pelos custos com estadia, alimentação, transporte , aluguel etc. Aqui refletimos especialmente sobre o satsang comercial. Aquele cuja presença do "guru-deus" é a principal -e mais cara- atração.A grande diferença entre um satsang e um retiro espiritual comum é justamente a presença física do "mestre". É a oportunidade de estar diante de um “mega-star espiritual”- alguém que chegou ao pico máximo da realização humana, também chamado de Moksha ou Libertação. Um guru é considerado na tradição indiana a manifestação de Deus em forma humana. Para muitos devotos  não há diferença entre o guru e Deus.

          Talvez por causa desta crença milenar, alguns comerciantes de satsangs gostam de alardear os benefícios que uma reunião com o “mestre” pode  trazer. Apresentam-na como uma panaceia para todos os males. Há  sites que falam até mesmo da cura de distúrbios psicológicos e psiquiátricos. Assim, qualquer problema que lhes forem apresentados, de qualquer espécie ou natureza, a receita é uma sessão de satsang. Dizem com orgulho que psicólogos, terapeutas , psiquiatras nada sabem e para nada servem. Basta sentar-se aos pés do guru para que a libertação aconteça. Como num passe de mágica, todos os males físicos, mentais e espirituais desaparecem apenas por olhar nos olhos do " Desperto". Caso não aconteça na primeira vez, é porque precisa de mais sessões de satsangs. Quanto mais, melhor. Quem manda é o seu bolso.
Guru é profissão?

          Pelo que se percebe, muitos gurus atuais estão atuando profissionalmente. Muitos dependem completamente desse ofício para se manter seu estilo de vida- muitas vezes caro e luxuoso. A questão que se coloca  é exatamente essa: existe a profissão de guru? Um padre ou um pastor, por exemplo, são profissionais graduados que estudaram, investiram tempo e dinheiro para terem uma formação e assim poderem atuar profissionalmente. E o curioso é que, mesmo estes, não cobram por suas pregações, conselhos ou atendimentos. Vivem, em geral, de dízimos, doações, outros projetos ou outras profissões como, por exemplo,  professor , psicólogo etc  para não dependerem da boa vontade dos outros.

          Alguém pode então questionar: você está defendendo a tese de que o guru deva ser um mendicante, um mendigo? Não necessariamente. Ele pode trabalhar como qualquer pessoa. Ou ter outras fontes de renda que o sustentem- o que não deve ser muito pois se é um mestre espiritual deveria, em tese, dar exemplo de renúncia e desapego material. Mas, pelo que me parece, os gurus modernos não dispensam um luxo. Querem ser tratados como reis e bajulados como deuses. 

Satsang: o comércio da Graça Espiritual

          Por isso é importante uma reflexão mais aprofundada sobre a questão dos satsangs comerciais. O que o guru vende quando ele  cobra por um satsang? O privilégio de estar em sua presença física ? Ou seria, o direito de ouvir a "verdade" diretamente dos seus lábios “sagrados”? E a Verdade pode ser vendida? Ou aquilo que se vende, mesmo que seja verdade, passa a ser mentira pois é usado com fins comerciais? O guru não é um profissional comum. Estamos falando de alguém que   se apresenta como a manifestação de Deus na terra e, no entanto, comercializa  esse mesmo Deus. Ora, mas Deus pode ser vendido?  E qual seria o seu preço? Qual o preço da  Vida, do ar, do corpo, da saúde, do amor, da paz, da felicidade? Alguém, ou alguma entidade espiritual já lhe cobrou por isso? Não. E sabe por que? Porque estas coisas não se vendem, nem se compram. O que é verdadeiro, real e essencial não tem preço. Apenas o que é superficial, artificial e ilusório tem valor pecuniário e, por isso, pode ser vendido.

