terça-feira, 17 de abril de 2012

OS OITO PASSOS DO CAMINHO DO MEIO

Buda e o Caminho do Meio:http://alsibar.blogspot.com

 O “Caminho do Meio” foi ensinado por Sidarta Gautama, o Buda ( O Desperto) há mais de 2.500 anos atrás. Este caminho, procura evitar todos os extremos, levando o homem a viver uma vida baseada na prudência, retidão, sabedoria e meditação. Também conhecido como Nobre Caminho Óctuplo, não pode ser considerado simples mandamentos budistas, pois não foram inventados por Buda. Ele apenas explicou, detalhou e divulgou para todos os interessados, qual a via que leva o homem à libertação da dor e do sofrimento. Esta via contempla oito aspectos do comportamento humano a saber:
1.     Palavra Correta: é aquela que edifica, que encoraja, que é dita na hora certa, no tom certo, com as palavras adequadas, conforme a necessidade da situação. O sábio deve escolher a palavra mais eficaz, de acordo com a pessoa e o momento. A palavra correta não é  apenas aquela que é bonita e sábia, ela tem que ser, antes de tudo, verdadeira.  Discursos e sermões bonitos, podem até soar bem aos nossos ouvidos. Mas se não partir de um coração sincero, verdadeiro e honesto, será apenas mais um engodo, mais uma ilusão.  O homem que ensina a verdade, mas não a vive,  é um hipócrita. Suas palavras podem ser corretas, mas como seu coração não é puro, nem suas intenções boas,  elas são, na verdade, mentirosas e traiçoeiras . 
2.      Ação Correta:  são ações edificantes, positivas, boas  para todos os seres vivos e o meio ambiente. Atitudes que sejam fundamentadas na ética, justiça, verdade e no amor ao próximo. Ações que roubam, enganam, prejudicam, exploram e iludem o próximo não são ações corretas. A ação correta deve ser sábia, prudente e ponderada. Evitando uma visão exclusivista, egoísta e individualista. Deve promover o bem estar e o bem comum. 
3.     Meio de Vida Correto: ganhar o sustento de forma honesta , justa, ética e correta. Sem enganar, roubar, ludibriar , explorar ou prejudicar o próximo. Não é fácil estabelecer que tal profissão seja correta, e  outra não seja. Por exemplo, político, advogado e soldados, poderiam, numa visão simplista, serem considerados profissões perniciosas à humanidade. Todavia, sabemos que essas profissões são necessárias dentro da complexidade da sociedade moderna. Desta forma, entende-se que o meio de vida correto, está relacionado muito mais a uma postura correta dentro da profissão, do que ao seu tipo . Você pode ser um político honesto, correto, cumpridor dos deveres ou pode ser um corrupto. O advogado pode escolher ficar do lado dos ladrões e desonestos, ou defender as causas nobres, promovendo a justiça e o bem comum. O soldado pode cumprir seu dever sem se tornar tirano ou cruel. E assim por diante. 
4.      Esforço Correto: o esforço correto está relacionado ao empenho adequado na busca pela iluminação interior.  Tem-se que ter em mente, que a palavra “esforço”, não significa necessariamente a luta, o conflito ou a repressão. Mas a dedicação, a energia e a seriedade com que nos dispomos para compreender a verdade sobre nós mesmos e a vida.  Assim, o esforço correto pode ser entendido como a  vivência do estado meditativo que é sem esforço, sem tempo, sem objetivos e sem desejos. Sem que entremos nessa dimensão desconhecida e atemporal, será  muito difícil- ou até impossível-  obtermos êxito na via que leva à  libertação.
5.     Plena Atenção Correta: é a Meditação vivida, "praticada" da forma correta. Ora, se não meditarmos corretamente,  não chegaremos a lugar nenhum- apesar de que não haver nenhum lugar a se chegar. Pois tudo já “é” no aquiagora. Todavia, nossa mente está condicionada pelo tempo e pelo desejo, não conhecendo outro estado a não ser o da mente-pensamento-ego. Há várias pessoas meditando de forma equivocada. E por isso, ao invés de se libertarem, estão aumentando seus grilhões. Por isso, a Meditação Correta é de suma importância. Sem ela estaremos rodando em círculos e não ascenderemos a níveis superiores de compreensão e consciência. 
6.     Concentração Correta: Modernamente, quando se fala em concentração, vem logo à mente alguém fazendo esforço para focar a mente em um só ponto . Não é sobre isso que Buda fala, pois o esforço, implica num desejo, tendo como base um objetivo.  Essa prática ao invés de libertar, aprisiona a mente. Assim, questões metafísicas , discussões teóricas e assuntos irrelevantes como política, religião e futebol devem ser evitados. Por fim, devemos pensar, refletir, raciocionar sobre os assuntos e questões que sejam realmente relevantes e úteis. A mente é erradia e fugaz. O sábio evita que a mente divague por assuntos que não são bons, edificantes e que não tragam benefícios ao espírito. 
7.     Pensamento  Correto: é o pensamento consciente, funcional, desprovido de sua carga reativa, automática e opressora. O pensamento quando  conscientemente dirigido, deve promover a paz, o bem, e a harmonia. Esse pensamento é salutar pois passa a ser usado como instrumento,  à serviço da consciência.  O pensamento quando descontrolado e inconsciente, causa males não somente ao seu dono, como também aos demais seres. Pensamento é energia, por isso a importância de se ter pensamentos corretos, que sejam edificantes, positivos e benevolentes . Ao pensar corretamente e conscientemente estaremos emanando energia positiva para o universo, o que beneficia tanto a nós mesmos, quanto a todos os seres do universo.

8.     Compreensão Correta: É a compreensão clara, sábia e verdadeira acerca de si mesmo, da vida e do universo. Essa compreensão inclui a descoberta de tudo aquilo que aprisiona o homem na ilusão e ignorância. É entender como a mente funciona, como ela cria a dor e as ilusões. É compreender a verdade sobre si mesmo, vendo as coisas como elas realmente são.  É se autoconhecer para conhecer o próximo. É ver claramente a verdade sobre o EGO e como ele atua em nossas vidas. É compreender e ver claramente “o que é”, no aquiagora, libertando-se de todas ilusões, erros e ignorância.                                                  
Nenhum homem está livre das consequências de seus atos, palavras, pensamentos e sentimentos. Buda percebeu isso e ensinou à toda humanidade um caminho que fosse praticável por todas as pessoas sem distinção. Não são regras budistas.  Pelo contrário, é uma via universal, que se aplica a todos os homens, independente da cultura, raça ou religião.  São  princípios universais que tem como objetivo ensinar o ser humano a viver uma vida boa, justa, ética,  plena, sábia, harmoniosa e feliz.
 Alsibar
Fontes de Pesquisa: 
·        Budismo: Psicologia do Autoconhecimento- Dr. Georges da Silva & Rita Homenko.
·        O pensamento vivo de Buda- Martin Claret
·        O Evangelho de Buda- Yogi Kharishnanda
·        Sócrates Jesus Buda- Três Mestres da Vida- Frédéric Lenoir

Um comentário:

  1. Belíssimo texto meu caro. Fiz meditação aqui em Sp numa escola chamada Brahma Kumaris, e sua linha de atuação é o Raja Yoga. Muito bom, mudou radicalmente minha vida e venho desde então praticando-a. Sempre q tivermos oportunidade estaremos visitando-o. Muita saúde meu caro!

    ResponderExcluir