           Como saberemos o critério? O grande mestre Jesus  afirmou certa vez: “dai de graça o que de graça recebestes”. Assim, este é o parâmetro: o que a Graça nos dá de graça, deve também ser dado de graça.  Se cobro por aquilo que Deus me deu gratuitamente estou agindo como um ladrão salteador.  E então vem a segunda questão:  o que o guru recebeu de Deus foi de graça ou foi pago? Alguém já comprou a Iluminação, a Autorrealização, o Reino de Deus? Historicamente sabemos que algumas organizações religiosas já venderam um pedaço do céu. Mas alguém já conseguiu comprar a iluminação? Pelo que eu saiba  não. Se fosse assim, não haveria tantos milionários insatisfeitos, depressivos ou infelizes. Deus é a Paz, o Amor, a Bem-Aventurança- o que há de mais sagrado e puro neste universo. Deus ou a Verdade é "aquilo" que não tem preço e , consequentemente, não pode ser vendido. Mas mesmo assim, tem "D-espertos" vendendo, e tolos comprando.
Os verdadeiros mestres nunca cobraram  por seus ensinamentos, nem presença

          Os verdadeiros mestres iluminados nunca cobraram por seus ensinamentos ou atendimentos espirituais.  Em geral, ou trabalhavam  ou possuíam alguma outra fonte de renda alternativa. Talvez, porque já tinham bastante sabedoria e elevada espiritualidade- o que parece não acontecer com os gurus da atuais . Seus anúncios e propagandas visam claramente a expansão mercadológica de suas organizações- exatamente como qualquer empresa  que precisa lucrar e expandir . Virou realmente uma babel- não dá mais pra diferenciar ou discernir o que é espiritual do que é comercial. Será que a prática de se cobrar ingressos para o Reino de Deus está renascendo da Idade Média? E, infelizmente, a mente da sociedade moderna está tão dominada pela lógica do mercado que vê isso como algo natural.
Deus , Verdade ou Iluminação pode ser comercializado?

          Não podemos esquecer de uma coisa: o sentido da vida  encontra-se nas coisas que não tem preço. Valores como Amor, Paz, Felicidade, Sabedoria, Iluminação não são mercadorias. São estas preciosidades espirituais que nos elevam da medíocre condição humana  à condição divina.  Na dúvida , mire-se no exemplo dos verdadeiros mestres iluminados e veja se não há algo de errado com os gurus da Nova Era de Exploração:

Lahíri Mahasaya- o grande mestre-iogue trabalhou a vida toda como contador numa empresa ferroviária inglesa. Trabalhava durante o dia e dava satsangs à noite GRATUITAMENTE . Detalhe: tinha esposa e filhos para sustentar.

Sri Yuktéswar- o grande jnana iogue, mestre de Yogananda vivia dos negócios e propriedades deixado por seus antepassados. Não cobrava por seus atendimentos ou satsangs.
Ramana- exemplo de humildade e renúncia

Ramana Maharshi- o maha-iogue era um sanyasin, um renunciante. Sua vida era modestíssima - possuía apenas uma tanga.  Nunca cobrou por satsangs, ou pela Graça de sua Presença. Tudo no ashram era gratuito, inclusive alimentação- como é de praxe na Índia- e ele não aprovava nenhum privilégio para com sua pessoa.

Nisargadatta Maharaj- famoso iogue advaita ( não-dualista), possuía uma pequena loja de fumo onde trabalhava durante o dia. Os visitantes eram atendidos à noite de forma totalmente gratuita.

Jiddu Krishnamurti- as palestras e os atendimentos individuais eram totalmente gratuitos. Quando as conferências eram realizadas em espaços  alugados cobrava-se uma taxa como forma de cobrir os custos. Em um vídeo sobre K. vi uma mocinha com uma caixinha na mão, no portão de saída, recolhendo doações voluntárias.

          Por fim, quero deixar bem claro que não sou contra satsangs. Todavia, penso que deveria haver menos exploração comercial. As pessoas poderiam pagar um valor voluntário, ou os preços deveriam ser mais populares. Além disso, se o guru é a manifestação de Deus na Terra, não havendo diferença entre “Deus, Guru e o SER” –como disse Ramana Maharshi -então ele  deve “ser perfeito como vosso Pai Celestial é perfeito”. Caso contrário, há um grande risco de ser uma roubada. E o tal "guru", talvez, não seja tão iluminado assim. Podendo, inclusive, ser  um grande charlatão, explorador e hipnotizador. Felizmente, temos os exemplos dos verdadeiros mestres ou gurus. Estes, mesmo enfrentando as dificuldades da sociedade capitalista moderna, fizeram questão de ser os primeiros a dar exemplo de renúncia, trabalho honesto e vida moderada.

Então, da próxima vez que for a um satsang, leve em consideração essas reflexões. E analise se vale a pena pagar pela "graça divina" ou pela presença do "guru". Depois siga sua consciência , afinal a vida é sua e o dinheiro é todo seu. 

Namastê!

Alsibar

http://alsibar.blogspot.com
Repostagem autorizada, desde que informada o nome e endereço da fonte. 





26 comentários:

  1. Olá amigo,
    Muito bom o post.
    Tambem sou contra a cobrança de satsangs.
    Já participei de alguns com uns 3 mestres diferentes.
    E na minha humilda opinião, acho que o correto é aceitar DOAÇÕES VOLUNTARIAS de acordo com a condição do discípulo, se não vira comércio.

    ResponderExcluir
  2. Ola Ronnye obrigado por seu comentário. Taí uma boa sugestão. Acho que , pelo menos, evitaria alguns abusos não é? A ação voluntária demonstra que o discípulo ou ouvinte entendeu a proposta do trabalho e se desdobra espontaneamente a ajudá-lo. O grande problema de alguns satsangs é que para convencer o povo a pagar, o "guru" procura provar o quanto é importante, sagrada e valiosa sua presença recorrendo, muitas vezes à propaganda exagerada, mentirosa e desleal.

    ResponderExcluir
  3. Cara estes seus textos não estão sendo escritos pra alertar ninguém, primeiro que isso não existe pq cada um vai aonde precisa mesmo que isso seja pra ele se frustrar e finalmente saber discernir falso de verdadeiro no fim. Mas seus textos nem pra isso servem pq estão cheios de baboseira moralista e religiosa...quem disse que um verdadeiro mestre não deve cobrar por aquilo que ele está compartilhando? Jesus? Ah cara que mané Jesus, vc nem sabe se esse cara existiu pra início de conversa e outra, quem disse que isso é parâmetro pra qualquer coisa bixo...vc na verdade escreve estes seus textinhos de merda é pra dar uma de guruzim debaixo dos panos, pra ser reconhecido como bombeiro espiritual...tô só te vendo viu. Tá aí de bunda pra fora achando que tá camuflado neh

    Anand Kalai Nitamo

    ResponderExcluir
  4. Querido amigo, entendi bem o que você está querendo dizer, e concordo com tudo. Sou mais radical ainda, não acredito mesmo em nenhum tipo de Deidade humana, se pudesse chegar perto de Deus não precisaria comer, nem beber, se fosse um Iluminado sequer, daria condições para que qualquer pessoa pudesse lhe ouvir, sem essa de hotel etc... Mas esse tipo de gente tem em toda parte, no espiritismo (falsos médiuns, quando cobram), na Igreja evangélica ( o pastor que vive da Igreja), a Igreja católica (padres q vivem cheios de regalias), no hinduísmo esses yogues fajutos se achando o máximo, seitas que se dizem não religiosas,mas detentoras de segredos, e para entrar você tem que pagar, anuidade, mensalidade, eu não dou um centavo pra nada disso. Se todos se unissem numa só corrente, não haveria separação.

    Bryanna

    ResponderExcluir
  5. Ola Anand Calai Nitamo , primeiro: se é baboseira nem se dê o trabalho de lê-los, muito menos de respondê-los. Segundo, se você não acredita na existência física de Jesus- o que dizer da espiritual não é mesmo? Terceiro, não sou guru. Mas por que será que você se incomodou tanto hein? Será que a "carapuça" lhe serviu?

    ResponderExcluir
  6. Bryanna, muito grato por seu comentário . Mas realmente sou contrário a qualquer tipo de radicalismo. Todavia, respeito sua posição e agradeço sua participação. Fraterabraços!

    ResponderExcluir
  7. estes comentarios ai , so me fazem entender uma coisa , prossiga no seu proposito de abrir os olhos dos menos entendidos, pois todas estas pessoas que ficaram contra o texto , que por sinal é explendido , muito esclarecedor, estão fazendo justamente o que o texto diz, por isto estão tão nervosos, so faltam dizer que são (iluminados ) mentira! se fossem não ficariam tão ofendidos, eles que são uns mestres de merda e lugar de merda é no esgoto , alias o que é esta pseudo iluminação desses caras, UMA FARÇA.. e estes anonimos são tão falsos que precisam se esconder .... afinal a verdade incomoda. parabens ALSIBAR. continue a tirar as mascaras alguem deve estar agradecido.

    ResponderExcluir
  8. Anand Nitamo se irritou porque é instrutor de satsang. Apenas isso para dizer.

    Vitor.

    ResponderExcluir
  9. Blog com a cara (feia) de Anand Nitamo e a descrição de sua jornada de buscador espiritual, provando que ele dá uma de guruzim:

    http://awakeningintensivo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Grande texto, rapaz!!!! Diria tudo um processo de "pilantrização" espiritual da humanidade. Seguindo a onda da "pilantrização" da política, da cultura, da religião. Escravos que somos, ignorantes e cegos, qualquer palhacinho de luz (mestres de meia-sola) pode deitar e rolar com seus "satsangs". Otários espirituais não faltarão. É a decadência das pessoas em relação à iluminação, são suas buscas estúpidas sempre recheadas de culpas e servidão, estes são os novos timbres da espiritualidade dos novos escravos. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  11. ola . sabe aquele primeiro que se doeu quando o texto foi postado, deve ser um discipulo do guru que se diz Deus e seguidor do Ramana ... e aquele individuo vive falando de amor, mas eu procurei fotos da familia dele nestes encontros não vi nenhuma, Será que este encontros são desculpas pra ele fazer sacanagem em grupo , ja que se diz casado , mas a gente nunca ver a mulher do cara... é Alsibar acho que sem querer vc tocou na ferida (podres) de muitos gurus de merda , falsos, mentirosos e inescrupuloso. parabens !!!

    ResponderExcluir
  12. Amigos, agradeço a força e o apoio. São pessoas como vocês que me fazem continuar com este trabalho. Fraterabraços a todos!

    ResponderExcluir
  13. Agradecimento especial ao sempre presente Lobo da Caatinga com seu comentário brilhante, lúcido e inteligente! Obrigado amigo.E que Deus lhe ilumine cada vez mais! Namastê!

    ResponderExcluir
  14. existe sat-sang e darshan´s grátis já fui a alguns .
    -mas estão sempre quase vazios !
    e os pagos sempre cheios a ponto de ter que marcar hora antecipada !
    todo mestre verdadeiro é uma fraude, o mestre verdadeiro é o silêncio interior !
    -mas precisamos de uma boa noite de sono para acordar bem.
    alsibar meu amigo ,continue e tente ser feliz.
    se buscar a verdade com sinceridade irá encontrar até com um "falso" mestre !-kkk...obrigado.

    ResponderExcluir
  15. Obrigado por sua participação Mario Bodhananda ! Não entendi duas coisas: como o mestre verdadeiro pode ser uma fraude? Se é uma fraude, não é verdadeiro. Simples questão de lógica , não?. E achas que estou "tentando" ser feliz? Meus escritos é a manifestação da minha felicidade interior. Mas concordo com algumas coisas que você disse: "o mestre verdadeiro é o silêncio interior"-com certeza. A outra coisa, é que você tem razão ao constatar que os que tem dinheiro lotam eventos como esses . Simples lógica capitalista de que 'o que é caro deve ser bom". Vejo, com tristeza, que muitos NÃO valorizam o que é gratuito. É uma inversão de valores. O que vale mais: o amor gratuito, ou o amor pago? Cabe a nós, espiritualistas ou não, lutar contra essa mentalidade materialista nessa era de trevas e ilusão.

    ResponderExcluir
  16. Namastê Alsibar!

    Essa é minha primeira mensagem nesse maravilhoso blog, o qual sou leitor assíduo.

    Adorei o texto, mas no meu caso especifico potencializou uma série de dúvidas que há tempos permeiam meus pensamentos em relação a minha jornada pessoal.

    Por se tratar de algo de interesse particular, resolvi mandar um email para você, com intuito de obter algum auxilio para esclarecer minhas dúvidas. Tomei inclusive a liberdade de te adicionar no MSN com o mesmo objetivo.

    Continue com esse lindo trabalho que faz com que as pessoas interessadas sempre questionem sobre tudo e todos, em especial a si mesmos.

    Grande abraço,

    Sergio

    ResponderExcluir
  17. Ola Sérgio, tudo bem? Sobre o MSN,ainda está ativado? Talvez fosse melhor que você me adicionasse no Facebook. Mesmo assim, tentarei entrar lá para poder conversarmos. Grato por suas palavras de motivação e seja sempre bem vindo a esse espaço de reflexão. Fraterabraços!

    ResponderExcluir
  18. Oi,
    Pesquisei o seu blog e pude ver que vocês fazem um trabalho bonito e sério.
    Por essa razão sugiro que assistam as previsões de Aline, da Cidade das Pirâmides, para o ano de 2013.
    São três programas imperdíveis. Confiram http://youtu.be/hJV1qZWTtF0 .
    Caso desejarem visitem também o nosso Blog:
    http://deolhonomundoblog.wordpress.com/ Divulguem e falem com Aline!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Ok Luz13, obrigado por sua palavras e irei sim visitar o blog! Abraços!

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Os mercadores da verdade. Muito bom.

    ResponderExcluir
  22. Alsibar, mais uma vez obrigado por compartilhar. Seus textos sempre são lúcidos e impregnados de amor. Continues a partilhar conosco suas percepções. Já estou compatilhando. Abs
    Flávio Barros

    ResponderExcluir
  23. Uma vez vi uma palestra de uma pessoa muito bacana que fez uma consideração sobre OS DIFERENTES ESTÁGIOS DE EVOLUÇÃO E NECESSIDADES ESPIRITUAIS. Olha só: para algumas pessoas que se encontram em alguns estágios evolutivos, a figura do mestre espiritual é necessária... para outras, que, possivelmente, já são almas com um longo processo evolutivo e várias passagens por este e outros planetas, a figura de um 'guru' ou pastor/padre, etc.. já não se faz mais necessária. NÃO SOMOS SUPERIORES OU INFERIORES A NINGUÉM: SOMOS APENAS DIFERENTES... Podemos, inclusive, já ter sido totalmente dependentes de algum tipo de mestre - em alguma de nossas vidas passadas... O IMPORTANTE É QUE AS PESSOAS ESTÃO BUSCANDO COM OU SEM GURU: ELAS PODERIAM ESTAR SIMPLESMENTE INVESTINDO EM UM PROCESSO AUTODESTRUTIVO, MAS ESTÃO BUSCANDO ALGO DENTRO DO ESTÁGIO EVOLUTIVO EM QUE SE ENCONTRAM... De todos os modos, CREIO QUE DEVEMOS TER CUIDADO COM O MODO COMO QUALIFICAMOS OU DESQUALIFICAMOS A DEVOÇÃO DAS PESSOAS: TRATA-SE DE COISA SÉRIA E NENHUM DE NÓS TEM ILUMINAÇÃO PARA TANTO! Se você observar, os grandes iluminados, não colocavam tanta energia em desfazer da devoção do outro: ELES INVESTIAM PESADO EM UM DIÁLOGO/DISCURSO NO MODO DA BONDADE E NÃO NO MODO DA IGNORÂNCIA OU PAIXÃO. Lendo os posts aqui colocados, senti muito do modo da IRA... MAS, POR QUE ESSE SENTIMENTO DE DESDEM POR QUEM VIU NO GURU UM CAMINHO? POR QUE NAO ALEGRARMO-NOS POR ALMAS QUE ESTÃO COMEÇANDO EM SEU LOOOOOOOOOONGO CAMINHO EVOLUTIVO? POR QUE QUERER ALIMENTAR COM GRAÕS AQUELES QUE AINDA PRECISAM DO LEITE MATERNO? Eu quase não me detinha a escrever, mas meu coração pediu para partilhar esse meu 'insight'. A propósito: EU NÃO TENHO GURU, MAS VOU -NA BOA- PARA SATSANG PAGO... Melhor usar meu dinheiro -ganho com muita dedicação e honestidade - para coisas que me elevem do que para coisas que me destruam... Só uma coisa a mais: as guerras religiosas/espiritualistas (além dos fatores econômicos/políticos) acontecem porque cada um acha que seu caminho é mais iluminado do que o do outro... Na minha opinião, quando um ser está no caminho da iluminação, ele/ela não dedica energia a propagar a falta de iluminação dos outros. A LUZ SIMPLESMENTE ILUMINA E DEIXA A SOMBRA PARA TRÁS DE SI... A LUZ NUNCA FICA ATRÁS DA SOMBRA... Namastê! PAZ E BEM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jocely tudo bem?

      Eu, sinceramente, concordo em parte. As devoções devem sim respeitadas, pois tem a ver com a liberdade e o livre arbítrio de cada um. Inclusive eu as acho belas e até admiro. O que não concordo é com o radicalismo, a intolerância e os exageros de alguns grupos e indivíduos. Acho que a Verdade deve ser dita - mas esta- por mais que não se queira- será sempre um ponto de vista, pois reflete a experiência e visão pessoal de uma pessoa, mesmo que seja um avatar.
      Assim, concordo em parte quando você diz que os grandes iluminados não desqualificaram a devoção ou religiosidade dominante. Ora, os grandes iluminados - como Buda, Jesus e Krishnamurti -foram grandes reformadores e não haveria sentido erigir o novo, sem que se destruísse -pelo menos parte- crenças e práticas do velho. Assim, Jesus disse: "não se coloca retalho velho em panos novos, nem vinhos velhos em odres novos". Antes de Jesus o que predominava era o judaísmo. Ora, como se implantar o novo sem desqualificar alguns fundamentos do velho? É verdade que Jesus condenou principalmente a hipocrisias dos escribas e fariseus. Mas ele também erigiu novas formas de devoção e religiosidade. Assim como o fez Buda em relação ao bramanismo dominante da época- como você deve saber.

      Na Era Moderna, Krishnamurti fez - a meu ver -o mesmo papel. Ele aparou algumas arestas ao repensar ou desconstruir as bases da religiosidade tradicional pautada no medo, apego e dependência. . Ora, quando um Avatar vem, ele vem pra estabelecer os princípios da nova religião não acha? Como Krishna diz no Bhagavad Gita 4:7-8:

      " Sempre e onde quer que haja um declínio do Dharma e uma ascensão predominante de irreligião – aí então Eu próprio descendo. Para salvar os piedosos e aniquilar os canalhas bem como para restabelecer os princípios da religião. Eu próprio advenho milênio após milênio."

      Ou seja, os Avatares vem para denunciar o erro , a mentira, a ilusão e a falsidade. E isso, obviamente, contraria os interesses daqueles que estão comprometidos com tais práticas.
      Assim, concordo que não se deva atacar ninguém de forma pessoal pois não somos juízes de ninguém e somente Deus conhece o coração do homem. Mas não há como falar da verdade sem desqualificar a mentira, não é mesmo? Acho, sinceramente, que assim como os religiosos tradicionais tem o direito à liberdade de expressão, aqueles que discordam também a tem. Nos meus artigos e vídeos procuro falar sobre o que acredito ser verdadeiro, a partir do meu ponto de vista, levando as pessoas à refletirem sobre suas próprias crenças e práticas espirituais com o sentido de ajudá-las, pois muitas são sim vítimas de "ladrões salteadores".

      Enfim, aqueles que estão sintonizados com esta compreensão- ou perto disso- haverá de me entender. Os outros continuarão sua jornada, conforme seu nível e capacidade de compreensão, de acordo com seu carma e processo evolutivo. Sei que muitos terão que quebrar a cara mesmo, como foi o caso dos discípulos do Jim Jones, David Koresh, Osho etc. Mas estou fazendo a parte que me compete, a que acredito ser verdadeira e a que sinto- em meu coração- que devo fazer.

      Pra finalizar, quero dizer que apesar de achar que a religião- muitas vezes separa mais do que agrega- sei que muita gente já superou o nível do sectarismo, da intolerância e do radicalismo. E isso é o que é mais importante. Independente de ser religioso tradicionalista , espiritualista, ateu ou místico. Todavia, o que se vê nesses movimentos é muito sectarismo, radicalismo e intolerância- infelizmente. Mas mesmo a esses temos que entender e amar - no entanto não devemos nos calar. Pois quando a luz se omite, a escuridão impera

      Fica aí o registro de sua visão e ponto de vista- muito grato pela participação.

      Namastê!

      Excluir
  24. ... um dia se encontrar um Mestre, vou saber reconhecer.
    Vou servir, vou escutar, vou caminhar...
    Quando Ele morrer, vou seguir sem mais olhar para traz...
    O Mestre vai fazer de tudo para morrer para o discípulo...
    A Verdade encontra-se na Verdade...
    Por enquanto estou no caminho, caminhando...
    Uso método até deixar de ser importante...
    A razão está no coração...
    A Verdade está para além de qualquer comentário ou reflexão.
    A Verdade fluí no interior de cada um e há muitos portais para aceder...
    Quando encontrar a porta vou abri-la e também vou entrar...

    Jorge

    ResponderExcluir